By

I Domingo do Advento, Ano B – Mons. João Clá Dias

“O que digo, digo a todos: Vigiai!”

Adoração, detalhe Anunciação por Fra Angelico

Em nosso egoísmo somos levados a nos considerar o centro de nossas atenções e preocupações; a essência de nossa vida cristã, porém, é social: “Amai-vos uns aos outros”; ou: “aquele que ama o meu próximo cumpriu toda a Lei”. Jesus pesa os nossos atos em função de nossa misericórdia com o próximo, ou seja, Ele usa, para nos julgar, de um critério social.
Deus distribui seus bens de modo desigual aos homens para que uns possam dispensar e outros receber. Isso se passa não só no campo material, mas sobretudo no campo cultural e espiritual. Pela misericórdia e justiça unidas, seremos julgados diante de todos os Anjos e homens.
Preparemo-nos, pois, neste advento, para receber Jesus, que vem na plenitude de sua misericórdia, e roguemos Àquela que O traz a este mundo sua poderosa intercessão para o nosso segundo encontro com Ele, quando vier de improviso, na plenitude de sua justiça.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 1º Domingo do Advento (30/11/2008)

By

BLACK WEEK na Reconquista!

Sabia que os planos da plataforma de formação católica RECONQUISTA, dos Arautos do Evangelho, estão em promoção?

História da Igreja, Formação para Crianças, Curso de Latim, Curso sobre o Matrimônio e muitos outros conteúdos exclusivos que você pode ter acesso com até 50% DE DESCONTO.

Não perca tempo! Escolha uma das opções abaixo clicando no link e garanta já sua assinatura!

⚜️ Plano Anual Black Week (50% de desconto) https://bit.ly/blackweekreconquista
⚜️ Plano Semestral Black Week (40% de desconto) https://bit.ly/assinareconquista
⚜️ Plano Trimestral Black Week (30% de desconto) https://bit.ly/descontoreconquista
⚜️ Plano Mensal Black Week (20% de desconto) https://bit.ly/promocaoreconquista

By

XXXIV Domingo do Tempo Comum, Ano A – Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo – Mons. João Clá Dias

Uma resolução inadiável!

Cristo Rei – Igreja de Santo Domingo, Cuenca (Equador) Foto: Juan Carlos Villagómez

Nas leituras dos dias anteriores, Jesus insiste na necessidade de estarmos preparados para o momento de comparecer ante o tribunal divino. Nesse sentido é a parábola das virgens tolas e das prudentes, com a qual se inicia o capítulo 25 de São Mateus. O mesmo se diga da parábola dos talentos, que vem logo a seguir, ambas ilustram o discurso escatológico iniciado no capítulo 24 do mesmo Evangelista, quando nosso Redentor adverte para os acontecimentos que marcarão o fim do mundo: “como o relâmpago parte do Oriente e ilumina todo o Ocidente, assim será a volta do Filho do Homem” (Mt 24,27).
Era natural que, na sequência desses ensinamentos, ele passasse a descrição do último ato da história da humanidade: o Juízo Final.
Ao nos revelar o mistério do tribunal divino, Jesus demonstra sua infinita bondade para conosco. Seu objetivo, de nos alertar de maneira tão veemente, quanto a condenação ao fogo eterno, é evitar para nós a desgraça eterna e levar-nos para junto d’Ele, na felicidade do paraíso.
Profundamente gratos, tomemos sem demora a firme resolução de Lhe rogar as graças necessárias para reprimirmos nossas más paixões, evitar o pecado e praticar a virtude. De tal modo que possamos ouvir de seus lábios adoráveis, este celestial convite: “Vinde benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!”.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 34º Domingo do Tempo Comum – Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo (23/11/2008)

By

XXXIII Domingo do Tempo Comum, Ano A – Mons. João Clá Dias

Meditar sobre a parábola dos talentos nos leva, como vimos, a refletir a respeito da seriedade com que devemos conduzir todas as nossas ações. Salta aos olhos como isto traz para nós benefícios extraordinários.

Parábola dos Talentos – Igreja Reformada da Rua Vitória, Newport (País de Gales)

Nesta parábola, todavia, Nosso Senhor nos ensina também a jamais nos apropriarmos de nada. Quer se trate de um dom gratuito, quer se trate de um benefício conquistado pelo próprio esforço, tudo é de Deus; d’Ele tudo recebemos e a Ele pertence tudo quanto fazemos, porque até as nossas capacidades pessoais e nosso próprio trabalho foram criados para sua glória.

A parábola dos talentos nos convida, e muito também, ao voltarmos constantemente os olhos para o nosso fim último, que é Deus, bem como para o dia em que por Ele seremos julgados. “Em toda as tuas obras lembra-te dos teus Novíssimos e nunca jamais pecarás” (Eclo 7, 40), diz a Sagrada Escritura. Se assim procedermos, teremos abraçado uma via segura para a nossa salvação eterna!

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 33º Domingo do Tempo Comum (16/11/2008)

By

XXXII Domingo do Tempo Comum, Ano A – Mons. João Clá Dias

A Lâmpada de nossa alma brilha pelo azeite da virtude? Ou está ela apagada pela tibieza? Se assim for, no dia do Juízo o Divino Esposo dirá que não nos conhece!

Não deixemos para amanhã o que podemos fazer hoje, porque talvez ainda nesta mesma noite sejamos julgados! Profecia certa e segura é esta: todos morreremos. Dia e hora, porém, ninguém o sabe, pois até mesmo um doente à beira da morte ignora o instante em que esta lhe sobrevirá. Quem ousará prometer que irá acordar amanhã? Quem se atreverá a garantir que terminará de ler este artigo? Nosso destino é a morte, mas sua perspectiva nos auxilia a abandonar os apegos e nos arranca do caminho errado que abraçamos. Entrar pelas vias do vício é uma loucura, pois nada há na face da terra mais adverso a Deus do que o pecado, que nos impõe a sermos apanhados pelo justo Juiz no momento em que menos esperamos (Mt 24, 44-50; Lc 12,46), com as mãos vazias e as lâmpadas apagadas. E Ele dirá que não nos conhece!

Peçamos a Nosso Senhor Jesus Cristo, por intercessão de Maria Santíssima, a graça de sermos realmente vigilantes em nossos pensamentos, desejos e ações, visando a santidade em tudo. Assim estaremos sempre com a lâmpada abastecida de azeite.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

%d blogueiros gostam disto: