By

Vigília do Santo Natal: um momento de reflexão

Não é raro encontrarmos pessoas que, neste mundo onde a ostentação, busca de prestígio e vanglória permeiam os corações insensatos, procuram esconder sua ascendência por serem de condição humilde. Como cresceram monetariamente, esquivam-se de seus parentes pobres, pois consideram isso uma humilhação perante os demais. Um tanto menos numerosos são aqueles que, tendo entre seus ascendentes pessoas que se desvirtuaram pelas sendas do pecado e caíram miseravelmente nas armadilhas do demônio, rechaçam-nas sem compaixão e, menos ainda, rezam por elas.

No entanto, vemos esta mesma situação sob uma perspectiva impressionante e incomparável, na leitura da Missa da Vigília de Natal, narrada por São Mateus (Mt 1, 1-25), posta a Pessoa inserida e central: temos aí a genealogia do Menino Deus, que registra não só pessoas pobres (o exemplo máximo: São José, que obtinha com dificuldades o sustento da Sagrada Família), mas pessoas escandalosamente criminosas e pecadoras. Para citar apenas dois personagens: o rei Davi e seu filho, o Rei Salomão. Aquele se uniu ilegitimamente à esposa de Urias e levou seu pecado ainda mais longe, tramando a morte do fiel general de seus exércitos. E o Rei Salomão, que recebera o dom da Sabedoria, caiu em idolatria, abandonando a Lei do Senhor (I Re 14,23).

Diante desta especialíssima genealogia, entremeada por luzes e trevas, Mons. João Clá Dias, EP, apresenta-nos a seguinte questão: “Ao constatar todas essas abominações [incluindo as que aqui foram citadas] ficamos impressionados e logo nos perguntamos qual a razão de Deus as haver tolerado. Por que teria o Salvador consentido e querido que na sua linhagem constasse gente de vida dissoluta? Ele conhecia esses horrores desde toda a eternidade e podia eliminá-los num instante” (1).

E responde com São João Crisóstomo: “Ele veio à Terra não para fugir de nossas ignomínias, senão para tomá-las sobre Si” (2)

E Monsenhor João acrescenta: “Assim, ele põe um ponto final nesse encadeamento de misérias com uma glória extraordinária, porque se os homens fossem perfeitos não se justificaria a Redenção, conforme canta a Igreja na Liturgia da Páscoa: ´Ó pecado de Adão indispensável, pois o Cristo o dissolve em seu amor; ó culpa tão feliz que há merecido a graça de um tão grande Redentor!`” (3)

Peçamos, neste Santo Natal, que o amor infinito do Menino Deus, pelos rogos de Nossa Senhora de Belém e de São José, dissolva nossos pecados e nos faça sentir toda a sua bondade, misericórdia e perdão.

Por Adilson Costa da Costa

______________________

(1) Mons. João S. Clá Dias, EP. Ele veio salvar os pecadores… In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. I, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 83
(2) São João Crisóstomo. Homilia III, n. 2. In: Obras. Homilias sobre el Evangelio de San Mateo (1-45). v. I, 2. ed. Madrid: BAC, 2007,  p. 42.
(3) Mons. João S. Clá Dias, EP., idem, p. 83-84

One Response to Vigília do Santo Natal: um momento de reflexão

  1. IVONE says:

    SALVE MARIA!muito linda a mensagem, São nos pequenos gestos e atitudes do nosso dia-a-dia que devemos proporcionar o mínimo de alegria e compreensão a todos que nos cercam. Que o espírito natalino encha …FELIZ NATAL A TODOS OS ARAUTOS DO EVANGELHO.

Deixe uma resposta para IVONE Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: