By

XIV Domingo do Tempo Comum, Ano A – Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo – Mons. João Clá Dias

Uma resolução inadiável!

Cristo Rei – Igreja de Santo Domingo, Cuenca (Equador) Foto: Juan Carlos Villagómez

Nas leituras dos dias anteriores, Jesus insiste na necessidade de estarmos preparados para o momento de comparecer ante o tribunal divino. Nesse sentido é a parábola das virgens tolas e das prudentes, com a qual se inicia o capítulo 25 de São Mateus. O mesmo se diga da parábola dos talentos, que vem logo a seguir, ambas ilustram o discurso escatológico iniciado no capítulo 24 do mesmo Evangelista, quando nosso Redentor adverte para os acontecimentos que marcarão o fim do mundo: “como o relâmpago parte do Oriente e ilumina todo o Ocidente, assim será a volta do Filho do Homem” (Mt 24,27).
Era natural que, na sequência desses ensinamentos, ele passasse a descrição do último ato da história da humanidade: o Juízo Final.
Ao nos revelar o mistério do tribunal divino, Jesus demonstra sua infinita bondade para conosco. Seu objetivo, de nos alertar de maneira tão veemente, quanto a condenação ao fogo eterno, é evitar para nós a desgraça eterna e levar-nos para junto d’Ele, na felicidade do paraíso.
Profundamente gratos, tomemos sem demora a firme resolução de Lhe rogar as graças necessárias para reprimirmos nossas más paixões, evitar o pecado e praticar a virtude. De tal modo que possamos ouvir de seus lábios adoráveis, este celestial convite: “Vinde benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!”.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 34º Domingo do Tempo Comum – Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo (23/11/2008)

By

XXXIII Domingo do Tempo Comum, Ano A – Mons. João Clá Dias

Meditar sobre a parábola dos talentos nos leva, como vimos, a refletir a respeito da seriedade com que devemos conduzir todas as nossas ações. Salta aos olhos como isto traz para nós benefícios extraordinários.

Parábola dos Talentos – Igreja Reformada da Rua Vitória, Newport (País de Gales)

Nesta parábola, todavia, Nosso Senhor nos ensina também a jamais nos apropriarmos de nada. Quer se trate de um dom gratuito, quer se trate de um benefício conquistado pelo próprio esforço, tudo é de Deus; d’Ele tudo recebemos e a Ele pertence tudo quanto fazemos, porque até as nossas capacidades pessoais e nosso próprio trabalho foram criados para sua glória.

A parábola dos talentos nos convida, e muito também, ao voltarmos constantemente os olhos para o nosso fim último, que é Deus, bem como para o dia em que por Ele seremos julgados. “Em toda as tuas obras lembra-te dos teus Novíssimos e nunca jamais pecarás” (Eclo 7, 40), diz a Sagrada Escritura. Se assim procedermos, teremos abraçado uma via segura para a nossa salvação eterna!

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Homilia Dominical por Mons. João Clá Dias do 33º Domingo do Tempo Comum (16/11/2008)

By

Devo contar a Jesus…

Nos círculos sociais, formados por amigos ou mesmo familiares, não raro é encontrarmos alguém que atraia a atenção dos seus interlocutores sobre as lacunas, as imperfeições e mesmo os vícios de pessoas ausentes. Estes, agindo como maledicentes, revelam inescrupulosamente, sem motivo razoável, as faltas ocultas do próximo. Qual a atitude correta face aos defeitos alheios, e que o verdadeiro católico deve adotar? O Evangelho de São Marcos deste V Domingo do Tempo Comum nos traz uma luz maravilhosa sobre a questão. Vejamos.

Narra-nos o evangelista que Jesus, com Tiago e João, foi à casa de Simão e André. Nela se encontrava na cama, com febre, a sogra de Simão.

Sobre esta febre física da sogra de Pedro, vários Padres da Igreja fazem uma analogia com a febre espiritual, decorrente dos defeitos morais. Por exemplo, Santo Ambrósio: “nesta mulher […] estava figurada nossa carne, enferma com as diversas febres dos pecados, e que ardia em transportes desmesurados de diversas cobiças” ¹.

Na mesma linha de pensamento, São Jerônimo ensina: “Cada um de nós está acometido de febre. Quando me deixo levar pela ira, padeço de febre. Quantos vícios há, tanta é a diversidade de febres” ²,

Mons. João Clá, em consonância com os doutores da Igreja, comenta: “A febre espiritual prende à cama o febricitado, tornando-o inútil para o trabalho e incapacitado de agir, porque todo o seu ser está aplicado na inclinação para o mal, ansioso de volúpia e, deste modo, falta-lhe o ânimo para servir a Deus e aos outros.”

E acrescenta: “Quantas pessoas passam a ser relapsas em seu apostolado por terem perdido a noção da grandeza da vocação, enquanto o dinamismo de sua alma está direcionado numa paixão desenfreada! Sim, pois quando alguém é chamado aos horizontes amplos e profundos da luta pela derrota do império de satanás na face da Terra e não corresponde a este apelo, acaba se dedicando às mais ínfimas e desprezíveis ninharias, e com isto consegue abafar sua consciência…” ³.

E, retomando: diante daquela triste e doentia situação da sogra de Pedro, qual foi a atitude dos Apóstolos? Diz o evangelista: “[…] e eles logo contaram a Jesus” (Mc 1, 30b).

Eis aqui uma das luzes que nos traz o Evangelho, a nos indicar uma resposta à questão enunciada no início deste artigo. Diz São Marcos: e eles logo contaram a Jesus. Sim, isto é o que, em primeiro lugar e com zelo, devemos fazer diante da febre espiritual – e inclusive física – do próximo. É dirigirmo-nos a Nosso Senhor, e com compaixão contar-lhe as dificuldades do próximo, rogando-lhe o socorro.

Por isto nos observa o Fundador dos Arautos a propósito de qualquer “febre espiritual” que vemos no próximo: “De nossa parte, ao observarmos alguém com as paixões em ebulição, seguindo por um caminho indevido, não nos alegremos com o mal alheio! Temos a obrigação de “contar a Jesus”, implorar-lhe que o cure. Se intercedemos pelos outros, o Senhor Se achegará a eles” 4.

E onde encontramos o fundamento de tal gesto? São João nos aponta, com chave de ouro, a virtude que é raiz deste procedimento e que deve nortear o bem que queiramos fazer ao próximo, assim como todas as nossas ações. É propriamente a virtude da caridade.

Nossa Senhora do Divino Amor

Diz o evangelho do apóstolo bem amado: “Este é o meu preceito: que vos ameis uns aos outros como eu vos tenho amado” (Jo 15,12).

E neste mesmo sentido, numa das palavras mais sublimes que encontramos no Novo Testamento a respeito da caridade, contemplamos do Apóstolo:

“Se falando língua de homens e de anjos não tenho caridade, sou como o bronze que soa ou címbalo que retine. E se tendo o dom da profecia e conhecendo todos os mistérios e toda a ciência, e tanta fé que deslocasse os montes, se não tenho a caridade, de nada lucro. A caridade é magnânima, é benigna; não é invejosa, não é jactanciosa, não se infla, não é descortês, não busca o que é seu, não se irrita, não pensa mal; não se alegra da injustiça, se compraz na verdade, tudo perdoa, tudo crê, tudo espera, tudo tolera. A caridade jamais decai. (…) Agora permanecem três coisas: a fé, a esperança, a caridade, porém a mais excelente delas é a caridade” (1 Cor 13, 1-8/13).

Peçamos a Nossa Senhora do Divino Amor que nos obtenha daquele que é o Amor em essência, a graça de sempre e em tudo nos conduzirmos pelo amor a Deus, abrindo nossos corações e contando a Jesus as necessidades e aflições, pessoais e do próximo, para que Ele possa assim nos curar, como curou a sogra de Pedro.

_______________________

Para saber mais sobre a caridade e o amor ao próximo, assista a um excelente vídeo de Mons. João Clá Dias, EP:

_______________________

¹ Santo Ambrósio. Tratado sobre El Evangelio de San Lucas. L.IV, n. 63. In Obras. Madri: BAC, 1966, v.I.p.221.

² São Jerônimo. Tratado sobre El Evangelio de San Marcos. Homilia II (1, 13-31). In Obras Completas. Obras Homiléticas. Madrid: BAC, 1999, v.I,p.849.

³ Mons. João S. Clá Dias, EP. A febre das paixões. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. IV. Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2014, p. 65.

4 Mons. João S. Clá Dias, EP. A febre das paixões. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. IV. Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2014, p. 66.

By

Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria

O grande Santo mariano, São Luis Maria Grignion de Montfort, comenta na obra “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, que Deus reuniu todas as águas e chamou-as mar, reuniu todas as graças e chamou-as Maria.

Esta verdade é própria a nos extasiar. Mencionemos apenas algumas das inúmeras graças com as quais a Providência ornou Aquela que é a Obra prima saída de suas mãos: Cheia de graça, Imaculada Conceição, Virgindade perpétua, Mãe de Deus, Rainha dos Anjos e dos homens, Consoladora dos aflitos, Saúde dos enfermos, Medianeira universal de todas as graças, Mãe do Bom Conselho… Oh! Quanta maravilha!

Caro leitor, reflita por alguns instantes e procure apontar qual o principal privilégio que Maria Santíssima recebeu de Deus. Qual lhe parece?

Santa Maria, Mãe de Deus

Para auxiliar iniciemos nossa meditação a partir da Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, celebrada no dia 1° de janeiro. Escreve Mons. João Clá Dias, EP: “A grandeza de Maria aparece com maior evidência no trecho da Carta aos Gálatas escolhido para a segunda leitura (cf. Gal 4, 4-7), no qual  São Paulo sublinha que Nosso Senhor Jesus Cristo nasceu de uma mulher: ‘Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei e para que todos recebêssemos a filiação adotiva` (Gal 4, 4-5). Se humanizarmos um pouco a figura de Deus, como tantas vezes o faz a Escritura, podemos imaginá-Lo esperando ‘o tempo previsto’ para o nascimento  da Mãe do Redentor. Mas na realidade, Ele – para quem tudo é presente – concebeu eternamente a obra da criação e, no centro desta, num só ato de sua vontade divina e num mesmo e idêntico decreto, predestinou a Jesus e Maria. Portanto, no plano da Encarnação do Verbo, estava também contido o dom singularíssimo da maternidade divina de Nossa Senhora”².

E assim conclui o Fundador dos Arautos: “Isto nos faz compreender porque, dentre os incontáveis privilégios de Maria – dos quais a abundante coletânea de títulos acumulados pela piedade católica para louvá-la nos dá uma pálida ideia –, o principal é o de ser Mãe de Deus. Comparados com este, todos os demais são ínfimos!”.

Aprofundando ainda mais a afirmativa, argumenta: “Deus poderia ter escolhido um meio distinto para assumir nossa natureza e estar entre nós, mas Ele quis tomar Nossa Senhora como Mãe. Para uma pessoa humana é impossível uma prerrogativa superior a esta e por isso, como ensina São Tomás, Ela Se encontra na categoria das criaturas perfeitas, à qual pertencem apenas duas mais: a humanidade santíssima de Jesus e a visão beatífica”³. A respeito desta temática podemos abordar em outra ocasião.

Eis aqui a luz da grandeza da Mãe de Deus emanada a partir das leituras do Evangelho e da Carta de São Paulo aos Gálatas, para esta Solenidade que abre o Ano Bom: Nossa Senhora é Mãe de Deus. Tal verdade, caro leitor, deve nos consolar, animar, alegrar! Sim, ao entrarmos no Ano Novo, em meio a tantas incógnitas, voltemo-nos para esta Mãe, Mãe poderosa que, sendo Mãe de Deus é também Mãe nossa. Ela é para nós a certeza da vitória, em qualquer circunstância da vida. Que Ela te cubra com seu manto materno por todos os dias de tua vida. Assim seja.

Por Adilson Costa da Costa

__________________________________

¹ São Luís Maria G. de Montfort. Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem. 43ª. Ed. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 32.

² Mons. João S. Clá Dias, EP. Um altíssimo privilégio, concebido por Deus desde toda a eternidade. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. VII. Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 15-16.

³ Idem, p. 16.

__________________________________

Para aprofundar sobre “Santa Maria, Mãe de Deus”, ler o magnífico artigo de Mons. João Clá Dias:

http://www.arautos.org/especial/22223/Santa-Maria–Mae-de-Deus.html

By

Adoração dos Pastores

Desde nossa infância o período do Santo Natal remete a uma série de convívios familiares, dentre os quais está a montagem do Presépio. Vemos – quando crianças – serem dispostas cuidadosamente as imagens que retratam o nascimento do Salvador na Gruta em Belém; já quando adultos somos nós que realizamos essa tarefa frente o olhar compenetrado e curioso das crianças. Na Gruta estão São José e Maria Santíssima ao lado do Menino Jesus, adorando-O junto à manjedoura envolto em panos, recebendo a visita dos Reis Magos e dos pastores.

Não raras vezes o leitor – a exemplo das crianças – pode se perguntar: por que os pastores foram escolhidos para contemplar o nascimento do Filho Unigênito de Deus?

Adoração dos Pastores – Igreja de São Roque – Portugal

O Evangelho de São Lucas nos ensina que: “Naquela mesma região, havia uns pastores que velavam e faziam de noite a guarda ao seu rebanho. Apareceu-lhes um Anjo do Senhor e a glória do Senhor os envolveu com a sua luz e tiveram grande temor” (Lc 2, 4-5).

Na obra “O Inédito sobre os Evangelhos”* Mons. João Clá Dias, EP, escreve que “também Davi havia sido pastor de ovelhas, e naquela Gruta estavam três de seus descendentes, sendo um deles o Filho do Altíssimo. A corte celeste já rendera culto e homenagem ao Menino. Nascido com nossa natureza, digno e justo era que também de nossa sociedade recebesse Ele adoração.

Os pastores constituíam uma comunidade desprezada pelos fariseus. No caso concreto de Belém, trabalhavam eles nos confins da região, onde o cultivo das plantações já não interessava e as terras estavam abandonadas e incultas. Ali permaneciam os rebanhos mais numerosos, fosse inverno ou verão, vigiados por alguns homens. Os habitantes do povoado guardavam seus animais nos estábulos dos arredores. A péssima reputação dos pastores entre os fariseus provinha de várias razões. Percebe-se, de imediato, que as funções por eles exercidas não se coadunavam muito com as inúmeras abluções, lavar de mãos, purificação de vasilhas, seleção de alimentos, etc., às quais os fariseus davam tanta importância. Mas, sobretudo, eram eles homens de bom senso e mais dados à contemplação. O contato permanente com a natureza saída das mãos de Deus, na calma e tranquilidade do isolamento do campo, lhes enriquecia a alma de pensamentos elevados, conduzindo-os à elaboração de critérios sólidos, difíceis de serem destruídos pela ilogicidade caprichosa dos fariseus.

Eis em poucas palavras, os motivos pelos quais os pastores eram excluídos dos pleitos judiciais dos fariseus, não eram aceitos como testemunhas, e nem sequer podiam entrar em seus tribunais”.

Nesse instante o leitor poderia indagar: a Providência escolheu os pastores em virtude de sua condição humilde?

Encontramos a resposta prosseguindo na leitura dos escritos do Fundador dos Arautos do Evangelho: “[…] Os Anjos buscaram os pastores por terem estes uma robusta virtude da fé, toda feita de obediência. Não era fácil crer num Messias nascido em plena pobreza, num estábulo, entre um boi e um burro. Os pastores, entretanto, foram escolhidos por Deus, não por sua simplicidade de vida e de costumes, nem sequer pela sua pouca capacidade financeira – pois muitos outros havia em Israel mais pobres e simples do que eles –, mas porque estavam disposto a crer”.

Assim caro leitor, peçamos ao Menino Jesus neste Santo Natal, pela intercessão de Maria Santíssima, que a virtude da Fé em nossa vida seja inabalável e que possamos, em todos os dias de nossa existência, seguir o exemplo dos pastores na Gruta em Belém e adorar o Filho do Altíssimo que fez-Se pequenino e humilde para redimir nossos pecados.

__________________________

* Mons. João S. Clá Dias, EP. Adoração dos Pastores. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. V, Ano C, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 93-95.

__________________________

Leia Mais em: <http://www.joaocladias.org.br/MostraArtigo.aspx?id=158>

(Revista Arautos do Evangelho, Dez/2006, n. 60, p. 10 à 17)  

%d blogueiros gostam disto: