By

Caro leitor, não deixe de ler este artigo!

Muitas são as diversidades que encontramos no povo brasileiro. Desde o gaúcho até o nordestino, quanta variedade, não é mesmo? Pode ser que o leitor já tenha viajado por muitos estados do Brasil, e pôde, assim, comprovar como existem diferenças em cada um deles: no sotaque, no vocabulário, na culinária, na mentalidade e na maneira de agir em meio às dificuldades da vida, etc.

Não vamos nos alongar muito, pois só o “passear” por essas múltiplas variedades daria uma excelente obra literária, que certamente todos gostaríamos de ler. Como seria interessante e atraente vermos um álbum bem diagramado e ilustrado, com papel de primorosa qualidade, que mostrasse toda essa pluralidade de aspectos da cultura brasileira! Não teríamos vontade de folhear e ler essas páginas?

Isso que acontece em nosso tão querido Brasil, ocorre também em maior ou menor grau nos países do mundo. Cada um deles possui uma cultura própria. Mas por quê? Por que, por exemplo, os europeus são tão diferentes dos latinos ou dos africanos?

A resposta a tal questionamento encontra-se na Doutrina Católica: é porque Deus, Ser infinitamente sábio e generoso, quis deixar no conjunto da criação uma grande variedade de criaturas, para que pudessem melhor refletir sua grandeza majestosa, infinita e perfeita. E é por isso que o Altíssimo criou também os homens e as nações com uma grande variedade de psicologias, para que pudessem amá-Lo e adorá-Lo com a sua própria maneira de ser e de viver.

Dediquemos-nos a analisar, ainda que brevemente, a maneira de ser do povo alemão. Tem ele uma grande delicadeza de alma para as canções de Natal. De tal maneira, que eles compuseram a canção de Natal universal: Stille Nacht, (Noite feliz), melodia que passou a ser a canção natalina de todos os países.

Oh sim, o Noite Feliz! Logo ao ouvirmos os primeiro acordes desta sublime música, vem-nos um sentimento de ternura e submissão de espírito diante do Menino Jesus, tão pequeno e frágil na manjedoura.

O Menino está dormindo em celestial tranquilidade – como nos diz a letra original em alemão: “schlaf in himmlischer Rhu”. Que traduzida diz: dorme em celestial tranquilidade. Mas que com que tranquilidade Ele dorme!

Esse Menino não é um Menino da terra, é um Menino do Céu. A tranquilidade dele é a tranquilidade do céu. Vejam só que altas cogitações de reverência, compaixão e ternura estes belos acordes nos trazem. Sentimentos de ternura vigilante para que nada toque no Menino, que nada O moleste. Ele começa a chorar, mas logo a Mãe O consola, e temos então um profundo movimento interior de compaixão.

Acompanhando este movimento de ternura vem também uma alta reflexão, admiração e enlevo pelo Menino na melodia da música. Por quê? Porque ali está o Menino-Deus, que quando abre seus braços já forma uma cruz, fazendo-nos pensar na dor insondável pela qual Ele passará. Tudo para o nosso bem, para nossa salvação, pois Ele veio ao mundo para essa finalidade.

Isso forma um magnífico paradoxo, pois é a ternura e a compaixão para Alguém que é infinitamente mais do que nós; é a ternura para com Deus! Então temos a compaixão admirativa, para com o que há de mais delicado, fazendo-se um pedido Àquele de que se tem pena. Isso é de uma grande beleza, e está muito bem representado na melodia do Noite Feliz, não é verdade?

É muito interessante vermos como todas as canções de Natal alemãs possuem esses sentimentos magnificamente ligados, e que formam o espírito de Natal no povo alemão.

Isso sem falar nas suculentas, deliciosas e substanciosas iguarias da culinária alemã, dos abundantes e coloridos enfeites no pinheirinho de Natal, etc. Imaginemos, em um pequeno povoado alemão, as casinhas da aldeia todas cobertas de neve, com as fumaças subindo das chaminés, e é a festa de Natal que já está preparada; a lareira está acesa, as delícias já estão no forno…Todos vão caminhando com passos largos para a igrejinha, com um relógio iluminado por dentro, indicando dez para a meia-noite.Todos entram logo para tirar seus capotões e se aquecerem. Depois da Santa Missa, começam, então, as festas de Natal. Tudo isto está em um quadro só, que completa os sentimentos de uma canção de Natal alemã.

Maneiras diferentes de conceber o Natal vemos também em outros povos, como o povo espanhol, francês, inglês, etc. Agora, por que digo isso? Para compreendermos melhor a Igreja Católica vivendo na alma de povos diferentes. Porque Ela é riquíssima, inesgotável em frutos de santidade e de perfeição. É equivalente ao sol quando atravessa vidros de cores diferentes. A luz solar quando transpassa num vitral vermelho acende um rubi; quando passa por um pedaço de vitral verde, faz fulgurar uma esmeralda! No fundo é o mesmo sol. De noite aquele vitral não expressa esta variedade de cores e símbolos.

Peçamos, então, a Nossa Senhora que nos faça compreender e amar cada vez mais o espírito da Igreja Católica, vendo e analisando os belos reflexos dessa luz admirável no riquíssimo e encantador vitral da cristandade.

Peçamos ao Menino Jesus que o amemos cada vez mais e que – neste ano de 2014 que se inicia – possamos dar a Ele o melhor de todos os presentes: o nosso coração.

Por Luís Plinio Gabriel Campanholi dos Santos

2 Responses to Caro leitor, não deixe de ler este artigo!

  1. Gessi says:

    Como e Fenomenal!!! nosso povo em em todo o mundo,Sera que noite feliz foi aquela cançao que um Santo entrariam cantando na Igreja na noite de Natal e, na hora esqueceu.

  2. Claudinei Ayala says:

    Belíssimo artigo e espetacular composição de imagens.
    Que Nossa Senhora provenha-os sempre da inspiração para partilhar com os leitores do Blog estas vivências.

Faça um Comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: