By

Santa Maria Madalena: expressão do verdadeiro amor

Durante o curto espaço de tempo das férias de julho, ou então no final do ano, muitos aproveitam para viajar ao interior onde o céu, despojado da poluição das grandes cidades, nos fornece à noite, um espetáculo grandioso, qual seja, o firmamento das estrelas, repleto de luzes a cintilar maravilhas.

Maria Madalena lava os pés de Jesus – Versailles

Mas outro firmamento, incomparavelmente mais belo que o das estrelas – em relação ao qual este não é senão um símbolo – cintila aos olhos de nossa alma, e isto ao longo de todo ano, com luzes especiais, conforme o calendário litúrgico.

Qual é este firmamento? É o firmamento dos Santos e Santas da Igreja que resplandecem e sua luz nunca deixará de brilhar, seja na História da humanidade, seja por toda a eternidade.

Quão variado de “estrelas” é este firmamento: santos inocentes, santos penitentes (cuja vida, outrora afastada de Deus pelo pecado, convertem-se heroicamente), santos reis, nobres, santos plebeus, santos doutores e sábios, santos despojados de maior inteligência, santos ricos, santos pobres…

Santos, em uma palavra, que nos trazem, com suas vidas, seus dramas, suas virtudes, suas penitências, exemplos para todos os cristãos, a apontar para Aquele que é o Caminho, a Verdade, a Vida.

Contemplemos, caro leitor, uma destas “estrelas”, cuja festa se celebra neste mês de julho (dia 22), Santa Maria Madalena.

Conforme Jacopo de Varazze, “Maria, cognominada Madalena por causa do castelo de Magdala, nasceu de família muito digna, descendente de reis. […] Junto com o irmão Lázaro e a irmã Marta ela possuía o castelo de Magdala, situado em Betânia, localidade próxima da cidade de Jerusalém e a duas milhas de Genezaré, além de grande parte da cidade de Jerusalém. Quando dividiram entre si essas posses, a Maria coube Magdala, daí ser chamada Madalena; a Lázaro, grande parte da cidade de Jerusalém, e a Marta, Betania” (1). Tendo levado uma vida bem distante dos Mandamentos, mudou-a radicalmente, quando por ela passou o Divino Mestre.

Sua conversão foi tal que, arrependida de seus pecados, lavou os pés de Jesus com suas lágrimas e secou-os com seus cabelos. Estava ela aos pés da cruz, no momento mais doloroso, ápice da Paixão. E, como não poderia deixar de ser, devota da Santíssima Virgem, conforme nos aponta Mons. João Clá Dias, EP: “Santa Maria Madalena sempre aparece fazendo parte do cortejo da Santíssima Virgem, intimamente unida a Ela em todos os momentos, sobretudo na hora régia da vida de Nossa Senhora, quando Nosso Senhor Jesus Cristo, com dores indizíveis, disse Conssummatum est (2). Foi Santa Maria Madalena a primeira testemunha da ressurreição de Jesus, conforme narram os Evangelhos.

Mas qual a cintilação desta santa penitente que luz a nossos olhos e nos encaminha para a Luz de nossas vidas que é Jesus Cristo?

Consideremos sua conversão. De onde veio tal conversão? Do amor entranhado a Nosso Senhor Jesus Cristo. Ela O viu, contemplou e amou, com um amor sem medidas. Nela se realizou o que nos ensina São Francisco de Sales: “a medida de amar a Deus consiste em amá-Lo sem medidas”. Ou então, no dizer cheio de fogo de São Pedro Julião Eymard: “Pois, o que é o amor senão o exagero?” (3)

Nossa Senhora de Fátima – Arautos do Evangelho

Aqui  está, com brilho todo especial, o exemplo daquela que é apresentada pela Igreja como o modelo de penitência. Sim, o amor cobre uma multidão de pecados (I Pedro, 4,8). Poder-se-ia completar: o amor verdadeiro a Nosso Senhor é tal, que tem o poder de nos tirar do pecado e conduzir-nos a mais alta santidade.

Sem pretender alongar estas palavras, considere o quanto o amor de Santa Maria Madalena a Nosso Senhor elevou-a. Ou por outra, o quanto o amor de Nosso Senhor a recompensou: Ela merece ser chamada autêntica “discípula de Jesus”. (4)

Rezemos em união com Santa Maria Madalena, para que Nossa Senhora nos obtenha a graça deste amor radical ao seu Divino Filho, e veremos as maravilhas que a graça operará em nós.

Santa Maria Madalena, rogai por nós.

Nossa Senhora do divino amor e refúgio dos pecadores, rogai por nós.

Por Adilson Costa da Costa

_________________________________

(1) Jacobo de Varezze. Legenda Áurea – Vida de Santos. Tradução do latim, apresentação, notas e seleção iconográfica de Hilário Franco Júnior. Companhia das Letras, 2016, p.544.

(2) Santa Maria Madalena: contemplação: fruto da penitência e do desapego. Disponível em : <http://santossegundojoaocladias.blogspot.com.br/2013/03/santa-maria-madalena.html>. Acesso em 24 Julho 2014.

(3) Pe. Robert Rousseau, SSS. Uma breve biografia de São Pedro Julião Eymard. Disponível em: <http://ww.blessedsacrament.com>. Acesso em 02 Agosto 2013.

(4) Liturgia Diária – Texto litúrgico publicado com autorização da CNBB – Ano XXIII – n. 271 – Julho de 2014. Paulus, 2014, p. 67.

2 Responses to Santa Maria Madalena: expressão do verdadeiro amor

  1. Geovania Cristina Maia says:

    Salve Maria!!
    Belissimo Sr.Adilson, ficamos muito feliz com a volta do nosso blog.

  2. Maria Jandira says:

    O Amor radical a Jesus faz a graça operar maravilhas em nós.
    Magnífico artigo, é uma meditação, esclarecimento, pedido para vivermos autenticamente como os numerosos e intensos exemplos dos Santos e nossa terna Mãe, a sempre interceder por nós!

Faça um Comentário!

%d blogueiros gostam disto: