By

São Pedro Julião Eymard e o extremo de amor à Eucaristia

Cada vez que deitamos a atenção na hagiografia (disciplina que estuda a vida dos Santos) deparamo-nos com Santos extraordinários. Aliás, poderíamos nos perguntar: qual é o Santo que não é extraordinário? Sim, todo o Santo o é!

Já pelo fato de ser apresentado pela Igreja como modelo para os fiéis, por ter praticado a virtude e os Mandamentos em grau heróico, isto é grandioso e arrebatador. Levar “o bom combate”, como diz o Apóstolo (2Tm 4, 7), em meio às dificuldades de toda a ordem, com força de alma, colocando a integralidade de sua confiança no auxílio da graça, por amor a Nosso Senhor Jesus Cristo, é o que leva a Igreja a canonizar um varão de Deus ou uma mulher “forte do Evangelho”.

Com efeito, se o traço “comum” de todos os Santos é esta excelência e heroísmo da virtude, verdade também é que eles se diferenciam entre si, de forma até por vezes eloqüente, dando-nos aspectos únicos ou traços especiais que brilham neles com uma forma incomparável, porém não nos demais.

São Pedro Julião Eymard

Tomemos, por exemplo, a história de um Santo cuja memória celebramos no dia 2 de agosto: São Pedro Julião Eymard (+371). Sacerdote francês Fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento, em 1856.

Entre os tão belos aspectos que podemos contemplar em São Pedro Julião Eymard, brilha este: as palavras de radicalidade nas quais o Santo expressa seu amor apaixonado à Eucaristia:

“Para a glória de Deus é preciso ter uma paixão que nos domine a vida e produza os frutos necessários e desejados por Nosso Senhor. O amor só triunfa quando é em nós uma paixão vital, e esta deve ser ardentíssima em relação à Eucaristia. Pois, o que é o amor, senão o exagero?

A Eucaristia é a mais nobre inspiração do nosso coração. Amemo-la, pois, apaixonadamente. Dizem: mas é exagero tudo isso. Mas o que é o amor senão o exagero? Exagerar é ultrapassar além. Pois bem, o amor deve exagerar. Quem se limita ao que é absolutamente de seu dever, não ama.

Nosso amor para ser uma paixão, deve sofrer a lei das paixões humanas. Falo das paixões honestas, naturalmente boas, pois as paixões são indiferentes em si mesmas. Nós as tornamos más, quando as dirigimos para o mal, mas só de nós depende utilizá-las para o bem.

Sem uma paixão nada se alcança. A vida carece de objetivo, arrasta-se numa vida inútil.

Pois bem, na ordem da salvação é preciso também ter uma paixão que nos domina a vida, e a faça produzir para a glória de Deus todos os frutos que o Senhor espera.” (1)

Sobre estas palavras, comenta Mons. João Clá Dias:

Nesta passagem, São Pedro Julião Eymard vai de encontro a uma concepção talvez generalizada no seu tempo, segundo a qual a verdade é uma posição responsável e adulta diante dos fatos, e exige a ausência de paixão. Ou seja, somente depois de se libertar de qualquer paixão é que o homem se torna capaz de ver, julgar e agir de modo acertado.

Ora, ele sustenta que há paixões más e boas. Estas últimas, impulsionadas pelo bem, devem conduzir a alma ao extremo do amor a Deus. Então diz: ‘O que é o amor senão exagerar?’. O santo não afirma que a paixão é necessariamente um exagero, e sim que o amor, continuamente, vai além do que o ambiente no tempo dele qualificava de exagero. Portanto, este exagero deve ser entendido como que entre aspas: ‘O que é amar, senão fazer o que vocês entendem como exagero?’

Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento – Minas Gerais, Brasil

Faço notar o categórico dessa afirmação. Para que nos salvemos, é uma condição que tenhamos esse amor apaixonado. E ele corrobora, ademais, a sua tese de que para a glória de Deus é preciso ter uma paixão que nos domine a vida e produza os frutos necessários e desejados por Nosso Senhor. Portanto, essa produtividade total resulta da colaboração da paixão com as outras faculdades da alma. Isto é eminentemente humano.” (2)

Peçamos à Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, juntamente com São Pedro Julião Eymard, que nos dê este amor apaixonado à Eucaristia; e que ela seja o eixo em torno do qual gravitam todos os nossos ideais, preferências e atividades.

 Por Adilson Costa da Costa

________________________________________

(1) Pe. Robert Rousseau, SSS. Uma breve biografia de São Pedro Julião Eymard. Disponível em: <http://ww.blessedsacrament.com>. Acesso em 02 Agosto 2013.

(2) Mons. João S. Clá Dias. Os Santos comentados: São Pedro Julião Eymard. Disponível em: <http://santossegundojoaocladias.blogspot.com.br/2011/11/sao-pedro-juliao-eymard.html>. Acesso em 02 Agosto 2013.

By

Rio Tietê foi palco de procissão fluvial

A calha do Rio Tietê na Capital paulista foi palco de uma procissão fluvial na manhã do dia 12 de outubro em homenagem à Nossa Senhora Aparecida – Padroeira do Brasil. A procissão faz parte do projeto “Tietê Esperança Aparecida”, que tem, além do aspecto religioso, o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do trabalho de despoluição e revitalização do rio Tietê.
O projeto “Tietê Esperança Aparecida” foi criado em 2004 pelo Padre Palmiro Carlos Paes, da Paróquia São Luiz Gonzaga, de Pirituba, e é realizado entre os dias 22 de setembro – “Dia do Tietê” – e 12 de outubro – “Dia de Nossa Senhora Aparecida. O programa conta com apoio da Arquidiocese de São Paulo e apoio logístico do DAEE, autarquia vinculada à Secretaria de Saneamento e Obras, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, CET e outros órgãos.

PROCISSÃO FLUVIAL

O programa começou às 6:30 horas no Porto Verão, junto à Barragem da Penha, com alvorada e benção do Rio Tietê, com a da banda dos “Arautos do Evangelho”. Na sequência, o Padre Palmiro desceu o Rio Tietê em barco com motor de popa até a Ponte das Bandeiras, onde se encontrou com o barco Almirante do Lago. A procissão continuou até a ponte do Piqueri, onde foi recebida por milhares de fiéis e Dom Milton Kenan Júnior, bispo da Região Episcopal da Brasilândia.

A imagem seguiu em carreata até a Paróquia de São Luís Gonzaga onde foi rezada missa em homenagem à data. A solenidade contou com a participação da Secretária Estadual de Saneamento e Energia, Dilma Pena.

(Com informação da DAEE – http://www.daee.sp.gov.br)