By

Frase da Semana: “Que mais devia ter feito para ti, e não fiz?”

Povo meu, que te fiz Eu, ou em que te contristei? Responde-me!

Que mais devia ter feito para ti, e não fiz?

Vinagre me deste a beber na minha sede, e com uma lança atravessaste o lado do teu Salvador. (Impropérios)

By

Frase da Semana: Ninguém pode imaginar o bem que ela me fez…

photo_2016-09-16_20-27-25

By

Frase da semana: Muito me alegro com os vossos mandamentos

Muito me alegro com os vossos mandamentos,
que eu amo, amo tanto, mais que tudo!

Salmo 118 (119)

Esta Frase da Semana nos traz o Cântico de louvor do Salmista em que manifesta jubiloso, o quanto ama os Mandamentos do Senhor.

A quem se deve tal amor?

Este amor aos Mandamentos não é outro senão o amor a Nosso Senhor Jesus Cristo. “Se vocês me amam, obedecerão aos meus mandamentos” (Jo 14, 15), disse o Salvador aos Apóstolos.

Bom Deus de Amiens. Catedral de Amiens, França

Bom Deus de Amiens. Catedral de Amiens, França

E qual o fruto deste amor a Jesus Cristo e seus Mandamentos?

Read More

By

Frase da Semana – Tome a sua cruz e Me siga

“Se alguém Me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e Me siga”

Marcos 8,34

Via Dolorosa. Jesus carregando a Cruz. Igreja Cristo dos Milagres de Lima, Perú

Via Dolorosa. Jesus carregando a Cruz. Igreja Cristo dos Milagres de Lima, Perú

Estas sublimes e categóricas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo no Evangelho de São Marcos e que a Liturgia nos propõe à reflexão no XXIII Domingo do Tempo Comum, constituem, propriamente, as práticas da perfeição cristã, ou, as condições para ser autêntico discípulo de Jesus. Principalmente nos dias de hoje, muitos se auto-intitulam “cristãos”, mas, infelizmente, a sua prática de vida nada tem a ver com os Mandamentos, ou mesmo, conselhos dados pelo Divino Mestre.

“Se alguém Me quiser seguir”: O grande Doutor Mariano, São Luís Maria Grignion de Montfort, assegura que é muito pequeno o número dos que querem realmente seguir a Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, Ele emprega a palavra no singular: alguém e não alguns, “para marcar o pequeno número dos eleitos que se querem tornar conformes a Jesus Cristo crucificado, carregando sua cruz. É tão pequeno, que se o soubéssemos, diz o santo, ficaríamos pasmados de dor”.[1] Portanto, teremos a determinação necessária para seguir a Nosso Senhor?

“Renuncie a si mesmo”: Comenta Monsenhor João Clá Dias: “A origem de todos os pecados encontra-se no amor desordenado de nós mesmos, em detrimento da verdadeira caridade”[2] Para seguir a Nosso Senhor, devemos renunciar a toda forma de apego aos pecados e, principalmente, renunciar ao amor próprio que tanto nos afasta de Deus, quando procuramos fazer a nossa vontade e não a Vontade Divina.

“Tome a sua cruz”: É inevitável que ao longo de nossas vidas tenhamos que enfrentar muitas cruzes; a maioria delas nos vem sem que as procuremos: doenças, problemas familiares, perdas financeiras, etc. Outras, ainda, nos vem como consequência de decisões que tomamos ao longo da vida. Ânimo! Procuremos carregar nossas cruzes com disposição e confiança, imitando nosso Divino Salvador.

“E Me siga”: Finalmente, a prática de perfeição cristã mais importante, recomendada por Nosso Senhor: abraçar a nossa cruz por amor a Deus e seguí-Lo. Com paciência e resolução.

Que Nossa Mãe Santíssima, Rainha e mãe de todos os sofredores nos ajude a tomar com seriedade este programa de vida. Que Ela nos ajude a nos tornarmos verdadeiramente santos!

Salve Maria!


[1] São Luís Maria G. de Monfort. Carta Circular aos amigos da Cruz. Rio de Janeiro: Santa Maria, 1954. Pág. 24.

[2]Monsenhor João Clá Dias. O inédito sobre os Evangelhos. Vol. IV,p. 368

By

“Oh, como é bom, como é agradável para irmãos unidos viverem juntos” (Sl 132, 1)

São João Bosco com os adolescentes

Esta frase do Salmista bem expressa a imagem aqui reproduzida.

Sim, contemplai as fisionomias destes jovens que estão apinhados em torno de São João Bosco. Vede o júbilo, o afeto, o respeito mútuo existente entre o Santo da alegria – outro não era senão seu ensinamento: “santidade é alegria” – e estes jovens. Realmente, como é bom e alegre que os irmãos unidos vivam juntos!

Mas esta realidade – poderia indagar o leitor – somente é possível entre os que moram juntos, numa congregação religiosa?

Para compreendermos bem o quanto isto é possível e realizável na sociedade, seja no relacionamento familiar, social e até profissional, bastará lançar os olhos naquele que é a fonte do verdadeiro amor, da benquerença e do bom trato: Nosso Senhor Jesus Cristo.

É pela presença do Divino Salvador entre os homens que se estabelece a verdadeira amizade. Quando esta presença divina não se faz, entra o orgulho, o desprezo, a inveja, em uma palavra, o egoísmo.

Conta-nos o historiador que os pagãos, nos primórdios do Cristianismo, comentavam admirados a propósito dos primeiros cristãos: “Como eles se amam!”. Sim, estes “imitadores da verdadeira caridade” – na expressão de São Policarpo ¹ – fundavam seu amor ao próximo no amor a Cristo Jesus.

Que os nossos contemporâneos também possam dizer o mesmo de nós, católicos. E dia chegará que a vida, tão marcada de egoísmos e tristezas, será substituída pelas alegrias da verdadeira união fraterna que pressagiam as do Céu, conforme a própria Mãe dos homens assim profetizou em Fátima.

________________________________

¹ São Policarpo. In Daniel Rops. A Igreja dos Apóstolos e dos Mártires. Tradução de Emérico da Gama. São Paulo: Quadrante, 1988, p. 190.

%d blogueiros gostam disto: