By

Como alcançar a verdadeira felicidade?

Os avanços da ciência e os recursos tecnológicos permitem não apenas comodidades, mas também o aumento da expectativa de vida, se compararmos com períodos históricos anteriores. Contudo, estes progressos ensejam tristes realidades: o “culto ao corpo”, a busca desenfreada pela felicidade e satisfação de todos os desejos materiais.

Estas situações revelam a busca incessante – que muitas vezes renega valores éticos e morais – dos seres humanos pela felicidade, que não alcançada se transforma em desilusões, doenças psíquicas (transtornos de comportamento, depressão, etc.) e suicídios; conforme tomamos conhecimentos todos os dias pelos meios de comunicação.

Diante deste quadro, podemos nos perguntar: Como podemos alcançar a verdadeira felicidade?

Com o objetivo de fornecer elementos para responder este questionamento, Mons. João Clá Dias, EP  na obra “O inédito sobre os Evangelhos”1, escreve que a ilusão óptica é uma das numerosas impressões enganosas captadas por nossos sentidos, os quais por esse motivo, devem ser submetidos aos sensatos juízos da razão.

Expulsão de Adão e Eva do Paraíso – Detalhe da Anunciação, de Fra Angélico – Museu do Prado, Madri

Entretanto, se muitas das percepções transmitidas pela sensibilidade podem ser falsas, nada é causa de tantas ilusões – desde os primórdios da História, a começar por Adão e Eva, no Paraíso – como o modo de se obter a felicidade. Esse é o primordial desejo do homem, procurado com ardor insaciável durante toda a vida.

No mundo atual, muitos a confundirão com as inovações da técnica e da ciência; outros, com os ditames da moda e do culto à saúde; outras ainda, com os lucros financeiros, o bom êxito nos negócios, o relacionamento social, a realização profissional, os sonhos românticos, etc. além de não saciarem a sede de felicidade natural, essas ilusões do mundo não poucas vezes colocam em risco também a felicidade eterna, por conduzirem ao pecado, o qual sendo uma desordem do homem em relação a seu fim, que é Deus, traz como consequência inevitável, após uma satisfação passageira, a frustração e a tristeza.

A todos nós, batizados, Jesus Cristo chama à verdadeira felicidade, fruto da boa consciência e da fidelidade à vontade individual outorgada por Ele próprio, quer se desenvolva no estado sacerdotal, quer no religioso ou no leigo (junto ao sacramento do matrimônio, na condição de pai, filho, irmão e no trato com o próximo).

Sagrado Coração de Jesus

Tal felicidade terá como essência a evangelização, ou seja, fazer o bem às almas, apresentando-lhe as belezas do sobrenatural e instruindo-as na verdade trazida por Cristo ao mundo. Em suma, o Salvador nos convoca a transmitir a todos os homens a alegria de glorificar a Deus, trabalhando para que a vontade d’Ele seja efetiva na Terra assim como o é no Céu.

Assim, para alcançarmos a verdadeira felicidade, sigamos o exemplo da missão conferida aos setenta e dois discípulos escolhidos por Jesus, à qual bem caberia o título de evangelização da felicidade. Primeiro porque se davam por inteiro em beneficio do próximo, movidos pelo amor a Deus, experimentando em si mesmos como “há mais alegria em dar do que em receber” (At. 20, 35). Depois, quanto às almas favorecidas pela pregação lhes era oferecida a possibilidade de cumprirem os desígnios de Deus, transformando a vida terrena em preparação para o Céu.

___________________

1Mons. João S. Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 208-209.

Faça um Comentário!