By

Férias de Julho: 3º Dia do Curso De Férias

DEBATE: FORTALEZA VS CONFIANÇA

Hoje o dia foi diferente. Depois do café da manhã, os jovens participantes foram para o Thabor a fim de assistir uma Solene Missa, com belos cânticos gregorianos e polifônicos. Após a mesma, houve uma emocionante adoração ao Santíssimo Sacramento, com recitação do Ofício Divino.

Read More

By

Férias de Julho: 1º Dia do Curso De Férias

CONFIANÇA E HEROÍSMO

A inesperada frente fria com a qual os nossos pequenos participantes do Curso de Férias tiveram que se deparar assim que despertaram, não foi suficiente para extinguir o calor e a alegria que irradiava dos corações de todos. Com efeito, é essa a nota tônica que pode-se sentir em toda a viagem, desde que chegaram em São Paulo.

Read More

By

A religiosa que venceu Átila

Eu não pus a confiança no meu arco

A minha espada não me pôde libertar;

Mas fostes vós que nos livrastes do inimigo

e cobristes de vergonha o opressor. (Salmo 43)

Santa Genoveva – Catedral de Bayeux – França

Históricas e legendárias são as invasões de Átila, “o flagelo de Deus”, que no século V aterrorizava populações com seus guerreiros hunos. A galope sobre cavalos, assaltando rapidamente a China, depois se precipitou sobre a Europa, destroçando o que encontrava pela frente. Quem, no entanto, poderia servir de barreira ou proteção contra tamanha fúria?

Com muita propriedade, pode-se responder com o Salmista: não foi o arco nem a espada que me pôde libertar, mas Deus que me livrou do inimigo (Sl 43, 7-8). E quem poderia imaginar que, entre as almas providenciais suscitadas por Deus no seio da Santa Igreja – “único elemento vivo num mundo em desagregação”¹ – uma delas seria a frágil mulher que deteria Átila e salvaria a cidade de Paris do terrível invasor. Quem foi ela?

Caro leitor, estamos em meados do Século V. Passavam na aldeia de Nantes, a caminho da Grã-Bretanha, em missão dada pelo Papa São Bonifácio I, dois Santos Bispos: São Germano de Auxerre e São Lupo, Bispo de Troyes. Estando eles se dirigindo para a igreja, a população os cercava com veneração e afeto filial, por ter a honra de receber em seu aconchegante lugarejo tão ilustres visitantes.

Santa Genoveva recebe medalha de São Germano, Bispo de Auxerre – por Noel Coypel, Museu de Dijon – França

Eis que em meio à multidão, São Germano discerne uma menina de sete anos, da qual se irradiava, aos olhos sobrenaturais do Santo Bispo, a luz da inocência. Quem seria esta criança? Pediu que chamassem a menina e seus pais. Assim foi feito. E dirigindo-se a eles, disse profeticamente o eminente Prelado:

“Felizes pais com tal filha. Por ocasião do nascimento desta criança, saibam-no, os Anjos deram grande festa no Céu. Esta menina será grande diante do Senhor; e, pela santidade de sua vida, arrancará muitas almas do jugo do pecado.” ²

Ditas estas palavras, acrescentou, com a santa ousadia de um verdadeiro pastor: “Genoveva, minha filha. Fala-me sem temor: gostarias de ser consagrada a Cristo numa pureza sem mancha, como sua esposa?”

E a resposta se fez ouvir, cheia de entusiasmo e candura: “Bendito sejais, meu Pai, o que me pedis é o maior desejo de meu coração. É tudo que quero. Dignai-vos rogar ao Senhor que mo conceda”.

Repleta de luzes é a história de Santa Genoveva. Para não nos alongarmos, fixemo-nos, caro leitor, à abordagem levantada no início deste artigo.

Esta criança, fiel imitadora de Cristo Nosso Senhor, “crescia em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens” (Lc 2, 52). Fez-se religiosa e, após a morte de seus pais, viveu em Paris. A fama de santidade de Santa Genoveva era generalizada, a tal ponto, que do outro lado do mundo, na Ásia Menor, o famoso santo que vivia rezando sobre uma alta coluna de pedra, São Simeão Estilita, referia-se a ela como sua irmã em perfeição no Cristianismo. ³

Com efeito, os famosos e temidos hunos, comandados por Átila, dirigem-se à Paris, “ultrapassando em ferocidade tudo quanto se possa imaginar, com o seu corpo atarracado, os membros superiores enormes, a cabeça desmedidamente grande, as faces sulcadas de cicatrizes que eles mesmos se infligem para impedir o crescimento da barba, serão feras ou homens? […] Entre eles não há arado, nem cultura, nem casa estável. […] Não se dão ao trabalho de cozinhar os alimentos; comem a carne crua, depois de a terem algum tempo debaixo da sela, para que fique mais macia”, conforme registrou um célebre historiador. 4

Diante dessa horda selvagem e conquistadora a ameaçar Paris, ergue-se, não com arcos, espadas e escudos, mas com a fé e confiança inabaláveis, Santa Genoveva. Muitos querem bater em retirada, no entanto, a religiosa afirma: “Podem os homens fugir, se assim o quiserem e não forem capazes de combater; nós, as mulheres, pediremos tanto a Deus que Ele acabará ouvindo as nossas súplicas!” 5

Tal foi a decisão da Santa que “[…] reunindo as companheiras, aconselhou-lhes dedicar-se aos jejuns, às preces e às vigílias, a fim de lograrem, como Judite e Ester, escapar à calamidade que as ameaçava. Reuniram-se com Genoveva no batistério, e destinaram vários dias a tais obras de penitência. A santa, por outro lado, dizia aos homens que não abandonassem Paris, visto que as cidades para as quais pretendiam retirar-se seriam devastadas pelos bárbaros, ao passo que, com a proteção de Cristo, Paris ficaria [a] salvo.” 6

Diante de tanta fidelidade e confiança em Deus Nosso Senhor, o inopinado aconteceu. Os bárbaros mudaram inexplicavelmente de rota e não invadiram Paris. Aqui está uma das mais belas páginas da vida dos Santos. 7

Que Santa Genoveva nos obtenha do Salvador, unida à Rainha do Céu e da Terra, a confiança inabalável pela qual, sejam quais forem as adversidades e lutas da vida, a graça sempre nos socorrerá, mesmo sem os auxílios dos meios terrenos, nos libertando do inimigo e fazendo-nos aos olhos de Deus verdadeiros heróis da fé e da confiança. Especialmente nestes dias em que a barbárie e a violência retornam requintados à face de um “mundo civilizado” que se distancia de Deus, não coloquemos a confiança no poder das armas, mas saibamos vencer o combate da fé, como Santa Genoveva.

Santa Genoveva, rogai por nós!

 

Por Adilson Costa da Costa

 __________________________________

¹ Daniel-Rops. O furacão dos bárbaros. A Igreja dos Tempos Bárbaros. Tradução de Emérico Da Gama. São Paulo: Quadrante, 1991.  Vol. II, p. 95.

² Dom Guéranger. L’Année Liturgique – Le temps de Noël. Tomo I. 13ª edição. Paris: Librairie Religieuse H. Oudin. 1900, p.. 523-525.

³ Dom Guéranger. Idem.

4 Amiano Marcelino. In Daniel-Rops. O furacão dos bárbaros. A Igreja dos Tempos Bárbaros. Tradução de Emérico Da Gama. São Paulo: Quadrante. 1991. Vol. II, p. 100-101.

5 Daniel-Rops. O furacão dos bárbaros. A Igreja dos Tempos Bárbaros. Tradução de Emérico Da Gama. São Paulo: Quadrante, 1991.  Vol. II, p. 106.

6 Santa Genoveva, Virgem e Padroeira de Paris. Disponível em: <http://www.arautos.org/imprimir/684.html -Acesso em 22/janeiro/2015>. Acesso em 22 jan. 2015.

7 Padre Rohbarbacher. Vida dos Santos. Edição atualizada por Jannart Moutinho Ribeiro sob a supervisão do Prof. A della Nina. São Paulo: Editora das Américas, 1959. Vol. I, p. 126.

 __________________________________

Tão atraente é a vida desta Santa, que vale a pena aprofundar o conhecimento da mesma. Pode-se acessar <http://www.arautos.org/artigo/684/Santa-Genoveva–Virgem-e-Padroeira-de-Paris.html>.

By

A solução para todos os nossos problemas

Muitos são os problemas e preocupações do homem em nossos dias: contas para pagar, dívidas inesperadas, ou ainda doenças que batem à nossa porta, e tantas outras dificuldades que vivenciamos quotidianamente. Isto sem nos esquecermos das questões familiares, de trabalho, em resumo: problemas, problemas, problemas…

A tudo isto caro leitor devemos acrescer as calamidades que vemos todos os dias na imprensa. Às vezes temos a impressão de que são tantos os ventos contrários, que achamos que nossa pequenina casa ruirá para sempre. Nesses terríveis momentos de angústia e aflição, muitos questionamentos vêm ao nosso espírito.

Como pode ser isso? Acaso Deus criou o homem somente para sofrer? Não é Ele o Senhor e Criador de todas as coisas, o Deus onipotente, eterno e absoluto, capaz de salvar e de fazer perecer? Alguém poderia pensar: Como pode ser que, sendo Ele tão poderoso, deixe nosso mundo abandonado e desolado, entregue às borrascas e tempestades, sem ter um mínimo de preocupação e de interesse? A afirmação é forte. A situação é difícil. E agora, como resolver este caso? Será que Deus realmente nos abandona assim? Sem dúvida não!

Vitrais de Saint Chapelle (Paris), que ilustram o Livro de Ester

Ensina-nos a Doutrina Católica que Deus nunca nos deixa de amparar, de tal maneira que, se por acaso Ele cochilasse, quando acordasse perceberia que toda a criação teria desaparecido. Sim. E é claro que o Onipotente não cochila, mas os teólogos usam essa metáfora para nos mostrar que é Ele quem sustenta todo o universo.

Ou seja, Ele não se esquece nunca de nós, pois Jesus mesmo afirmou: “Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados”. (Lc 12, 7) Além disso, sabemos que, se vemos no mundo de hoje toda espécie de problemas, é porque o mundo não recorre ao seu Criador e Senhor. Ora, se passamos por problemas e dificuldades, temos um grande tesouro ao nosso alcance para implorar a misericórdia divina: a oração. Se rezarmos com fé, confiança e perseverança é certo que não nos deixará de socorrer.

A este propósito, trazemos aqui um trecho da Sagrada Escritura belíssimo. Trata-se da oração feita pela Rainha Ester diante de uma situação de perseguição e aflição que passava o povo eleito, durante a época persa. O trecho bíblico apresenta um bom exemplo de como deve ser nossa oração: cheia de confiança e certeza na vitória de Deus sobre nossos inimigos.

“Naqueles dias: Ante a morte iminente, todo o Israel gritava a Deus com todas as suas forças. A Rainha Ester, temendo o perigo de morte que se aproximava, buscou refúgio no Senhor. Abandonou as vestes suntuosas e vestiu-se com roupas de aflição e luto. Em vez de perfumes refinados, cobriu a cabeça com cinza e humilhou o seu corpo com inúmeros jejuns. Prostrou-se por terra desde a manhã até ao anoitecer, juntamente com suas servas, e disse:

‘Deus de Abrão, Deus de Isaac e Deus de Jacó, Tu és bendito. Vem em meu socorro, pois estou só e não tenho outro defensor fora de ti, Senhor, pois eu mesma me expus ao perigo. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que salvaste Noé das águas do dilúvio. Senhor, eu ouvi dos livros de meus antepassados, que entregaste nove reis a Abraão com apenas trezentos e dezoito homens. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que libertaste Jonas do ventre da baleia. Senhor, eu ouvi, do livro de meus antepassados, que livraste Ananias, Azarias e Misael da fornalha ardente. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que arrebataste Daniel da cova dos leões. Senhor, eu ouvi, do livro de meus antepassados, que tiveste misericórdia de Ezequias, rei dos Judeus, quando, condenado a morrer, te implorou pela vida e lhe concedeste mais quinze anos de vida. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que concedeste um filho a Ana que o pedia com ardente desejo. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que tu libertas, Senhor, até o fim, todos os que te são caros.

Agora, pois, ajuda-me, a mim que estou sozinha e não tenho mais ninguém senão a Ti, Senhor meu Deus. Tu sabes o que tua serva detestou o leito dos incircuncisos, que não comi à mesa das abominações nem bebi o vinho de suas libações. Tu sabes que, desde a minha deportação, não tive alegria, Senhor, a não ser em ti. Tu sabes, ó Deus, porque trago esta vestimenta sobre minha cabeça, e que a abomino como um trapo imundo e não a trago nos meus dias de tranquilidade.

Vem, pois, em auxílio de minha orfandade. Põe em meus lábios um discurso atraente, quando eu estiver diante do leão, e muda o seu coração para que odeie aquele que nos ataca, para que este pereça, com todos os seus cúmplices. E livra-nos da mão de nossos inimigos. Transforma nosso luto em alegria e nossas dores em bem-estar. Aos que querem apossar-se de tua herança, ó Deus, entrega-os à ruína. Mostra-te, Senhor; ó Senhor, manifesta-te!’”1.

Nossa Senhora de Fátima – Arautos do Evangelho

É muito bonita a maneira como a Rainha relembra vários fatos ocorridos no povo judeu, em que aqueles que pediram o socorro divino foram atendidos. Ela também foi atendida por Deus, como podemos ler em seu livro na Sagrada Escritura, pois o povo eleito foi salvo da situação de aflição que sofria do terrível perseguidor Amã, o qual acabou sendo morto pelo rei Assuero. A vitória foi certa! Ester triunfou!

Tenhamos também nós essa confiança e fé. Em toda e qualquer dificuldade que atravessemos em nossa vida, recorramos ao auxílio certíssimo de Nossa Senhora, que nos socorrerá logo e nos salvará, seja qual for a situação. Tenhamos uma certeza inabalável Naquela que desde o princípio esmagou a cabeça da serpente e que, como Mãe terna e carinhosa, socorre aqueles que confiam em sua bondade.

Por Luís Plinio Santos

__________________________

1 Oração da Rainha Ester. Do Livro de Ester. In: Liturgia das Horas. v. IV. São Paulo: Vozes, Paulinas, Paulus, Editora Ave Maria, 1999, p. 362-364.

By

São Pio: a vitória da confiança sobre o inimigo

 Que o inimigo não me diga: “Eu triunfei!”

Nem exulte o opressor por minha queda,

Uma vez que confiei no vosso amor! (Salmo 13, 5-6)

Assim canta o Salmo, a trazer-nos uma súplica do justo que confia em Deus. De fato, esta prece se adequa a qualquer homem confiante em Deus, sobre o qual as dificuldades da vida se apresentam no dia a dia da existência humana. Dificuldades que pedem de nós uma postura de alma de quem está continuamente no “bom combate” por amor a Deus, sobretudo pelo fato de que em nosso torno ronda o inimigo, como um leão, procurando a quem devorar, conforme lemos na Primeira Carta de São Pedro (1Pe 5, 8).

Padre Pio

O santo capuchinho, São Pio de Pietrelcina, compreendeu bem a realidade da vida: lutas pela fidelidade a Nosso Senhor. Este varão de Deus viveu 81 anos, tendo falecido no dia 23 de setembro de 1968. Ciente do quanto existe uma realidade mais real do que a que nossos sentidos percebem, colocou-se numa perspectiva sobrenatural, cheia de confiança e amor a Deus.

Por esta razão, e especialmente porque agraciado com um dom especial, tinha ele um convívio íntimo com o Anjo da Guarda. Conforme comenta Mons. João Clá Dias, Fundador dos Arautos do Evangelho:

“Um traço revelador do privilegiado contato dele com o mundo sobrenatural é a estreita relação que manteve durante toda a vida com seu Anjo da Guarda, ao qual ele chamava de “o amigo de minha infância”. Era seu melhor confidente e conselheiro. Quando ele ainda era menino, um de seus professores decidiu pôr à prova a veracidade dessa magnífica intimidade. Para tanto, escreveu-lhe várias cartas em francês e grego, línguas que o Pe. Pio então não conhecia. Ao receber as respostas, exclamou estupefato: – Como podes saber o conteúdo, já que do grego não conheces sequer o alfabeto?

– Meu Anjo da Guarda me explica tudo.

Graças a um amigo como esse, junto ao auxílio sobrenatural de Jesus e Maria, o Santo pôde ir acrisolando sua alma nos numerosos sofrimentos físicos e morais que nunca lhe faltaram.”¹

São Pio Pietrelcina

Mas qual a utilidade deste exemplo do Padre Pio para nós, de seu amor e confiança em Jesus, Maria e no Anjo da Guarda?

A firmeza do Santo propicia a convicção do quanto devemos nos colocar numa perspectiva sobrenatural em relação à nossa existência. Do contrário, como enfrentarmos tantas provas e a própria investida dos poderes das trevas?

De fato, se quisermos que o inimigo jamais nos diga que triunfou, nem caiamos face às tentações e percalços da existência terrena, confiemos no amor a Jesus, a Maria e ao nosso amigo, o Anjo da Guarda.

São Pio de Pieltricina, rogai por nós!

Por Adilson Costa da Costa

____________________________

¹ Mons. João Clá Dias. A Companhia do Anjo da Guarda. Disponível em: http://www.arautos.org/especial/19541/Sao-Pio-de-Pietrelcina.html . Acesso em 23 set 2014.