By

Um elemento fundamental para bem vivermos o Ano da Fé: a Caridade

De forma cada vez mais pertinente, oportuna e proveitosa, tem-se abordado a importância deste Ano da Fé, para nos aprofundarmos no conhecimento da Doutrina Católica e nos exercitarmos na prática dos atos desta virtude sobrenatural que é a fé e, assim, desenvolvermos nossa firme convicção, com auxílio da graça, na verdade revelada por Jesus Cristo e ensinada pela Igreja Católica. (1) (2)

Conforme já se viu (3), o estudo proveitoso da Doutrina Católica nos leva a um crescimento não só intelectual, como espiritual. De fato esta virtude teologal – para o desenvolvimento integral do homem – é suscetível de crescimento. Em contrapartida, se na virtude da fé não se cresce, ela entra num processo de crise, definha a tal ponto que pode chegar ao seu desaparecimento. Em outros termos, segundo o adágio popular: “o que não anda, desanda”… máxime, em se tratando da vida intelectual e espiritual – poderíamos acrescentar. Ou seja, a fé precisa crescer, exercitar-se, aprofundar-se para que não se atrofie, como acontece com a musculatura humana que, tendo necessidade de exercícios e se não os pratica, adoece.

Devido a esta ausência do exercício da Fé, com zelo bem nos adverte o Sumo Pontífice da Igreja Universal e Servo dos Servos de Deus: “Em vastas áreas da Terra a Fé corre perigo de se extinguir como uma chama que deixa de ser alimentada. Estamos diante de uma profunda crise de Fé”. (4)

Com efeito, a propósito desta crise de fé, observa o Revmo. Padre Salazar Rojas, EP:

O obscurecimento da Fé e do senso de Deus poderia ser comparado a um dos mais assombrosos acontecimentos cósmicos, o eclipse do Sol. O filósofo Martin Buber o aplica a nossos dias, quando escreve que a “hora histórica que o mundo atravessa” assemelha-se à de um “eclipse da luz do céu”, de um “eclipse de Deus”. (5)

Exercitar a Fé através da Caridade

Mas então, como fazer para que a Fé não se extinga, mas seja viva? O Catecismo da Igreja Católica nos apresenta o caminho indicado pelo Espírito Santo, o Espírito do Amor, através de São Paulo: “a fé viva ‘age pela caridade’ (Gl 5,6)” e aprofunda este ensinamento: “O dom da fé permanece naquele que não pecou contra ela”. (6)

O papel da caridade, como fundamento e inspiração de todas as virtudes (7) – portanto, da virtude da Fé – é apresentado, no dizer de Mons. João Clá Dias, no

mais célebre dos hinos sobre a caridade [ ] recortado pela Liturgia de hoje [IV Domingo do Tempo Comum], à guisa de segunda leitura (I Cor 13, 1-13): “Se eu não tivesse caridade”, repete São Paulo três vezes nesse texto, proclamando que, sem ela, de nada lhe serviriam todas as ciências e virtudes. O verdadeiro amor “não busca os seus próprios interesses […] tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. (8)

Maputo, Moçambique – Um sacerdote missionário dos Arautos do Evangelho ministra os sacramentos. Numerosos missionários trabalham ativamente animando as pequenas comunidades cristãs em todo o país.

Vê-se que São Paulo sublinha o quanto é necessária a caridade, para tudo o que se faça tenha seu bom desenvolvimento e aproveitamento. Seja qual for o gesto, a dedicação, o esforço que empreendamos, deverá ser “substanciado” de caridade. E como praticá-la? Amando a Deus e ao próximo e guardando os seus Mandamentos: “permanecei em meu amor. Se observais os meus mandamentos, permanecereis no meu amor” (Jo 15, 9-10).

Eis o elemento substancial da nossa fé. Assim, se quisermos crescer na fé, peçamos a Nossa Senhora, Mãe do Divino Amor, que cresçamos sempre mais na caridade, no amor a Deus e ao próximo, na prática dos Mandamentos. Aí seremos homens de fé e mulheres de fé, bem vivendo o Ano da Fé.

(1) Catecismo da Igreja Católica. 11ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001, p. 488.
(2) SPIRAGO, Francisco. Catecismo Popular. 2ª. ed. Guarda: Tipografia da Empresa Veritas, s.d., p. 41.
(3) “O Ano da Fé e o estudo frutuoso da Doutrina Católica”. Disponível em  http://maringa.blog.arautos.org/2013/01/o-ano-da-fe-e-o-estudo-frutuoso-da-doutrina-catolica/
(4) BENTO XVI. Discurso aos participantes da reunião plenária da Congregação para a Doutrina da Fé, de 27/1/2012.
(5) SALAZAR ROJAS, EP, Pe. Winston de La Concepción. O pecado de nossa época. In Revista Arautos do Evangelho, São Paulo, n. 134, p. 24, fev. 2013.
(6) Catecismo da Igreja Católica. P. 489.
(7) _______. P. 492.
(8) CLÁ DIAS, Mons. João Scognamiglio, EP. O inédito sobre os Evangelhos. Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana e São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 56.

One Response to Um elemento fundamental para bem vivermos o Ano da Fé: a Caridade

  1. Claudinei Ayala Brenha says:

    Salve Maria!
    Mais do que oportuna a reflexão apresentada neste artigo, pois vislumbramos neste período o distanciamento dos Mandamentos e, por consequência, a perda da humanidade das pessoas para com seu próximo, onde as relações estão cada vez mais desprovidas de afeto, respeito, valores éticos e morais.

Faça um Comentário!

%d blogueiros gostam disto: