By

A História de Santa Hildegonda: a obediência é a guarda da inocência (Parte I)

Estamos na Europa Medieval. Uma mãe estava para dar à luz, porém o parto trazia complicações. Nasceu Hildegonda e sua irmã gêmea, mas infelizmente, por algum desígnio divino, Deus quis levar naquele momento a vida de sua mãe. O pai, muito preocupado com a sobrevivência das duas filhas, fez uma promessa de ir em peregrinação até a Terra Santa caso elas passassem com vida por essa situação difícil. Deus premiou a Fé daquele pobre homem. Conseguiu os auxílios de que precisava e as duas irmãs cresceram sadias nas terras da bela Alemanha onde haviam nascido.

Quando ambas tinham por volta de dez anos, seu bom pai, já com idade um pouco avançada, decidiu que havia chegado o momento de empreender a heroica e abençoada viagem a Jerusalém. Entendeu ser prudente deixar a irmã de Hidelgonda sob os cuidados de fervorosas religiosas, que viviam em um Mosteiro próximo e levar apenas uma das filhas para auxiliá-lo no audacioso propósito.

Terra Santa – Jerusalém

Entretanto, analisando melhor a situação, compreendeu que, sendo sozinho e já não tendo as forças da juventude, não poderia proteger a pureza de sua inocente filha contra malfeitores e ladrões que rondavam os caminhos. Como resolver tão premente problema e pagar sua fervorosa promessa?

Talvez, inspirado pelo Espírito Santo, o piedoso pai pensou em uma criativa solução: deu roupas de menino para a pequena menina, cortou bem curtos seus cabelos e com sua paterna autoridade, deu a Hildegonda uma ordem que de modo algum ela poderia desobedecer. Explicou-lhe que seria uma viagem perigosa e que ela não mais se chamaria Hildegonda, nem deveria agir como uma menina. Daquele dia em diante, chamar-se-ia “José” e só poderia atender por este nome, como se fosse um menino. Hildegonda, sempre obediente, aceitou com humildade e boa disposição tudo o que seu pai lhe pedia.

Partiram, então, pai e “filho” rumo ao longínquo, místico e misterioso Oriente Médio. Para chegar a seu objetivo, deveriam primeiramente deslocar-se das terras germânicas até a Península Itálica onde embarcariam, junto a um de seus numerosos e movimentados portos, em algum navio que se dirigisse, pelo Mar Mediterrâneo, em  direção ao sol nascente.

O percurso foi duro, longo e extremamente desgastante. Conseguiram chegar nas terras alegres e cheias de vida que hoje chamamos de Itália, porém a saúde do corajoso pai ressentiu-se das dificuldades que uma viagem como essa, naquela época, trazia. Apesar dos auxílios sempre prontamente prestados pelo solícito e bondoso José, a doença progredia irreparavelmente.

Pressentindo, em meio às dores e preocupações, que um outro desígnio divino ainda mais incógnito poderia talvez levar-lhe não à Terra Santa, mas ao Paraíso, chamou seu amado “filho” e disse-lhe que se morresse, seria ainda mais importante que ele continuasse observando a ordem que lhe havia dado. Para sua segurança e para o bem de sua alma, devia continuar vivendo com sua segunda identidade, nunca revelando este segredo. Era preciso mais do que nunca continuar a ser “José”.

Mais uma vez a inocente criança acolheu inteiramente os conselhos de seu bom pai que, pouco depois, entregava suas filhas e sua alma a Deus, assim como Lhe havia entregue alguns anos antes, a alma de sua esposa. Realmente as duas filhas estavam nas mãos de Deus, mas em condições inteiramente adversas: uma nas mãos de santas religiosas e, desta forma, nas mãos do Altíssimo; outra sozinha, sem pais, sem amigos, sem bens, num país de língua estranha e sem proteção humana, sujeita à má influência de pessoas maldosas, com risco de perder sua inocência e a salvação de sua alma.

Sem dúvida, podemos dela também dizer que tal era a dificuldade enfrentada, que estava somente amparada por Deus, e nas mãos da sua Divina Providência. Sem outra opção, teve que contar com a caridade alheia e começou então a mendigar…

Qual seria agora o destino de Hildegonda, ou melhor, do pobre menino mendigo chamado José?

Se considerarmos quão impressionantes são os problemas que enfrentou e enfrentava, mais impressionante é o que se passaria a partir deste momento e as lutas que teve de travar!

Se queres conhecer tudo isso, caro leitor, reze e espere pelo próximo artigo que trará o fim inimaginável desta história.

Salve Maria e até o próximo artigo!  

Por Marcelo Veloso Souza Mendes

2 Responses to A História de Santa Hildegonda: a obediência é a guarda da inocência (Parte I)

  1. Joice says:

    Aguardo ansiosamente o desfecho da história !!!
    Publiquem o quanto antes !!!

    Salve Maria.

Faça um Comentário!

%d blogueiros gostam disto: