By

Confiança nAquela que é o caminho fácil e virginal para chegar a Jesus

Sede da Sabedoria – Arautos do Evangelho

Doçura, afabilidade, delicadeza… quantos sentimentos nos evocam a contemplação desta Mãe com seu Filho ao colo. Pare um pouco, caro leitor, e deixe-se inebriar por esta paz. Sim, em uma palavra, nos sentimos embalados por uma paz e confiança inefáveis. Mas, por ventura, poderíamos nos perguntar, em meio a tantas agitações, correrias e incertezas que este mundo hodierno nos procura mergulhar: temos nós condições de viver nesta atmosfera de confiança e tranquilidade?

Quem nos dá esta resposta é um dos maiores devotos de Nossa Senhora, o grande mariólogo São Luis Maria Grignion de Montfort. Ensina-nos o Santo que o entregar-se a São Luis Maria Grignion de Montfort, segundo o divino exemplo do próprio Deus, é trilhar um “caminho ameno para ir a Jesus Cristo, porque o Espírito Santo, esposo fiel de Maria, o indicou a eles [os Santos] por uma graça especial”.¹

Com efeito, não sabemos o que nos está reservado de alegrias e tristezas ao longo da vida neste vale de lágrimas, nem dos desígnios mais misteriosos de Deus a nosso respeito. Sabemos, entretanto, que o grande ideal de nossas vidas, que nos traz a verdadeira felicidade e paz de alma é a união com Nosso Senhor Jesus Cristo. E, para atingirmos este ideal, apesar das borrascas e tempestades que nos atinjam, temos “um caminho que Jesus Cristo abriu quando veio a nós, e no qual não há obstáculo que nos impeça de chegar a Ele”.²

Mas, como Nossa Senhora será para nós este caminho fácil?

São Luís indica o quanto “esta boa Mãe e Senhora está sempre tão próxima e presente a seus fiéis servos, para aliviá-los em suas trevas, esclarecê-los em suas dúvidas, encorajá-los em seus receios, sustê-los em seus combates e dificuldades, que, em verdade, este caminho virginal, para chegar a Jesus Cristo é um caminho de rosas e de mel, em vista de outros caminhos”. ³

Aí está caro leitor, neste início de ano que trará não se sabe que boas ou más surpresas, um convite para a confiança plena naquela que é Mãe de Deus e nossa, a Mãe de Misericórdia. Deixe-se embalar e deposite total confiança Nela.

Por Adilson Costa da Costa

________________________

 ¹ São Luís Maria G. de Montfort. Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem. 42ª ed. Petrópolis: Vozes, 2012, p. 147, n. 152.
² São Luis Maria G. de Montfort. op.cit., p. 146, n. 152.
³ São Luis Maria G. de Montfort, op.cit., p. 146, n. 152.

By

Frase da Semana – Nossa Senhora das Dores

“Ó vós todos que passais pelo caminho, parai e vede se há dor semelhante à minha dor”

(Lm 1, 12)

A piedade católica aplica à Santíssima Mãe de Deus as palavras acima, do Profeta Jeremias, no livro das Lamentações. E quem pode ficar indiferente a tão comovedoras palavras? Neste dia 15 de Setembro a Liturgia comemora a festa de Nossa Senhora das Dores. Esta festa nos é proposta para que meditemos, com verdadeira piedade, nas dilacerantes dores que sofreu Nossa Mãe Santíssima, à vista de tudo o que deveria padecer o seu Inocente Filho, Jesus Cristo.

Dores de Maria

Nossa Senhora das Dores – Sevilla

A contemplação das dores de Maria, como meio de santificação para os fiéis, remonta à Idade Média. A Ordem dos Servitas, fundada no ano de 1240 contribui para difundir essa devoção pelo mundo católico. A Festa foi instituída oficialmente pelo Papa Bento XII, no ano 1727. Finalmente, o Papa Pio VII, em 1804, ordenou que fosse celebrada no terceiro domingo do mês de Setembro. Posteriormente, com a reforma do Breviário, São Pio X fixou a data de 15 de Setembro para relembrar as Dores de Maria. (1)

Em seu magnífico Glórias de Maria, Santo Afonso Maria de Ligório dedica grande parte do livro para tratar detalhadamente, com meditações, a respeito de cada uma das Sete Dores de Maria Santíssima: 1ª. Profecias de Simeão; 2ª. Fuga de Jesus para o Egito. 3ª. Perda de Jesus no Templo; 4ª. Encontro com Jesus caminhando para a morte. 5ª. Morte de Jesus; 6ª. A ferida com a lança e a descida de cruz e a 7ª, Sepultura de Jesus. (2)

Também no site dos Arautos do Evangelho está disponível um belo texto sobre as dores de Nossa Senhora. (3)

Excetuando-se as dores e humilhações que sofreu o próprio Redentor, Nosso Senhor Jesus Cristo para nos salvar, não há nada que se possa comparar às dores sofridas por nossa Mãe. Por isso Ela é louvada como Co-Redentora da humanidade. E por isso também, nós, em nossas angústias e nos sofrimentos que a Providência nos pede, para nossa santificação durante as batalhas nesta terra, nunca nos esqueçamos do seu exemplo e, com a confiança de filhos, peçamos a Ela que nos ajude sempre.

Nossa Senhora das Dores, rogai por nós.

Veja também:

Frase da Semana – Natividade de Maria

Frase da Semana – Santo Agostinho

Frase da Semana – São Bernardo de Claraval


(1) São Afonso Maria de Ligório. Glórias de Maria. 3ª. ed. Aparecida: Ed. Santuário, 1989, p. 355 (nota do Tradutor).

(2) Op.cit. a partir da página 355.

(3) Arautos do Evangelho. Seção Especial: Nossa Senhora das Dores. Disponível em http://www.arautos.org/especial/29818/Nossa-Senhora-das-Dores.html 

By

Marta e Maria: uma lição para a humanidade

Contemplação e ação, vida contemplativa e vida ativa. Duas expressões que nos trazem à mente ideias como oração, leitura e estudo, de um lado, trabalho e atividade de outro. Em graus diferentes, estas vidas são características que vemos presentes na generalidade das pessoas – não necessariamente religiosas: umas estudam mais, outras rezam mais, outras trabalham bem mais. Posto que “o homem é criado, para louvar, reverenciar e servir a Deus nosso Senhor, e mediante isto salvar a sua alma”, conforme Santo Inácio ensina (1), poderíamos, então, perguntar: qual destas “vidas” vale mais? Qual delas é mais importante para alcançar tal finalidade?

Se alguém fosse responder precipitadamente, talvez se equivocasse. Diria ele: já que o homem tem que alcançar o Céu – portanto, santificar-se – deverá rezar e contemplar; o resto não tem importância.

Outro mais “despistado” poderia dizer: o que importa mesmo é trabalhar, pois ai daquele que não desenvolve seus talentos, o que não for trabalho é perda de tempo e poderia acrescentar: ademais, o próprio Apóstolo admoesta aos Tessalonicenses a imitarem o seu exemplo, em que trabalhou “com fadiga e esforço” e deu esta norma de “quem não quer trabalhar, também não coma” (2Ts 3, 8-10).

Esta questão – vida contemplativa e vida ativa – vem-nos à tona ao contemplarmos o episódio narrado por São Lucas sobre a conduta das irmãs de Lázaro, Santa Maria Madalena e Santa Marta (cujas memórias a Igreja celebra dia 22 e 29 de julho, respectivamente), ao hospedarem o Divino Mestre em sua residência.

Marta e Maria com Jesus – Basílica de Paray Le Monial, França

Conta-nos o evangelista que Jesus foi à casa em Betânia, daquela família amiga, para um repouso e descanso após longa viagem, com destino à Jerusalém. O que fizeram para acolher a Jesus – com seus Apóstolos e discípulos – que chegava?

As duas irmãs tiveram atitudes bem diversas: uma se pôs aos pés de Jesus, ouvindo embevecida as divinas palavras de Seu Senhor, ou seja, convivia admirativamente com Ele. A outra pôs-se na lida da casa, afadigando-se em preparar a comida e o que fosse necessário para bem atender ao divino hóspede e seus acompanhantes, em outros termos, trabalhava com eficiência.

Santa Maria Madalena – Igreja de St. Severin, França

Qual das duas terá agradado mais ao Senhor? Uma contemplava, a outra agia.

Para bem responder, melhor seria formular a pergunta de outra forma: o que faltou à Maria e o que faltou à Marta?

A esta questão nos responde Mons. João S. Clá Dias, apontando para o amor imperfeito de Maria: “O Divino Mestre diz que Maria escolheu a melhor parte [a contemplação], mas não afirma ter ela agido impelida pelo amor perfeito. Nosso Senhor é cioso da obediência devida às autoridades intermediárias e, portanto, deveria Maria ter se submetido às determinações de sua irmã mais velha, cumprindo as obrigações que lhe cabiam sem perder o enlevo, mantendo o coração todo posto no Senhor”. (2)

Santa Marta – Catedral de Bayona, França

Quanto à Marta, o Fundador dos Arautos do Evangelho mostra a preocupação naturalista da irmã de Maria: “sem ela se dar conta – como sói acontecer – essa louvável aspiração [o bom atendimento de Nosso Senhor] foi sendo substituída por uma preocupação naturalista, acompanhada pelo desejo de fazer bela figura diante d’Ele e dos demais. Se executasse todas aquelas tarefas pondo em Jesus a atenção principal, ficaria ela também com a melhor parte, os frutos de seu trabalho teriam outra beleza e outra substância. Não lhe era preciso, portanto, deixar suas ocupações para ir sentar-se com Maria, aos pés de Jesus, mas, segundo sublinha acertadamente Fillion, ter em vista que ‘o único necessário é preferir as coisas interiores às exteriores, dar-se a Cristo sem restrições, adorando-O, amando-O e vivendo só para Ele’”. (3)

Mas, então, com qual parte ficar: contemplação ou ação? A de Maria ou a de Marta? A quem imitar?

Com o amor de Maria e do modo exímio de Marta

Assim nos responde Mons. João S. Clá Dias: “Devemos imitar as duas irmãs: fazer todos os atos cotidianos com o amor de Maria, mas, como Marta, cumprir nossas obrigações de modo exímio. Porque a vida dos homens tem momentos de ação e de contemplação e, tanto em uns quanto nos outros, é preciso ser ‘perfeito como o Pai celeste é perfeito’ (Mt 5, 48)”. (4)

Peçamos a Nossa Senhora do Divino Amor, juntamente com Santa Maria Madalena e Santa Marta, a graça de sermos perfeitos na contemplação e na ação, para glória de Deus e nossa própria salvação.

 Por Adilson Costa da Costa

__________________________________

(1) Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loiola. Tradução do Autógrafo Espanhol pelo P. Vital Dias Pereira, S. J. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1966, p. 27.

(2) Mons. João S. Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana e São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 236.

(3) Idem, p. 236

(4) Idem, p. 238