By

A solução para todos os nossos problemas

Muitos são os problemas e preocupações do homem em nossos dias: contas para pagar, dívidas inesperadas, ou ainda doenças que batem à nossa porta, e tantas outras dificuldades que vivenciamos quotidianamente. Isto sem nos esquecermos das questões familiares, de trabalho, em resumo: problemas, problemas, problemas…

A tudo isto caro leitor devemos acrescer as calamidades que vemos todos os dias na imprensa. Às vezes temos a impressão de que são tantos os ventos contrários, que achamos que nossa pequenina casa ruirá para sempre. Nesses terríveis momentos de angústia e aflição, muitos questionamentos vêm ao nosso espírito.

Como pode ser isso? Acaso Deus criou o homem somente para sofrer? Não é Ele o Senhor e Criador de todas as coisas, o Deus onipotente, eterno e absoluto, capaz de salvar e de fazer perecer? Alguém poderia pensar: Como pode ser que, sendo Ele tão poderoso, deixe nosso mundo abandonado e desolado, entregue às borrascas e tempestades, sem ter um mínimo de preocupação e de interesse? A afirmação é forte. A situação é difícil. E agora, como resolver este caso? Será que Deus realmente nos abandona assim? Sem dúvida não!

Vitrais de Saint Chapelle (Paris), que ilustram o Livro de Ester

Ensina-nos a Doutrina Católica que Deus nunca nos deixa de amparar, de tal maneira que, se por acaso Ele cochilasse, quando acordasse perceberia que toda a criação teria desaparecido. Sim. E é claro que o Onipotente não cochila, mas os teólogos usam essa metáfora para nos mostrar que é Ele quem sustenta todo o universo.

Ou seja, Ele não se esquece nunca de nós, pois Jesus mesmo afirmou: “Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados”. (Lc 12, 7) Além disso, sabemos que, se vemos no mundo de hoje toda espécie de problemas, é porque o mundo não recorre ao seu Criador e Senhor. Ora, se passamos por problemas e dificuldades, temos um grande tesouro ao nosso alcance para implorar a misericórdia divina: a oração. Se rezarmos com fé, confiança e perseverança é certo que não nos deixará de socorrer.

A este propósito, trazemos aqui um trecho da Sagrada Escritura belíssimo. Trata-se da oração feita pela Rainha Ester diante de uma situação de perseguição e aflição que passava o povo eleito, durante a época persa. O trecho bíblico apresenta um bom exemplo de como deve ser nossa oração: cheia de confiança e certeza na vitória de Deus sobre nossos inimigos.

“Naqueles dias: Ante a morte iminente, todo o Israel gritava a Deus com todas as suas forças. A Rainha Ester, temendo o perigo de morte que se aproximava, buscou refúgio no Senhor. Abandonou as vestes suntuosas e vestiu-se com roupas de aflição e luto. Em vez de perfumes refinados, cobriu a cabeça com cinza e humilhou o seu corpo com inúmeros jejuns. Prostrou-se por terra desde a manhã até ao anoitecer, juntamente com suas servas, e disse:

‘Deus de Abrão, Deus de Isaac e Deus de Jacó, Tu és bendito. Vem em meu socorro, pois estou só e não tenho outro defensor fora de ti, Senhor, pois eu mesma me expus ao perigo. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que salvaste Noé das águas do dilúvio. Senhor, eu ouvi dos livros de meus antepassados, que entregaste nove reis a Abraão com apenas trezentos e dezoito homens. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que libertaste Jonas do ventre da baleia. Senhor, eu ouvi, do livro de meus antepassados, que livraste Ananias, Azarias e Misael da fornalha ardente. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que arrebataste Daniel da cova dos leões. Senhor, eu ouvi, do livro de meus antepassados, que tiveste misericórdia de Ezequias, rei dos Judeus, quando, condenado a morrer, te implorou pela vida e lhe concedeste mais quinze anos de vida. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que concedeste um filho a Ana que o pedia com ardente desejo. Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que tu libertas, Senhor, até o fim, todos os que te são caros.

Agora, pois, ajuda-me, a mim que estou sozinha e não tenho mais ninguém senão a Ti, Senhor meu Deus. Tu sabes o que tua serva detestou o leito dos incircuncisos, que não comi à mesa das abominações nem bebi o vinho de suas libações. Tu sabes que, desde a minha deportação, não tive alegria, Senhor, a não ser em ti. Tu sabes, ó Deus, porque trago esta vestimenta sobre minha cabeça, e que a abomino como um trapo imundo e não a trago nos meus dias de tranquilidade.

Vem, pois, em auxílio de minha orfandade. Põe em meus lábios um discurso atraente, quando eu estiver diante do leão, e muda o seu coração para que odeie aquele que nos ataca, para que este pereça, com todos os seus cúmplices. E livra-nos da mão de nossos inimigos. Transforma nosso luto em alegria e nossas dores em bem-estar. Aos que querem apossar-se de tua herança, ó Deus, entrega-os à ruína. Mostra-te, Senhor; ó Senhor, manifesta-te!’”1.

Nossa Senhora de Fátima – Arautos do Evangelho

É muito bonita a maneira como a Rainha relembra vários fatos ocorridos no povo judeu, em que aqueles que pediram o socorro divino foram atendidos. Ela também foi atendida por Deus, como podemos ler em seu livro na Sagrada Escritura, pois o povo eleito foi salvo da situação de aflição que sofria do terrível perseguidor Amã, o qual acabou sendo morto pelo rei Assuero. A vitória foi certa! Ester triunfou!

Tenhamos também nós essa confiança e fé. Em toda e qualquer dificuldade que atravessemos em nossa vida, recorramos ao auxílio certíssimo de Nossa Senhora, que nos socorrerá logo e nos salvará, seja qual for a situação. Tenhamos uma certeza inabalável Naquela que desde o princípio esmagou a cabeça da serpente e que, como Mãe terna e carinhosa, socorre aqueles que confiam em sua bondade.

Por Luís Plinio Santos

__________________________

1 Oração da Rainha Ester. Do Livro de Ester. In: Liturgia das Horas. v. IV. São Paulo: Vozes, Paulinas, Paulus, Editora Ave Maria, 1999, p. 362-364.

By

Fé e milagre na manifestação de Cristo

Em inúmeros momentos, quando estamos recolhidos, sozinhos, em família, procedendo à leitura das Sagradas Escrituras ou, atentamente, na Santa Missa ouvindo a Homilia, surge em nosso íntimo uma pergunta: como deveria ser a pregação de Jesus?

Nosso Senhor, o Divino Pedagogo, infinitamente sábio, com Sua linguagem, timbre de voz, gestos… tudo de uma perfeição extraordinária! Os olhos humanos contemplavam a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade encarnada, com Sua doutrina arrebatadora e Suas palavras dotadas de vida eterna!

O Redentor do gênero humano trouxe não apenas ensinamentos que expressam a máxima sabedoria. Além disso, de acordo com Professores da Companhia de Jesus, “confirmava a verdade de sua doutrina com milagres, que eram ao mesmo tempo obras de caridade, curando toda espécie de enfermidades”. ¹

Toda esta pregação tinha um objetivo supremo: Jesus veio até nós para se revelar. E revelar-se como o Filho de Deus!

Mas de que maneira esta filiação divina se manifestou? Por que Jesus, no começo de sua vida pública, não proclamou que era Deus?

Estas bonitas questões são abordadas com maestria por Mons. João Clá Dias, EP, ao comentar o início da pregação de Jesus, narrada pelo Evangelista São Mateus (Mt 4, 12-23). Assim diz: “A convicção de Jesus quanto ao seu papel de Messias jamais poderá ser posta em dúvida […] grande e exata era a compreensão que Ele possui em relação à sua missão”. ²

Neste momento o leitor pode questionar: Como se daria a realização de Sua missão?

Para explicar esta pergunta, o Fundador dos Arautos escreve: “Porém, se de um lado a consciência a respeito dos fins […] era claríssima ab initio [desde o início] e nunca cresceu nem, menos ainda, diminuiu, sua manifestação aos outros foi progressiva. Aqui na Galiléia encontramos o Divino Mestre numa fase inicial. Era não só prematuro, como até imprudente, revelar em todo ou em parte sua divindade. Só muito mais tarde – por volta de dois anos após o Batismo no Jordão – Pedro proclamará sua filiação divina, por pura revelação do Pai, e, em seguida, os Apóstolos receberão a ordem de manterem o assunto em sigilo”. 3 [grifo nosso]

E mais adiante, explicita do porque era prematuro e imprudente, naquele momento, a revelação de sua divindade: “Mas, neste período da Galileia, ´O Evangelho do Reino` é pregado pelo Filho do Homem a uma opinião pública com insuficiente fé para reconhecer a infinita grandeza do Filho de Deus”. 4 [sublinhado nosso]

Esta linda questão, porque diz respeito a Nosso Senhor Jesus Cristo, traz para nós uma grande lição. A fé daquelas pessoas para quem Jesus Cristo pregava era insuficiente… Consequência disto: a revelação do Salvador para eles foi limitada.

Milagre da Cura dos leprosos

Muitas pessoas hoje em dia se perguntam do porque em nossa época não acontecerem tantos e tão retumbantes milagres, como por exemplo, ocorria no Antigo Testamento, ou quando Jesus esteve caminhando pelas terras de Israel. Há até quem diga que Deus chegou a abandonar o mundo. Contra estas ideias, existem alguns pontos a se pesar.

Um deles é que atualmente sucedem-se numerosos milagres de ordem individual. Bastará lançar os olhos em Lourdes, em Aparecida do Norte e em outros muitos santuários de devoção e peregrinação, para verificarmos prodígios diários, diversos deles já constatados pela ciência e a medicina.

Com relação a milagres que envolvam povos em seu conjunto, de fato tornaram-se escassos. Talvez pelo fato de que esses se encontram, sem dúvida, num inaudito afastamento de Deus.

Entretanto, ainda se encontram grupos ou pessoas que, na sua individualidade, possuem grande fé. Em outros termos, há indivíduos com fé que alcançam grandes graças, mas que representam uma parcela minoritária em relação aos povos a que pertencem.

 Pode-se dizer que ainda há pessoas com elevada fé, mas seria forçado dizer o mesmo de um povo ou um país, numa época de tanto materialismo e tantos pecados.

Isso possivelmente explica porque os grandes milagres que outrora envolveram povos inteiros como, por exemplo, os judeus e egípcios no Êxodus, a passagem do Mar Vermelho, as dez pragas etc., tornaram-se mais raros, em contraste com a grande incidência de milagres particulares.

Não excluamos, entretanto, a possibilidade de grandes milagres para os povos incrédulos de hoje, pois se para os judeus estes prodígios confirmavam a fé, para os egípcios eles desafiavam a incredulidade. Assim, pode ser que estejamos à beira de grandes acontecimentos, como os previstos por Nossa Senhora em Fátima, caso os homens de nosso tempo não se convertam e cessem de ofender a Deus.

Aqui está, caro leitor, uma boa meditação para todos e cada um: como está nossa fé na grandeza, no poder e na bondade infinita do Filho de Deus?

Peçamos que esta fé seja, pela graça divina e a rogos de Maria, profunda, convicta e entusiasmada por Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus. E assim poderemos contemplar em nossas vidas a dadivosa manifestação de Sua divindade, carregada de bênçãos, graças e milagres; e escutar, talvez, sua voz ressoar no fundo de nossas almas – “Tua fé te salvou, vai em paz.” Lc (7, 50) – a nos fortalecer ainda mais na confiança e na fidelidade ao Salvador.

Por Adilson Costa da Costa

_________________________

 ¹ Juan Leal, SJ; Severiano Del Páramo, SJ, José Alonso, SJ. La Sagrada Escritura: Evangelios. v. I. Madrid: BAC, 1961, p.54.
² Mons. João S. Clá Dias, EP. Não tinha chegado a hora de Se manifestar como Filho de Deus. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. II, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 37.
³ Mons. João S. Clá Dias, EP, op. cit, p.37.
4 Mons. João S. Clá Dias, EP, op. cit, p.37.

By

Vigília do Santo Natal: um momento de reflexão

Não é raro encontrarmos pessoas que, neste mundo onde a ostentação, busca de prestígio e vanglória permeiam os corações insensatos, procuram esconder sua ascendência por serem de condição humilde. Como cresceram monetariamente, esquivam-se de seus parentes pobres, pois consideram isso uma humilhação perante os demais. Um tanto menos numerosos são aqueles que, tendo entre seus ascendentes pessoas que se desvirtuaram pelas sendas do pecado e caíram miseravelmente nas armadilhas do demônio, rechaçam-nas sem compaixão e, menos ainda, rezam por elas.

No entanto, vemos esta mesma situação sob uma perspectiva impressionante e incomparável, na leitura da Missa da Vigília de Natal, narrada por São Mateus (Mt 1, 1-25), posta a Pessoa inserida e central: temos aí a genealogia do Menino Deus, que registra não só pessoas pobres (o exemplo máximo: São José, que obtinha com dificuldades o sustento da Sagrada Família), mas pessoas escandalosamente criminosas e pecadoras. Para citar apenas dois personagens: o rei Davi e seu filho, o Rei Salomão. Aquele se uniu ilegitimamente à esposa de Urias e levou seu pecado ainda mais longe, tramando a morte do fiel general de seus exércitos. E o Rei Salomão, que recebera o dom da Sabedoria, caiu em idolatria, abandonando a Lei do Senhor (I Re 14,23).

Diante desta especialíssima genealogia, entremeada por luzes e trevas, Mons. João Clá Dias, EP, apresenta-nos a seguinte questão: “Ao constatar todas essas abominações [incluindo as que aqui foram citadas] ficamos impressionados e logo nos perguntamos qual a razão de Deus as haver tolerado. Por que teria o Salvador consentido e querido que na sua linhagem constasse gente de vida dissoluta? Ele conhecia esses horrores desde toda a eternidade e podia eliminá-los num instante” (1).

E responde com São João Crisóstomo: “Ele veio à Terra não para fugir de nossas ignomínias, senão para tomá-las sobre Si” (2)

E Monsenhor João acrescenta: “Assim, ele põe um ponto final nesse encadeamento de misérias com uma glória extraordinária, porque se os homens fossem perfeitos não se justificaria a Redenção, conforme canta a Igreja na Liturgia da Páscoa: ´Ó pecado de Adão indispensável, pois o Cristo o dissolve em seu amor; ó culpa tão feliz que há merecido a graça de um tão grande Redentor!`” (3)

Peçamos, neste Santo Natal, que o amor infinito do Menino Deus, pelos rogos de Nossa Senhora de Belém e de São José, dissolva nossos pecados e nos faça sentir toda a sua bondade, misericórdia e perdão.

Por Adilson Costa da Costa

______________________

(1) Mons. João S. Clá Dias, EP. Ele veio salvar os pecadores… In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. I, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 83
(2) São João Crisóstomo. Homilia III, n. 2. In: Obras. Homilias sobre el Evangelio de San Mateo (1-45). v. I, 2. ed. Madrid: BAC, 2007,  p. 42.
(3) Mons. João S. Clá Dias, EP., idem, p. 83-84

By

A paciência de Alguém que sempre nos espera

Quantos de nós, talvez num momento de preocupação, ou assoberbados de tarefas, fomos desatenciosos e, até, ríspidos, com nosso próximo. E assim, produzimos um desagrado – ainda que não percebido por nós – naqueles com quem tratamos. Assim é o convívio humano: por mais educados que sejamos às vezes temos desatenções e podemos ferir ao nosso próximo, faltando até com o respeito e afeto devidos.

Isto que se passa entre os homens, não é senão uma imagem daquilo que tão frequentemente se dá de nós para com Deus. O caro leitor já pensou nisto?

Com efeito, Deus está continuamente em comunicação conosco. Ele não se cansa e procura, nas circunstâncias mais diversas, nos fazer o bem, ainda quando dEle nos afastemos.

Vejamos, por exemplo, o fato narrado por São Lucas, proposto a consideração no XXIV Domingo do Tempo Comum. No dizer de Mons. João Clá, “é o célebre drama do filho pródigo, uma das mais belas páginas das Sagradas Escrituras”. (1) [grifo nosso]

Nosso Senhor conta a história de um filho mais novo que pedira ao pai sua herança e abandonando a casa paterna, gastou todo o dinheiro recebido numa vida desregrada. Após ter se precipitado na miséria moral e material, o jovem pecador cai em si e volta ao pai. Por fim, com o coração contrito e humilhado, recebe dele o mais generoso perdão.

Apesar de tudo, o pai não se cansou de esperá-lo, alegrando-se sem medidas com o retorno do filho. No entanto, o irmão mais velho, por falta de verdadeiro amor ao pai e por ter sido tomado de inveja, não aceitou aquela alegria do pai: Por isto, este lhe respondeu: “mas é preciso festejar e alegrar-se, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado” (Lc 15, 32).

O retorno do filho pródigo – afresco da Igreja de Trinitá dei Monti, em Roma

A atitude do pai misericordioso é bem a imagem da bondade, paciência e misericórdia do Pai Eterno. Nós, muitas vezes, mais do que ser desatentos com os homens, o somos com o próprio Deus. Diz Santo Afonso: “Se tivésseis insultado um homem como insultastes a Deus, ainda que fosse vosso melhor amigo ou ainda vosso próprio pai, não teria ele outra resposta senão vingar-se…”. E continua o Santo: “[…] ao invés de castigar-vos, devolveu-vos bem por mal, conservou-vos a vida, rodeou-vos de todos os seus cuidados providenciais, fingiu não ver os pecados, na expectativa de que vos emendásseis e cessásseis de injuriá-lo”. (2)

E conclui nosso Fundador, Mons. João Clá: “Com igual indulgência Deus reage conosco quando O ofendemos e, em sua bondade, nunca nos desampara, mesmo quando nos afastamos d´Ele com o pecado. […] esta (parábola) ilustra outro aspecto da misericórdia d´Ele, o qual se cifra na paciência em esperar que ‘o pecador caia em si, e possa perdoá-lo e salvá-lo´”. (3)

Misericórdia e paciência de Deus para conosco! Quanto esta verdade deve nos animar e levar-nos a uma confiança total, pois antes mesmo de querermos voltar ao Pai, se porventura nos distanciamos, Ele já vem ao nosso encontro, desejoso de nos acolher, não como servos, mas como filhos.

Rezemos a Nossa Senhora da Confiança para que nunca tenhamos receio de nos refugiarmos na paciência e misericórdia de Deus, sempre abertas ao pecador, antes mesmo dele estar arrependido…

 Por Adilson Costa da Costa

_______________________

(1) Mons. João S. Clá Dias, EP. Entre o perdão e a perseverança, Deus prefere o quê? In: O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 348.

(2) Santo Afonso Maria de Ligório. Obras Ascéticas. Madri: BAC, 1954, t. II, p. 697

(3) Mons. João S. Clá Dias, EP. Entre o perdão e a perseverança, Deus prefere o quê? In:  O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 349-350.

By

O Samaritano por excelência: Jesus Cristo

Quando consideramos o próximo vem-nos a mente, já de início – e não sem razão, sobremaneira, por efeito do Batismo que recebemos – aquele que é carente de algum auxílio e em relação ao qual temos alguma proximidade, seja de ordem familiar ou física. E incluímos, nesta “categoria”, o pobre e o doente sem recursos financeiros. Estendendo nossa consideração, será também nosso próximo o necessitado para além do aspecto material, aquele que leva consigo algum sofrimento moral, muitas vezes mais doloroso do que o próprio sofrimento corporal.

E qual deve ser nossa atitude para aqueles que, precisando de auxílio material ou espiritual, passam por nossas vidas? A prática da caridade: “Pois toda a Lei encontra a sua plenitude num só mandamento: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’” (Gl 5, 14). Em outros termos, devemos fazer ao próximo tudo aquilo que esteja ao nosso alcance, da mesma forma que gostaríamos que fizessem conosco, postos nós em tal contingência.

Esta caridade manifesta-se na prática das obras de misericórdia, “ações caritativas pelas quais socorremos o próximo em suas necessidades corporais e espirituais”, conforme nos ensina o Catecismo da Igreja Católica (CIC 2447). E continua o Catecismo: “Instruir, aconselhar, consolar são obras de misericórdia espiritual, como também perdoar e suportar com paciência. As obras de misericórdia corporal consistem sobretudo em dar de comer a quem tem fome, dar de beber a quem tem sede, dar moradia aos desabrigados, vestir os maltrapilhos, visitar os doentes e prisioneiros, sepultar os mortos”. (1)

Sagrado Coração de Jesus – St Mary’s Church – Kitchener, Canadá

Neste sentido, contemplemos o Evangelho do XV Domingo do Tempo Comum, no qual Jesus ensina, através de parábola ao doutor da Lei, no que consiste o amor ao próximo e, portanto, o verdadeiro sentido da Lei.  Conforme comenta Mons. João Clá Dias, EP, “Quantas escolas e cursos de didática se multiplicam por todo o orbe! Entretanto, é impossível superar aquela empregada pelo Divino Mestre em sua vida pública. A criação da figura do Bom Samaritano é simplesmente genial”. (2)

Sim, bem ao contrário do sacerdote e do levita da parábola, face ao pobre homem assaltado por um grupo de bandidos que o maltratam, deixando-o quase morto e o despojam de seus bens. Tanto o sacerdote quanto o levita, passam pelo desventurado agredido e, sem compaixão, não o socorrem ou tomam qualquer providência com vistas a fazer algum bem aquele sofredor.

No entanto, qual a atitude do samaritano? Assim observa Mons. João Clá Dias: “Bem diferente foi a reação do samaritano. Sem levar em conta o ódio racial que violentamente os separava, apesar de se tratar de um inimigo seu, sua religiosa incompatibilidade se transformou, no mesmo instante, em comiseração. O Evangelho recolhe os maravilhosos detalhes da divina parábola elaborada por Jesus para o doutor da Lei: “o samaritano se manifesta um herói da caridade desde o descer de sua montaria, aplicando in loco  todos os cuidados cabíveis naqueles tempos, conduzindo a vítima a uma pousada, até o contraiu uma dívida com o estalajadeiro, a fim de que este dispensasse todos os cuidados ao pobre judeu”. (3)

Eis a caridade, a misericórdia e a bondade belamente retratada por Jesus em relação ao próximo.

Aqui temos a manifestação do amor ao próximo. Para o Samaritano, o próximo foi aquele homem agredido, abandonado e estirado no chão, quase a morrer. Mas, poderíamos perguntar: existirá somente o próximo necessitado? Existirá, por ventura, algum outro próximo? Um próximo esquecido? Para o Samaritano, claro está que o próximo foi o homem de quem ele teve compaixão. Mas, qual será o próximo, na parábola, do homem socorrido? A resposta não poderá ser outra, senão esta: o próximo do homem socorrido foi seu benfeitor, o Samaritano.

Aí esta, em contrapartida e harmonicamente entrelaçado, o sentido do próximo genuinamente manifesto. Se há um próximo necessitado, há também um próximo benfeitor. Para o próximo necessitado devemos ter compaixão, eis como a caridade se manifesta. E para o próximo benfeitor, como deve se manifestar a caridade?

Poderemos responder, imaginando, na parábola, qual a caridade que o homem socorrido deveria ter para com o Samaritano. A resposta salta aos olhos, numa palavra: gratidão! Não poderá ser outra a não ser esta a atitude de amor ao meu próximo benfeitor: gratidão, reconhecimento e admiração para aquele que faz o bem, que me faz o bem.

Mãe do Bom Conselho – Genazzano, Itália

Peçamos a Nossa Senhora da Gratidão não nos esquecermos daqueles nossos próximos que nos fazem o bem: o pai, a mãe, um professor, um amigo, um superior, quiçá um que, embora não o conheçamos particularmente, está perto de nós e que somos objeto de sua caridade… Que sejamos agradecidos, reconhecidos, por todo o bem que deles recebemos, sejam os benefícios materiais, é claro, mas, sobretudo, os espirituais como o bom exemplo, o bom conselho, o ânimo para vencermos nossas dificuldades e adversidades…

Sobretudo, nos lembremos daquele que é o nosso maior e incomparável próximo e benfeitor, o Samaritano por excelência: Jesus Cristo. E qual será nossa gratidão para com Ele: a prática heroica do Mandamento do Amor.

Por Adilson Costa da Costa

_________________________________

(1) Catecismo da Igreja Católica: n. 2447. 11ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001, p. 632.

(2) Mons. João S, Clá Dias, EP. Quem é o meu próximo? In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 219.

(3) Idem, p. 222-223.