By

Frase da Semana: Conhecendo a Civilização Cristã…

photo_2016-09-16_20-27-14

By

A sensibilidade aos toques da graça

Quem nos dá a honra e a alegria de acompanhar os artigos aqui publicados provavelmente também sabe degustar um bom prato, por exemplo, uma iguaria italiana saborosa, como uma boa pizza mussarela ou calabresa, ou uma lasanha típica, acompanhados de um excelente vinho ou, conforme a preferência de não poucos, de uma cerveja típica alemã ou até brasileira, por sinal várias delas, muito boas. Tudo isto tem seu papel na vida, quando apreciado com temperança e virtude.

Porém, permita-me uma pergunta que talvez surpreenda o leitor: temos esta sensibilidade aos sabores, perfumes, para a boa música, para tantos aspectos naturais apreciáveis criados por Deus e desenvolvidos pela civilização cristã. Contudo, temos esta mesma sensibilidade, num plano superior, para os aspectos espirituais? Como anda caro leitor, nossa sensibilidade para perceber, “saborear” a graça de Deus que continuamente toca a nossa alma?

Consideremos a Solenidade da Epifania do Senhor, num dos seus numerosos aspectos. Narra-nos o evangelista São Mateus (Mt 2, 1-12) a chegada dos três Reis Magos do Oriente para adorarem o Menino Jesus, trazendo seus presentes: ouro, incenso e mirra. Parece tão simples este episódio, que poderia se pensar que os três personagens empreenderam esta viagem como alguém hoje em dia poderia realizar um passeio de viagem de férias, com toda a naturalidade, sem percalços ou riscos, tudo se dando na maior tranquilidade. Não foi isto que se passou com os reis magos: para aquela época, com estradas precárias, onde os assaltantes e animais ferozes ficavam a espreita de cobiçadas vítimas, esta jornada era propriamente uma aventura. Mas eles a empreenderam decididamente. O que os moveu a tal?

Alguém poderá responder: foi a estrela de Belém que apareceu e eles, impressionados, resolveram segui-la. Pode-se, entretanto, objetar: este, como outros sinais – por exemplo, os relatos dos pastores – deram a conhecer o nascimento do Salvador. O mesmo se pode dizer a respeito das inúmeras profecias, inteiramente conhecidas pelo povo judeu. Onde estavam, além dos Reis Magos, estes outros que tomaram ciência de tais sinais? Por que não foram adorar o Menino Deus?

Muito sugestivo e fundamentado em São Tomás, é o comentário de Mons. João Clá, EP, a propósito: “Tanto aos pastores quanto aos Reis, o Espírito Santo falou no fundo da alma, inspirando-lhes a fé no advento do Messias. Com efeito, muitos outros avistaram a estrela, pois ela não fora invisível, e vários conheceram também o relato dos pastores de Belém, na noite de Natal; todavia, nem todos acreditaram, só aqueles que foram favorecidos por moções do Espírito Santo” (1).

E continua o Fundador dos Arautos: “Por isso ressalta São Tomás o papel da graça, como um raio de verdade mais luminoso que a estrela, a instruir os corações dos Magos. É, então, mais importante a comunicação direta do Espírito Santo, do que os meros sinais sensíveis. A tal ponto que, para os justos, como Ana e Simeão, habituados a discernir a voz de Deus em seu interior, não foi necessária a aparição de Anjos ou o surgimento de estrelas, ou qualquer indicação extraordinária de que aquele era o Filho de Deus, o Messias prometido”.

Eis aqui, o mais importante: é a graça de Deus.

Porém, Deus quer de nossa parte, que tenhamos sensibilidade para perceber e compreender a graça do Espírito Santo agindo em nós, ainda quando estas manifestações sobrenaturais não venham com os sinais sensíveis. E para que esta sensibilidade e o nosso sim para com a graça de Deus se façam, é preciso de nossa parte não estarmos voltados às coisas passageiras e efêmeras da terra – conforme a expressão metafórica de São Luis Maria Grignion de Montfort – de modo parecido com os sapos, mas é preciso ter o espírito de águia, para voarmos e contemplarmos as coisas do Céu.

Assim, peçamos que os três Santos Reis Magos nos obtenham, daquela que é a Esposa do Espírito Santo, a graça que eles mesmos receberam e corresponderam: a abertura e a sensibilidade para os toques da graça. Deste modo, assim como estes Reis seguiram a estrela e ofertaram presentes ao Menino, tenhamos fidelidade a todos os desejos e inspirações do Divino Espírito e a entrega completa e amorosa à sua divina ação. (3)

Por Adilson Costa da Costa

__________________________

(1) Mons. João S. Clá Dias, EP. O Espírito Santo e nossos maravilhamentos? In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. I, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 152
(2) São Luís Maria G. de Montfort. Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem. 42ª ed. Petrópolis: Vozes, 2012, p. 84.
(3) Devocionário Arautos do Evangelho. São Paulo: Edições Loyola, 2007, p. 129-130.