By

Marta e Maria: uma lição para a humanidade

Contemplação e ação, vida contemplativa e vida ativa. Duas expressões que nos trazem à mente ideias como oração, leitura e estudo, de um lado, trabalho e atividade de outro. Em graus diferentes, estas vidas são características que vemos presentes na generalidade das pessoas – não necessariamente religiosas: umas estudam mais, outras rezam mais, outras trabalham bem mais. Posto que “o homem é criado, para louvar, reverenciar e servir a Deus nosso Senhor, e mediante isto salvar a sua alma”, conforme Santo Inácio ensina (1), poderíamos, então, perguntar: qual destas “vidas” vale mais? Qual delas é mais importante para alcançar tal finalidade?

Se alguém fosse responder precipitadamente, talvez se equivocasse. Diria ele: já que o homem tem que alcançar o Céu – portanto, santificar-se – deverá rezar e contemplar; o resto não tem importância.

Outro mais “despistado” poderia dizer: o que importa mesmo é trabalhar, pois ai daquele que não desenvolve seus talentos, o que não for trabalho é perda de tempo e poderia acrescentar: ademais, o próprio Apóstolo admoesta aos Tessalonicenses a imitarem o seu exemplo, em que trabalhou “com fadiga e esforço” e deu esta norma de “quem não quer trabalhar, também não coma” (2Ts 3, 8-10).

Esta questão – vida contemplativa e vida ativa – vem-nos à tona ao contemplarmos o episódio narrado por São Lucas sobre a conduta das irmãs de Lázaro, Santa Maria Madalena e Santa Marta (cujas memórias a Igreja celebra dia 22 e 29 de julho, respectivamente), ao hospedarem o Divino Mestre em sua residência.

Marta e Maria com Jesus – Basílica de Paray Le Monial, França

Conta-nos o evangelista que Jesus foi à casa em Betânia, daquela família amiga, para um repouso e descanso após longa viagem, com destino à Jerusalém. O que fizeram para acolher a Jesus – com seus Apóstolos e discípulos – que chegava?

As duas irmãs tiveram atitudes bem diversas: uma se pôs aos pés de Jesus, ouvindo embevecida as divinas palavras de Seu Senhor, ou seja, convivia admirativamente com Ele. A outra pôs-se na lida da casa, afadigando-se em preparar a comida e o que fosse necessário para bem atender ao divino hóspede e seus acompanhantes, em outros termos, trabalhava com eficiência.

Santa Maria Madalena – Igreja de St. Severin, França

Qual das duas terá agradado mais ao Senhor? Uma contemplava, a outra agia.

Para bem responder, melhor seria formular a pergunta de outra forma: o que faltou à Maria e o que faltou à Marta?

A esta questão nos responde Mons. João S. Clá Dias, apontando para o amor imperfeito de Maria: “O Divino Mestre diz que Maria escolheu a melhor parte [a contemplação], mas não afirma ter ela agido impelida pelo amor perfeito. Nosso Senhor é cioso da obediência devida às autoridades intermediárias e, portanto, deveria Maria ter se submetido às determinações de sua irmã mais velha, cumprindo as obrigações que lhe cabiam sem perder o enlevo, mantendo o coração todo posto no Senhor”. (2)

Santa Marta – Catedral de Bayona, França

Quanto à Marta, o Fundador dos Arautos do Evangelho mostra a preocupação naturalista da irmã de Maria: “sem ela se dar conta – como sói acontecer – essa louvável aspiração [o bom atendimento de Nosso Senhor] foi sendo substituída por uma preocupação naturalista, acompanhada pelo desejo de fazer bela figura diante d’Ele e dos demais. Se executasse todas aquelas tarefas pondo em Jesus a atenção principal, ficaria ela também com a melhor parte, os frutos de seu trabalho teriam outra beleza e outra substância. Não lhe era preciso, portanto, deixar suas ocupações para ir sentar-se com Maria, aos pés de Jesus, mas, segundo sublinha acertadamente Fillion, ter em vista que ‘o único necessário é preferir as coisas interiores às exteriores, dar-se a Cristo sem restrições, adorando-O, amando-O e vivendo só para Ele’”. (3)

Mas, então, com qual parte ficar: contemplação ou ação? A de Maria ou a de Marta? A quem imitar?

Com o amor de Maria e do modo exímio de Marta

Assim nos responde Mons. João S. Clá Dias: “Devemos imitar as duas irmãs: fazer todos os atos cotidianos com o amor de Maria, mas, como Marta, cumprir nossas obrigações de modo exímio. Porque a vida dos homens tem momentos de ação e de contemplação e, tanto em uns quanto nos outros, é preciso ser ‘perfeito como o Pai celeste é perfeito’ (Mt 5, 48)”. (4)

Peçamos a Nossa Senhora do Divino Amor, juntamente com Santa Maria Madalena e Santa Marta, a graça de sermos perfeitos na contemplação e na ação, para glória de Deus e nossa própria salvação.

 Por Adilson Costa da Costa

__________________________________

(1) Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loiola. Tradução do Autógrafo Espanhol pelo P. Vital Dias Pereira, S. J. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1966, p. 27.

(2) Mons. João S. Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana e São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 236.

(3) Idem, p. 236

(4) Idem, p. 238

Faça um Comentário!

%d blogueiros gostam disto: