By

A harmonia entre as coisas de Deus e as coisas da Terra

Numerosas foram as ciladas dos fariseus para apanhar a Jesus. Entre estas, uma especialmente ardilosa consistiu em perguntar ao Divino Mestre: “Dize-nos, pois, o que pensas: É lícito ou não pagar imposto a César?” (MT 22, 17).

Qual a armadilha contida nesta questão e os ensinamentos na resposta de Jesus à nossa vida moral e para a sociedade?

Com efeito, estavam os judeus sob a dominação romana e, em consequência, obrigados a pagar o tributo a César. Entre eles havia dois inimigos “irreconciliáveis”: os fariseus, que queriam acabar com sua subordinação aos romanos e alcançar a supremacia de Israel, e o partido dos herodianos, que apoiavam a Herodes e sua família, cujo poder recebera dos próprios romanos. No entanto, apesar de adversários, fariseus e herodianos se uniram para conspirar e armar uma cilada contra Jesus.

No que consistia a cilada maldosa dos fariseus e herodianos contra o Senhor?

Assim explica o Fundador dos Arautos, Mons. João Clá Dias:

“Se Jesus optasse pela obrigação moral de pagar o imposto exigido pelos romanos, prontas já estavam as tubas dos adversários para sublevar os israelitas contra Ele, pois não era admissível um Messias que Se manifestasse a favor da submissão ao estrangeiro gentio. De outro lado, se Jesus negasse a liceidade do tributo, seria denunciado às autoridades romanas, que por certo o condenariam à morte.” ¹

Neste caso, ali estavam os herodianos, “como adeptos do governo de Roma, seriam acusadores e testemunhas”², contra Jesus.

Qual o ensinamento de Jesus, quanto à relação entre a esfera temporal e a espiritual?

Para além de neutralizar a artimanha dos fariseus e herodianos, Jesus nos traz um grande ensinamento para a sociedade.

Conforme diz Mons. João Clá Dias: “As coisas de Deus e as coisas da Terra não devem ser antagônicas. Pelo contrário, entre elas deve haver colaboração. Na harmonia entre ambas as esferas, a temporal e a espiritual, está o segredo do progresso. E a História nos mostra que nada pode haver de mais excelente do que seguir o conselho de Nosso Senhor: ´Buscai antes o Reino de Deus e sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo`(Lc 12, 31)”.

E, após apontar para o segredo do progresso, Mons. João Clá aplica o ensinamento de Jesus, ao homem:

“Pode-se dizer que há uma espécie de convívio entre as duas esferas dentro do homem, uma vez que temos para conosco deveres referentes à nossa vida espiritual e às necessidades de nosso corpo. A tal respeito, comenta Orígenes: ´Também podemos entender essa passagem no sentido moral, porque devemos dar ao corpo algumas coisas, como o tributo a César, isto é, o necessário; mas tudo o que corresponde à natureza das almas, isto é, o que se refere à virtude, devemos oferecer ao Senhor. Os que ensinam a Lei de modo exagerado e ordenam que não cuidemos em absoluto das coisas devidas ao corpo […] são fariseus, que proíbem pagar o tributo a César; e os que dizem que devemos conceder ao corpo mais do que devemos, são herodianos. Nosso Salvador quer que a virtude não seja desprezada, quando prestamos demasiada atenção ao corpo; nem que seja a natureza oprimida, quando nos dedicamos com excesso à prática da virtude`” ³.

E por fim conclui: “[…] seguindo o conselho de Santo Agostinho: se nos preocupamos com as moedas nas quais está gravada a efígie de César, muito mais devemos nos preocupar coma nossas almas, nas quais Deus gravou sua própria imagem. Se a perda de um bem terreno nos entristece, muito mais nos deve contristar o causar dano à nossa alma pelo pecado”. 4

Peçamos a Nossa Senhora, que soube buscar em primeiro lugar as coisas de Deus e a Sua justiça, gozando assim da plena harmonia entre a virtude e a natureza, que nos alcance de Deus o verdadeiro progresso para a sociedade e a santidade para cada um de nós.

Por Adilson Costa da Costa

______________________________

¹ Mons. João S. Clá Dias, EP. Dar a César, ou dar a Deus? In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. II, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 403.

² Louis-Claude Fillion. Vida de Nuestro Señor Jesucristo. Pasión, Muerte e Resurrección. Madrid: Rialp, 2000, v. III, p. 38-39.

³ Mons. João S. Clá Dias, EP, p. 406. Idem – http://pejoaocladiassermoes.blogspot.com.br/ – Acesso em 18 out 2014.

4 Mons. João S. Clá Dias, EP, p. 407.

One Response to A harmonia entre as coisas de Deus e as coisas da Terra

  1. NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS, ROGAI POR NÓS!!!

Faça um Comentário!