By

A justiça de Deus e a justiça dos homens

As circunstâncias diversas da vida “produzem” certas necessidades e nos sentimos, de repente, limitados e insuficientes para atendê-las. E quando alguma necessidade especialmente nos aflige, seja de ordem material ou de ordem espiritual, procuramos alguém que nos socorra.

Certamente o leitor, numa dessas situações, encontrou algum amigo: um deu-lhe um bom conselho, outro lhe atendeu num negócio delicado, outro, quiçá, ajudou-lhe numa empreitada urgente e importante, que por si só, não teria condições de realizá-la. E pensou: como é bom ter alguém com quem se possa contar, nada melhor do que ter o apoio da pessoa certa e na hora certa, que procede com caridade!

Em sentido contrário, se em tais situações, não há quem nos estenda a mão, pois o egoísmo e o capricho de tantos não quer atrair para si incômodo ou “perda de tempo”, e por isto não se inclina a dar ouvidos às nossas necessidades, vem-nos a reflexão: eis a lei do egoísmo, tão presente em nossos dias!

Esta consideração ocorre-nos a propósito da leitura do Evangelho de São Lucas, neste 29º Domingo do Tempo Comum: Nosso Senhor conta a parábola de uma viúva, desamparada e aflita, necessitada de que o juiz iníquo lhe faça justiça e que, de tanto insistir, consegue mover a indiferença deste, para que seu pedido fosse atendido.

Eis aqui a mulher necessitada e aflita, que perseverantemente insiste e obtém a justiça almejada. Mas situação curiosa desta história, criada pelo Divino Pedagogo: quem a atende em sua necessidade? Não um amigo, mas um juiz “que não temia a Deus nem respeitava os homens” (Lc 18, 2). Este homem só lhe faz justiça, porque quer evitar o desagradável de ser importunado por aquela mulher.

E Nosso Senhor continua a parábola: “E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que a Ele clamam dia e noite, e tardará em socorrê-los? Digo-vos que depressa lhes fará justiça.” (Lc 18, 8a).

Com efeito, assim comenta Mons. João Clá Dias, EP, na obra “O inédito sobre os Evangelhos”:

“O contraste é um ótimo instrumento de didática. Jesus se serve das reações de um julgador iníquo face à obstinada insistência da fragilidade feminina, para compará-las às atitudes do supremo Juiz. Se um homem mau pratica uma boa ação para deixar de ser importunado, quanto mais não fará Deus, a Bondade em essência? Muito diferentemente da parábola, na aplicação trata-se do Verdadeiro Juiz, o qual é a própria Dadivosidade. Por outro lado, quem pede não é uma importuna viúva, mas sim os escolhidos de Deus. Estes não são indesejáveis. Ao contrário, a eles cabem os títulos de “privilegiados”, amigos e “fiéis”(1).

Ora, pela graça de Deus Nosso Senhor, estes escolhidos, privilegiados e amigos seus, somos nós. E ainda que sintamos algumas misérias, que diminuam em nós o amor a Ele, podemos nos incluir como seus eleitos.

É neste sentido que afirma o Fundador dos Arautos: “Com o avanço claro e firme da Teologia, pode-se afirmar serem eleitos todos os fiéis, conforme declara São Pedro: ‘Vós, porém, sois uma geração escolhida, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo adquirido por Deus (I Pd 2,9)’”. (2)

Quanto esta parábola de Nosso Senhor nos deve conduzir à confiança total em Deus, para além daquela que podemos ter nos amigos ou até esperar dos interesseiros egoístas! E não haverá circunstância na vida – por mais que se pareça com um túnel escuro e sem saída – em que a bondade e misericórdia de Deus não venha ao nosso encontro, sobretudo quando pedimos com fé e, a maneira daquela mulher, façamos, piedosa e insistentemente, uma pressão moral a Ele.

Peçamos a Nossa Senhora, maior exemplo desta Confiança em Deus, e que, por meio da piedade, espírito de oração e dedicação plena aos desígnios do Criador, obteve de Seu Divino Filho aqui na terra – e mais ainda agora no Céu – tudo quanto desejava, para glória dEle e para o bem de quem necessitava.

Por Adilson Costa da Costa

__________________________________

(1) Mons. João S. Clá Dias, EP. O Juiz e a viúva. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 419.
(2) idem.

Faça um Comentário!