By

Sigamos o exemplo de São Pedro proclamando: Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo!

À medida que aprendemos a Doutrina da Santa Igreja nos encantamos pela didática utilizada por Nosso Senhor, seja para falar às multidões que O ouviam, no meio do deserto, junto ao mar ou para formar os Apóstolos. Podemos citar, entre as mais belas passagens do Evangelho, a resposta dada por São Pedro à pergunta do Divino Mestre: E vós, quem dizeis que Eu sou?”. Eis que o Apóstolo, cheio de entusiasmo, responde: Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo” (Mt 16, 13-16).

Poderíamos nos questionar: o que São Pedro viu em Jesus que os apóstolos não enxergaram?

Cristo entregando as chaves a São Pedro

Sobre o que diziam os homens a respeito de Jesus, os discípulos responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros, que é Elias, outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas” (Mt 16, 14).

Os apóstolos não alcançavam muito mais do que esta visão dos homens, embora privilegiados pelo convívio incomparável com o Mestre, terem presenciado os mais estupendos milagres, ouvirem de viva voz as mais sublimes explicitações e palavras de vida eterna. No entanto, eram ainda tímidos na fé. Além do mais, como observa Mons. João Clá Dias, EP, estavam “receosos de perder a consonância com a opinião pública […]. Sabiam que era filho de Maria e José, mas ignoravam onde havia estudado, de onde vinha tanta sabedoria, como conseguia o poder de fazer milagres” ¹.

Frente à importante pergunta de Jesus, que intencionava formá-los e alargar neles a virtude da fé, até onde se deve alcançar, Pedro com ímpeto e ardorosamente proclama: Tu és o Messias, o Filho de Deus Vivo.

E qual foi o prêmio dessa proclamação de São Pedro?

A afirmação externada pelo Apóstolo, em si, é um prêmio, visto que tão elevada verdade foi-lhe revelada pelo Pai, não sendo fruto da percepção humana. Nosso Senhor, em Sua incomensurável sabedoria e bondade, estabelece uma palavra de vida eterna: “Por isso Eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra eu edificarei minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na Terra será ligado nos Céus: tudo o que tu desligares na Terra será desligado nos Céus” (Mt 16, 18-19).

A respeito do Papado, seu fundamento e sublimidade, indestrutibilidade e infalibilidade, quanto se teria que dizer. Contudo foquemos, neste momento, sobre outra grandeza igualmente divina: o conhecimento e reconhecimento a propósito de Nosso Senhor, sua condição de Filho de Deus.

Na passagem do Evangelho que narramos (do XXI Domingo do Tempo Comum) está a mais alta compreensão e bela proclamação de quem é Jesus. Com efeito, conforme Santo Hilário nos ensina: “A fé verdadeira e inviolável consiste em crer que o Filho de Deus foi engendrado por Deus e tem a mesma eternidade do Pai. […] E a confissão perfeita consiste em dizer que este Filho tomou Corpo e Se fez Homem. Compreendeu, pois, tudo o que expressa sua natureza e seu nome, no que está a perfeição das virtudes”. ²

Encontra-se expressa aqui a mais alta compreensão que podemos almejar a respeito de Nosso Senhor Jesus Cristo. Infelizmente  de tal compreensão a humanidade, a olhos vistos, cada vez mais se afasta num crescente abandono da fé verdadeira.

Roguemos Àquela que é a Virgem fiel para que nos de toda a fidelidade ao Homem-Deus, confessando e proclamando em união com São Pedro, toda a nossa fé no Messias, o Filho de Deus vivo, e no perfeito cumprimento de Sua vontade na Terra e Sua glória no Céu. Assim seja!

Por Adilson Costa da Costa

____________________________

¹ Mons. João S. Clá Dias, EP. A fé de Pedro, fundamento do Papado. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. II, Ano A, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 286-299.

² Santo Hilário de Poitiers. Commmentarius in Evangelium Mattei. C.XVI, n. 4-5: ML 9, 748-479.

Faça um Comentário!

%d blogueiros gostam disto: