By

Revista Maringá Missão

Uma interessante entrevista sobre os diversos aspectos da vida e evangelização dos Arautos do Evangelho foi realizada pela Revista Maringá Missão, da Arquidiocese de Maringá, através de sua Jornalista Fabiana Ferreira, com a participação do Reverendíssimo Padre Roberto Takeshi. Temos a alegria de aqui estampá-la. ¹

 

“Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”

Os Arautos do Evangelho são uma Associação Internacional de Fiéis de Direito Pontifício, a primeira a ser erigida pela Santa Sé no terceiro milênio, o que ocorreu por ocasião da festa litúrgica da Cátedra de São Pedro (22 de fevereiro) em 2001.

Composta predominantemente por jovens, esta Associação está presente em 78 países. Seus membros de vida consagrada praticam o celibato, e dedicam-se integralmente ao apostolado, vivendo em casas destinadas especificamente para rapazes ou para moças, os quais alternam a vida de recolhimento, estudo e oração com atividades de evangelização nas dioceses e paróquias, dando especial ênfase à formação da juventude.

mm01

RMM – Quem compõe a Associação Arautos do Evangelho?

Pe. Roberto Takeshi: Os Arautos do Evangelho são uma Sociedade de Vida Apostólica de Direito Pontifício e compõe-se predominantemente de jovens de vida consagrada que praticam o celibato e levam uma vida de dedicação integral à Igreja Católica. Numa linguagem mais simples: semelhantemente às ordens religiosas, como por exemplo, os Beneditinos, Carmelitas, Franciscanos, só que bem mais recente. A associação nasceu no Brasil, foi fundada por um sacerdote também brasileiro, o Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, que reside em São Paulo.

Ultimamente alguns Arautos têm seguido também a vocação sacerdotal, uma vocação dentro da vocação. Nós contamos também com a ajuda dos Cooperadores, que são sacerdotes, religiosos, pessoas casadas ou solteiras que querem viver o carisma dos Arautos, mas por terem outras obrigações, o fazem dentro do ambiente paroquial, profissional ou familiar em que Deus os colocou, contribuindo muito, também, desse modo, para a evangelização.

RMM – Como é o modo de vida dos membros? (A que se dedicam?)

Pe. Roberto Takeshi: A vida dos membros consagrados é de contemplação, oração e disciplina; estudo, arte e ação apostólica.  Residem em casas destinadas especificamente para rapazes ou para moças. Vivem o recolhimento do estado religioso alternando com atividades de evangelização nas dioceses e paróquias, dando especial ênfase à formação da juventude. A vida de um Arauto do Evangelho é ao mesmo tempo rotineira e viva, ordenada e movimentada.

Na casa de Maringá, temos o despertar da comunidade às 6h15 e o café da manhã com leitura de textos ou audição de palestras gravadas. Em seguida, na Capela do Santíssimo Sacramento, a comunidade realiza a oração da Liturgia das horas e do primeiro terço do rosário – as outras orações rezam-se em particular. Terminadas estas preces, são combinados e definidos os trabalhos de apostolado e atividades a que os arautos se dedicarão durante o dia.

 Ao entardecer, assiste-se à Santa Missa — aberta às famílias — e à noite, num momento muito abençoado e solene, cantam-se as horas Completas da liturgia e a Salve Rainha, em Gregoriano, à Nossa Senhora. Assim, diante do Santíssimo Sacramento, encerra-se o programa do dia.

Existem várias casas, entretanto, com finalidades mais específicas, como as voltadas para os estudos teológicos avançados, ou num outro extremo, a comunidade dos jovens da “Cavalaria de Maria”, um grupo de missionários Arautos que vivem em permanente atividade evangelizadora, fazendo Missões Marianas e viajando pelo Brasil constantemente. Apesar da diversidade de atividades, a missa diária, a confissão periódica, a devoção à Eucaristia e as orações a Nossa Senhora fazem parte da vida de todo Arauto.

RMM – Conte-nos sobre a devoção à Nossa Senhora de Fátima – como nasceu?

Pe. Roberto Takeshi: A devoção a Nossa Senhora de Fátima é muito arraigada aqui no Brasil e vem de nossas raízes católicas portuguesas, já que ela apareceu em Fátima, Portugal, para três pastorinhos.

Todo mundo conhece a história, mas poucos conhecem e estudam a sua mensagem com seriedade. A mensagem é atualíssima! Ela descreveu, ainda no início do século, com detalhes impressionantes, a atual crise religiosa e moral, os pecados, as guerras e perseguições que estamos vendo. Para evitar tudo isso a Virgem pediu a devoção a ela, a oração do terço, a penitência e a mudança de vida.   Mas algo importantíssimo de sua mensagem, e ao qual se poderia dar especial destaque, é uma promessa cheia de esperança. Após descrever os grandes males de nosso tempo, a Virgem de Fátima prometeu que Ela mesma os vencerá. Ela diz: “… mas, por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”

Esta atualidade da mensagem de Fátima veio de encontro ao chamado dos Arautos. Veio de encontro a nós no momento de nosso nascimento, na figura muito amada por nós brasileiros do saudoso Papa João Paulo II, devoto ardoroso de Nossa Senhora de Fátima e que nos estimulou e nos concedeu grandes honrarias, coroando pessoalmente, no Auditório Paulo VI em Roma, com milhares de fiéis, a Imagem Peregrina de Fátima pertencente aos Arautos. Isso após cumprimentar o Mons. João, nosso fundador, em 2001.  Ele conclamou os Arautos a atuarem na Nova Evangelização, que envolve o mundo inteiro, inclusive os católicos afastados de uma fé praticante.

RMM – Como é realizada no dia a dia?

Pe. Roberto Takeshi: A devoção a Nossa Senhora deve ser praticada em todos os momentos da vida do fiel. Para nós consagrados, praticada quer na comunidade, quer em qualquer ambiente. Uma devoção constante, terna, santa, interior, desinteressada. O fiel deve recorrer à mãe celeste com muita naturalidade, apresentando-lhe todos os seus problemas e necessidades com tranquilidade,  confiando inteiramente em seu amor e em sua materna proteção. Deve também, é claro, procurar agradar a esta boa Mãe em tudo, seguindo seus exemplos e evitando as ofensas a Deus.  As práticas típicas dos devotos da Virgem de Fátima são aquelas que ela mesma pediu: como a oração diária do terço, a devoção ao seu Imaculado Coração e a Devoção Reparadora dos Cinco Primeiros Sábados, que os Arautos realizam nas paróquias. Os Oratórios de Nossa Senhora de Fátima, que visitam grupos de trinta famílias cada um, facilitam muito esta devoção nos dias de hoje.

RMM – De que forma essa devoção é divulgada na comunidade/Igreja?

Pe. Roberto Takeshi: Sua divulgação se faz através de eventos como, por exemplo, as peregrinações da Imagem de Fátima em famílias, escolas, hospitais, asilos, empresas, instituições, a Tarde com Maria, a Devoção dos Primeiros Sábados ou por meio de missões, intituladas de Missões Marianas, nas paróquias. Os Arautos dispõem de uma revista mensal, da TV Arautos, de um site principal e de vários blogs locais, nos quais se pode encontrar informação de qualidade sobre Fátima e vários outros temas religiosos.

RMM – No dia 13 de maio comemoramos o Dia de Nossa Senhora de Fátima, há alguma programação especial na Associação?

Pe. Roberto Takeshi: Sim, comemoramos praticamente em todos os lugares onde haja comunidades dos Arautos (além do Brasil, os Arautos estão presentes em mais outros 77 países). Em Maringá, neste ano, os Arautos comemorarão o Dia de Nossa Senhora de Fátima com a celebração de uma Missa Solene na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, no Requião.

mm02

RMM – Em todas as apresentações musicais, teatrais ou visitas há a coroação de Nossa Senhora de Fátima?

Pe. Roberto Takeshi: Normalmente, nestes eventos, a coroação de Nossa Senhora de Fátima é o momento auge, de maior devoção. Sabemos que Maria Santíssima, após suas lutas, alegrias e sofrimentos nesta terra, ao entrar nos Céus foi recebida pelos coros dos Anjos e dos Santos com grande esplendor e glória, um prêmio merecido por suas virtudes.  A Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, a coroou como Rainha de todo o Universo. Assim, com cantos, cortejos e toques de instrumentos, o que os Arautos fazem nestas coroações é apenas tentar relembrar e, de certa forma, repetir este ato, declarando e coroando Nossa Senhora como Rainha de nossos corações e nossas vidas.  É claro que cada evento tem suas particularidades. Tudo dependerá do programa, dos horários, objetivos.

RMM – A Devoção à Nossa Senhora nos aproxima de Deus? Como essa relação deve ser vivida para que tenhamos a nossa fé enraizada em Cristo, mas não distante de Nossa Senhora?

Pe. Roberto Takeshi: Inequivocamente, a devoção a Nossa Senhora nos aproxima de Deus. Aliás, a Mãe do Salvador não faz outra coisa, conforme a teologia católica, senão restituir tudo ao seu divino Filho, do que a Ela ou por Ela oferecemos. É como nos mostra a Constituição dogmática Lumen Gentium: a devoção a Virgem Santíssima “[…] de modo nenhum impede a união imediata dos fiéis com Cristo, antes a favorece”. É por isto que para o católico verdadeiramente instruído na fé e maduro espiritualmente, não faz sentido ter receios ou escrúpulos em louvar e recorrer à Medianeira de todas as graças.

RMM – Quando uma paróquia/comunidade quer a presença dos Arautos do Evangelho, como devem proceder?

Pe. Roberto Takeshi: É muito simples. Os Arautos estão sempre à disposição para servir, buscando uma participação ativa, consciente e responsável na missão salvífica da Igreja. Assim, basta uma comunidade ou paróquia entrar em contato conosco, referir qual atividade evangelizadora pretende de nós que, com todo contentamento, procuraremos atender ao chamado; apenas se atentando a questões da agenda da Nossa Senhora, que como podem imaginar, é concorrida, mas, por outro lado, é como o coração dela, em que sempre cabe mais um.

Entrevista: Fabiana Ferreira/Jornalista

—————————
¹ Revista Maringá Missão. Arautos do Evangelho – “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”. Ano XVIII, n° 191 – Maio de 2015, p. 29 a 31.

2 Responses to Revista Maringá Missão

  1. Priscilla da Costa Sanches Alves dos Passos says:

    Muito interessante essa reportagem do Padre Takeshi… Ótimo para entendermos um pouco mais sobre os Arautos do Evangelho, principalmente sobre a Devoção à Nossa Senhora de Fátima… Essa obra tem mudado minha vida à cada dia… Como é bom fazer parte dessa família…

    • Adilson Costa da Costa says:

      Caríssima Priscilla, as palavras do Padre Takeshi foram muito elucidativas nesta reportagem. E sobre a devoção à Nossa Senhora, nos favorecem muito a devoção à Mãe de Deus e nossa. Como nossas vidas mudam com a devoção a Ela: ficamos mais cheios de amor a Deus e nos vêm o desejo de fazer sempre mais apostolado com o próximo.

Faça um Comentário!