By

“Asas do Arcanjo São Miguel”

Dom Jaime Luiz Coelho, primeiro Arcebispo de Maringá, falecido na madrugada desta segunda feira aos 97 anos, honrou, ao longo dos últimos anos, aos Arautos do Evangelho de Maringá com um carinho paternal, próprio das grandes almas, e este convívio deixará saudades indizíveis. Os jovens dos Arautos tiveram a rica oportunidade de estar na companhia do Pastor em inumeráveis ocasiões: em suas Santas Missas, principalmente nas Missas de Natal na Catedral de Maringá, em várias apresentações musicais, em memoráveis “serenatas” natalinas que puderam fazer, quando Dom Jaime comprazia-se em atender às portas de sua residência episcopal aos jovens que sentiam uma verdadeira acolhida de sua parte. Impressionante como um já venerável ancião desdobrava-se em cuidados e atenção para com aqueles pequeninhos que, apenas com dificuldade poderiam entender o significado de tão nobre pessoa.

São inesquecíveis, também, as inúmeras ocasiões em que os Arautos foram convidados para tocar seus instrumentos nas comemorações de aniversário de Dom Jaime; a última delas, inclusive, na sexta feira, dia 26 de Julho, quando foi celebrado o seu 97º. Aniversário natalício. É encantador ver, pelas lentes do fotógrafo do O Diário de Maringá, os pequenos Arautos oferecendo ao venerando Arcebispo uma singela apresentação musical, tocando suas pequenas flautas. Fica nítida a satisfação demonstrada por Dom Jaime, ao receber essa despretensiosa homenagem.

Há alguns anos, em uma dessas comemorações natalícias, Dom Jaime estava cercado por uma quantidade de jovens de 10, 11 anos – ou menos – que davam seus primeiros passos nas fileiras dos Arautos. Já idoso, ele fez questão que os meninos o acompanhassem – apoiando-o pelos braços – a um pequeno passeio pelo jardim de sua casa, mostrando, animadamente  as diversas árvores e plantas que ali existiam. Depois, o venerando Arcebispo fez-se acompanhar dos jovens ao interior de sua casa, para mostrar-lhes algumas relíquias. De repente, Dom Jaime disse ao meninos: “Tenho aqui uma relíquia muito especial: um pequeno pedação da asa do Arcanjo São Miguel!”. A inocente reação dos pequenos foi automática: “Nossa!! Puxa vida!! Que fantástico!! Uma relíquia de São Miguel!”, responderam entusiasticamente. O pranteado Arcebispo quase não se conteve, demonstrando um verdadeiro encantamento sobre o efeito de sua singela brincadeira sobre aquelas alminhas. Este fato – entre tantos outros – deu, certamente uma alegria verdadeira àquele senhor, protagonista de inúmeras batalhas em sua longa vida à serviço da Igreja e da Comunidade maringaense.

Neste momento de dor, mas também de alento e de esperança, fica a nossa homenagem a este grande Arcebispo. Que Nossa Senhora da Glória o receba e o cubra com o seu Manto Sagrado. Que São Miguel lhe empreste as asas para que possa voar até o encontro da felicidade eterna, até a digna morada que para ele está preparada, desde toda a eternidade.

Por João Celso

Faça um Comentário!