By

IV Domingo da Quaresma, Ano B – Mons. João Clá Dias

Jesus fortalece a fé de um discreto discípulo.

Nosso Senhor Crucificado, Casa dos Arautos do Evangelho, Rio de Janeiro

Jesus, em sua infinita bondade, quis o melhor dos efeitos para a alma de Nicodemos ao longo desta conversa noturna, a qual passou para a história e hoje se desenrola diante dos meus olhos, nesta Liturgia. Quando eu me coloco no lugar de Nicodemos, brotam no fundo de meu coração anseios de adoração, arrependimento e súplica, em face dessa Luz que veio ao mundo:
“Não permitais, ó meu Jesus, que eu faça parte dos que odeiam a luz. Fazei com que eu creia ‘no nome do Filho Unigênito de Deus’. Por Maria santíssima, eu vos peço, concedei-me a graça de uma plena dor de minhas faltas, considerando-me o maior de todos os pecadores, sem jamais perder a confiança no ilimitado valor de vosso preciosíssimo Sangue. Aumentai minha esperança, minha fé e meu amor a Vós, para que, na vossa luz, eu possa vir a contemplar a luz por toda eternidade. Amém”.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 4º Domingo da Quaresma (22/03/2009)

By

III Domingo da Quaresma, Ano B – Mons. João Clá Dias

Amor e castigo se excluem?

Jesus expulsa os cambistas do Templo, por Carl Heinrich Bloch – Palácio de Frederiksborg (Dinamarca)

Podemos considerar duas lições tiradas deste Evangelho, narrado por São João. Na segunda parte ele nos exorta a extrair de nossos corações o pragmatismo, o egoísmo de querermos nos servir de Jesus, das graças e da Religião apenas para nosso proveito pessoal, crendo em seu nome e não mudando de vida e de costumes. É correto conservarmos a nossa maneira de viver e nossos costumes, desde que, não sejam ilícitos. Indispensável é, contudo, ter a alma enlevada e submissa à moral e Religião ensinadas por Nosso Senhor, adorando-O em todos os aspectos de suas virtudes, entusiasmada por sua misericórdia e também por sua justiça, como Jesus mostrou no episódio dos vendilhões do Templo. Ele quer ser adorado por nós e quer ser adorado na sua totalidade.
Elejamos Maria – insuperável modelo desse amor a Jesus na sua integridade – como nossa mestra e guia da entrega sem limites que devemos fazer a Ele, adorando-O na harmonia de suas virtudes aparentemente contraditórias.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 3º Domingo da Quaresma (15/03/2009)

By

I Domingo da Quaresma, Ano B – Mons. João Clá Dias

“Convertei-vos e crede no Evangelho!”

O demônio tenta a Jesus no deserto – Santuário do Tibidabo, Barcelona (Espanha)

No concernente a essa conversão, é mister nos acautelar de um perigoso erro. Em nossa vida espiritual, falta-nos muitas vezes a compenetração da necessidade de sermos santos. Não raro procuramos ser simplesmente corretos, esquecendo a exortação do Concílio Vaticano II, tantas vezes repetida: “Jesus, mestre e modelo divino de toda perfeição, pregou a santidade de vida, de que Ele é autor e consumador, a todos e a cada um dos seus discípulos, de qualquer condição: ‘sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito’ (Mt5,48).”
“Gravíssimo erro comete” – ensina Santo Afonso Maria de Ligório – quem sustenta que Deus não exige que todos nós sejamos santos, pois São Paulo afirma: ‘Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação’ (I Tes 4,3). Quer Ele que sejamos todos santos, cada qual conforme o seu estado: o religioso como religioso, o leigo como leigo, o sacerdote como sacerdote, o casado como casado, o comerciante como comerciante, o soldado como soldado, e o mesmo se diga de todos os demais estados e condições de vida”.
Peçamos ardentemente a Maria Santíssima a graça de uma autêntica conversão, isto é, a compreensão entusiasmada e admirativa do inefável amor do seu Divino Filho por cada um de nós, que nos leve a trilhar uma vida santa, a caminho do Céu.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 1º Domingo da Quaresma (01/03/2009)

By

Programação de Quarta-feira de Cinzas

Confira a programação da Santa Missa de Quarta-feira de Cinzas nos Arautos do Evangelho de Maringá:

By

V Domingo do Tempo Comum, Ano B – Mons. João Clá Dias

Onde encontrar o verdadeiro remédio para a dor?

Jesus curando a sogra de São Pedro – Igreja da Misericórdia – Viana do Castelo – Portugal

Os pensamentos que a Liturgia nos sugere, neste dia, encontram a clave num dos versículos do Salmo Responsorial: “O Senhor Deus é o amparo dos humildes, àqueles que praticam a temperança – virtude alheia aos orgulhosos – e se submetem a correção, à mortificação e à dor, cedo ou tarde Deus os haverá de amparar e atender.
Quando permitiu ao demônio tentar Jó, Deus queria que aquele varão justo crescesse ainda mais na temperança e, portanto, na santidade, para, em seguida, cumulá-lo de méritos e outorgar-lhe em maior grau a participação na vida divina. Entendemos então, quanto as tribulações que nos atingem são, no fundo, permitidas por Deus, em vista de uma razão superior. Ele não pode promover o mal para nossa alma, é assim que age porque nos ama e deseja dar-nos muito mais do que já deu. E porque é bom, ao mesmo tempo em que consente as adversidades, Ele nos conforta como sublinham mais alguns versículos do Salmo Responsorial: “Louvai ao Senhor Deus porque Ele é bom, […] Ele conforta os corações despedaçados, Ele enfaixa suas feridas e as cura” ((Sl 146, 1.3).
Ao se debruçar sobre a sogra de Pedro e fazer-lhe desaparecer a febre, ou ao sanar a multidão afligida por enfermidades e tormentos. Nosso Senhor não visava ensinar que a dor deva ser eliminada. Pelo contrário, tanto a considerava um benefício para o homem, que Ele mesmo abraçou a Via Dolorosa e a escolheu também para sua Mãe. Nestes milagres – como em incontáveis outros operados durante a sua atuação pública – Ele devolveu a saúde para dar uma lição aos Apóstolos, aos circunstantes a as próprios enfermos: a Luz está n’Ele, a vida está n’Ele, a solução da dor provém d’Ele! Mais adiante, na eminência de ressuscitar Lázaro, Ele dirá: “Eu sou a ressurreição e a vida!” (Jo 11,25).
Peçamos a Nosso Senhor Jesus Cristo, que por intermédio de Nossa Senhora, derrame torrentes de graças sobre nós, a fim de nos convencermos dos benefícios da dor, e assim, a enfrentarmos com elevação de Espírito e olhos fixos na sua Cruz.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 5º Domingo do Tempo Comum (08/02/2009)
%d blogueiros gostam disto: