By

Uma pequena história sobre a grandiosidade da Festa de Corpus Christi

Não raras vezes, por mais cientes e conscientes que estejamos sobre a importância e beleza incomensurável das festas litúrgicas, passa-nos desapercebido o significado e esplendor destas celebrações. Assim, trazemos ao conhecimento de nossos leitores uma história narrada pela Ir. Ariane Heringer Tavares, EP, sobre a Festa de Corpus Christi; as histórias são capazes não apenas de ilustrar um fato ou contextualizar algo, mas remontam à nossa infância e permitem que voltemos nosso olhar para as maravilhas da Providência com a sensibilidade e pureza das crianças. Acompanhemos a história.

Aquela manhã de junho não poderia ter despontado no horizonte mais radiante. O Sol resplandecia de forma toda especial, os pássaros chilreavam com regozijo, o rumor das fontes parecia cantar a glória de seu Criador… Toda a natureza dava mostras de júbilo no dia em que se celebrava a Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo.

E se até nos seres irracionais transparecia esta alegria, com maior razão ela se manifestava nos ardorosos fiéis daquela pequena aldeia. Instruídos com esmero pelo padre Pierre a respeito da devoção ao Santíssimo Sacramento, todos estavam muito empenhados em preparar a cerimônia da tarde: os coroinhas e sacristães se ocupavam da ornamentação do altar; as mulheres, dos arranjos de flores e da limpeza da igreja; os homens, de endireitar e limpar os caminhos pelos quais passaria a procissão. Quanto ao sacerdote, passou ele quase toda a manhã no confessionário, pois seu rebanho, mais do que oferecer pompas exteriores a Nosso Senhor Jesus Cristo, desejava ofertar-Lhe a alma limpa de qualquer falta, digna de recebê-Lo na Sagrada Comunhão.

Na hora marcada para a Missa, a pitoresca igrejinha estava tão adornada e brilhante que mais parecia uma pequena catedral! A cerimônia foi realizada com o maior esplendor e compenetração, despertando uma piedade ainda mais ardente nos corações dos fiéis. O pároco mal conseguia conter sua alegria e, à noite, antes de se recolher, rendeu ao Senhor uma fervorosa ação de graças pelos benefícios e dons derramados naquela celebração.

Entretanto, depois das inúmeras provas de devoção que havia presenciado, ele nem podia excogitar a terrível surpresa que lhe estava reservada para a manhã seguinte…

Como de costume, o padre Pierre acordou antes do amanhecer e logo foi se preparar para a Missa matutina. Ajoelhado num dos primeiros bancos da igreja, rezava: além das diversas intenções, pedia a Nossa Senhora um amor mais puro e intenso à Santíssima Eucaristia para si e para todo o povo. Porém, ao se aproximar do altar, notou que algo estava diferente… e custava a acreditar no que seus olhos viam!

O sacrário fora arrombado e levaram as duas âmbulas cheias de partículas consagradas que ele havia guardado na véspera. Ato contínuo mandou que fossem tocados os sinos a rebate para convocar a comunidade.

Todos atenderam prontamente ao chamado, manifestando um fervente desejo de desagravar tão infame pecado e encontrar o quanto antes as Hóstias subtraídas. Mas por onde poderiam começar a procurar se não havia nenhuma pista dos sacrílegos assaltantes? O zeloso sacerdote dividiu o povo em grupos, exortando-os a pedir com insistência o auxílio divino para localizar as Sagradas Espécies.

Alguns iniciaram a busca pelos arredores da igreja; outros, pelos montes que cercavam a aldeia. Vários, por fim, dirigiram-se aos campos cultivados, na confiança de descobrirem algum vestígio do sucedido. Contudo, apesar do esforço, nenhum dos grupos obteve o menor êxito em sua investigação. Ao cair da tarde, quando todos retornavam extenuados e abatidos, ouviram do lado de fora os gritos de uma criança ofegante:

– Padre, padre! Encontramos! Venha depressa!

O pároco levantou-se de um salto e seguiu o menino a passo rápido, até alcançarem uma plantação de trigo, distante dali uns 5 km. Chegando ao local – oh, maravilha! -, o padre Pierre achou, envolvidas por uma suave luz, as partículas intactas. Todavia, as âmbulas haviam desaparecido e, pior, infelizmente só estava a metade das Hóstias roubadas…

Tomaram com toda reverência as Sagradas Partículas e voltaram para a igreja, em improvisada procissão. Ali passaram a noite em vigília, revezando-se na adoração ao Santíssimo Sacramento. E a procura das demais Hóstias continuou por mais de uma semana, sem que esmorecesse o ânimo ou a fé dos aldeães, apesar da falta de sucesso.

Certo dia, Jacques, o padeiro, que a cada manhã levava suas broas, baguetes e doces para serem vendidos na cidade, reparou numa distinta dama sentada em uma pedra, sob um carvalho, à beira da estrada. Ao retornar, mais tarde, a nobre senhora continuava ali. Ele, então, resolveu aproximar-se. Apresentou-se com simplicidade e perguntou respeitosamente se lhe podia ser útil em algo.

Após agradecer a cortesia, a bela dama lhe respondeu com suavidade e doçura:

– Estou fazendo companhia a meu Filho.

Sem entender bem, Jacques fez uma respeitosa vênia e retirou-se

Sem entender bem, Jacques fez uma respeitosa vênia e retirou-se

Sem entender bem, mas intuindo algo, Jacques fez uma respeitosa vênia e retirou-se estupefato.

Ao chegar à aldeia, correu para avisar ao padre Pierre do acontecido. O sacerdote conhecia o padeiro desde criança e sabia não ser ele nada propenso a fantasias. Fitava-o, enquanto este lhe fazia o relato, e afirmava-se a cada instante no pároco a convicção de ser aquilo um sinal.

Mandou convocar todo o povo e dirigiu-se imediatamente para junto do carvalho.

A distinta senhora já não estava mais e havia desaparecido sem deixar rastro…

Não obstante, uma suave luz emanava de uma fenda no interior do carvalho. Contendo a emoção, o padre Pierre introduziu o braço pela abertura e sua mão logo apalpou um objeto de metal. Era uma das âmbulas desaparecidas! Desdobrando o corporal em cima de uma pedra – justamente aquela sobre a qual Jacques vira sentada a bela dama -, depositou nele a âmbula e ajoelhou-se antes de abri-la. No entanto, teve uma decepção: estava vazia!

Apenas alguns fragmentos, esparsos e minúsculos, indicavam haverem estado ali as Sagradas Espécies, e quiçá fossem aquelas já encontradas. Onde teriam posto a outra? Conteria ainda o Santíssimo Sacramento?

Tão absorto estava em seus pensamentos, que Jacques precisou tocar-lhe o braço para atrair sua atenção:

– Padre Pierre, padre Pierre! A fresta do carvalho continua iluminada. Deve haver algo mais…

O sacerdote voltou-se e, com agilidade, introduziu novamente o braço na fresta, tocando a segunda âmbula! E as Hóstias faltantes, de fato, continuavam em seu interior!

Após um breve ato de adoração, o pároco tomou as Sagradas Partículas, cobriu-as com um véu e conduziu-as até a igreja, onde já bimbalhavam os sinos.

Enquanto puxava jaculatórias, o pároco pensava no ocorrido

Enquanto puxava jaculatórias, o pároco pensava no ocorrido

Enquanto puxava jaculatórias ou acompanhava os cantos entoados pelo povo, pensava no acontecido… A perda e o encontro de Jesus Eucarístico tinha tornado a todos mais cientes do imenso valor do Santíssimo Sacramento!

Que esta singela história possa inspirar cada um de nós sobre o valor incomensurável da Sagrada Eucaristia e possamos, pela intercessão de Nossa Senhora, ao celebrarmos a Festa de Corpus Christi, compreender o pleno amor de Nosso Senhor por cada um e buscar retribuí-Lo por todos os dias de nossa existência terrena e na Eternidade.

______________________

Revista Arautos do Evangelho, Junho/2014, n. 150, p. 46-47.

By

Confiança e esforço: a via pela qual chegamos ao Céu

Imaculado Coração de Maria de Nossa Senhora de Fátima

Certas inquietações e questões não raramente se colocam às pessoas, quando se trata da existência para além desta vida terrena. É o que se dá com a pergunta feita por um homem a Jesus, quando passava pregando o Evangelho pelas aldeias e cidades, a caminho de Jerusalém. Conta-nos o evangelista Lucas que “alguém” perguntou: “Senhor, são poucos os que se salvam?” (Lc 13,23)

Para além dessa pergunta – se muitos ou poucos vão para o Céu após a morte -, existe outra consideração mais útil para nossa vida espiritual e nossa vida “aqui e agora”.

Com efeito, ainda que fossemos teólogos, dos mais capacitados e conhecedores das verdades da Fé e, em concreto, do que nos ensina o Catecismo da Igreja Católica a respeito da vida eterna, do Céu e da existência do Inferno (1), tal discussão sobre quantos se salvam não é vista com clareza nem mesmo pelos mais sábios estudiosos da Doutrina, como bem expressa o famoso teólogo dominicano Pe. Antonio Royo Marín:

“Eis aqui um dos problemas mais angustiantes e difíceis que podem oferecer ao teólogo. A pergunta é uma das que, com maior freqüência e apaixonado interesse, formula a maioria das pessoas.” (2)

Para quem deseja  saber a explicação mais lúcida a respeito, contemple os estudos de São Tomás de Aquino: “A respeito de qual seja o número dos homens predestinados, dizem uns que se salvarão tantos quantos forem os anjos que caíram; outros, que tantos quantos foram os anjos que perseveraram; outros, enfim, que se salvarão tantos homens quantos anjos caíram e, ademais, tantos quantos sejam os Anjos criados. Mas, melhor é dizer que só Deus conhece o número dos eleitos que hão de ser colocados na felicidade suprema”. (3)

Jesus Cristo diz: Esforçai-vos: guardai os Mandamentos

No que consiste este esforço? A leitura do trecho do Evangelho de São Mateus nos traz uma luz e uma resposta: “Se queres entrar para a Vida [Céu], guarda os Mandamentos” (Mt 19, 16-19). Eis aqui a primeira “medida” que devemos colocar nossa atenção e nosso esforço, indicada por Jesus ao “jovem rico do Evangelho”, como resposta ao que se deve fazer de bom para ter a vida eterna.

Mas, poderíamos questionar: é fácil ou difícil guardar os Mandamentos? Se fosse fácil guardar os Mandamentos, Jesus não empregaria o verbo “esforçar-se”. Sim, tal é nossa debilidade decorrente dos efeitos do pecado original em nós – que nos inclina para o pecado – e tais são as tentações e provocações do mundo, que se poderia dizer: realmente, não é fácil praticar os Mandamentos; mais, diríamos ainda: ao homem, pelas próprias forças, é impossível praticar integralmente e duradouramente os Mandamentos. Vê-se, portanto, o quanto é apropriada e forte a expressão: esforçai-Vos… e o convite a não se viver o “laissez faire” (deixar correr a vida) na nossa existência terrena, na perspectiva espiritual.

No entanto, sabemos que Nosso Senhor, a divina Misericórdia e a divina Justiça, que em tudo se fez igual ao homem, exceto no pecado, não nos pedirá algo que não nos seja possível realizar: “Porque meu jugo é suave e o meu fardo é leve (Mt 11,30), “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” (Mt 11, 28)

Confiança, eu venci o mundo

Sim, aqui está o remédio: a confiança no Sagrado Coração de Jesus. Ele nos redimi e nos sustenta, nos santifica, nos dá a graça e os Sacramentos e ainda Ele próprio se dá a nós no Santíssimo Sacramento da Eucaristia. É com Ele que nós venceremos o mundo, o demônio e a carne.

Confiança em Maria, a Porta do Céu

E como se não bastasse tudo isto, para “nos convencer” – por força de expressão – Ele nos dá sua própria Mãe, Nossa Senhora. Sobre esta intercessão, consideremos as comoventes e animadoras palavras de Mons. João Clá Dias, em sua recente obra, intitulada “O Inédito sobre os Evangelhos”, ao comentar o Evangelho deste XXI Domingo do Tempo Comum:

“[…] É necessário servir a Deus com ardor e entusiasmo, entrando “pela porta estreita” que bem poderá ser Nossa Senhora. Não é sem razão que a Ela foi dada o título de Porta do Céu. Estreita porque exige de nós uma confiança robusta em sua proteção maternal. Invoquemo-la em todas as tentações e dificuldades, a fim de comprovarmos a irrefutável realidade de quanto “jamais se ouviu dizer que algum daqueles que têm recorrido à sua proteção maternal, implorado sua assistência, reclamado o seu socorro fosse por Ela desamparado”. E, ao chegarmos ao Céu, rendamos eternas graças aos méritos infinitos de Jesus e às poderosas súplicas de Maria.” (4)

Eis afinal o mais importante: para além da preocupação ou até mera especulação de se saber se muitos ou poucos se salvam, sigamos a recomendação do divino Mestre e Senhor. Esforcemo-nos para, aqui e agora enquanto estamos vivos, com fidelidade, fortaleza e confiança praticarmos os Mandamentos, pela intercessão de Maria Santíssima e, aí sim, pela misericórdia de Jesus e Maria, passarmos pela porta estreita rumo à eterna felicidade.

Por Adilson Costa da Costa

_____________________________

(1) Catecismo da Igreja Católica. Creio na vida eterna: n. 1035-1036. 11ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001, p, 180.

(2) Pe. Antonio Royo Marin. Teologia de la Salvación. Madri: BAC, 1997, p. 117.

(3) Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica: questão XXIII, art. VII, v.  I. 2ª ed. Porto Alegre: Vozes, 1980, p. 240-243.

(4) Mons. João S. Clá Dias, EP. Quem é o meu próximo? In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. VI, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2012, p. 310-312.

By

São Pedro Julião Eymard e o extremo de amor à Eucaristia

Cada vez que deitamos a atenção na hagiografia (disciplina que estuda a vida dos Santos) deparamo-nos com Santos extraordinários. Aliás, poderíamos nos perguntar: qual é o Santo que não é extraordinário? Sim, todo o Santo o é!

Já pelo fato de ser apresentado pela Igreja como modelo para os fiéis, por ter praticado a virtude e os Mandamentos em grau heróico, isto é grandioso e arrebatador. Levar “o bom combate”, como diz o Apóstolo (2Tm 4, 7), em meio às dificuldades de toda a ordem, com força de alma, colocando a integralidade de sua confiança no auxílio da graça, por amor a Nosso Senhor Jesus Cristo, é o que leva a Igreja a canonizar um varão de Deus ou uma mulher “forte do Evangelho”.

Com efeito, se o traço “comum” de todos os Santos é esta excelência e heroísmo da virtude, verdade também é que eles se diferenciam entre si, de forma até por vezes eloqüente, dando-nos aspectos únicos ou traços especiais que brilham neles com uma forma incomparável, porém não nos demais.

São Pedro Julião Eymard

Tomemos, por exemplo, a história de um Santo cuja memória celebramos no dia 2 de agosto: São Pedro Julião Eymard (+371). Sacerdote francês Fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento, em 1856.

Entre os tão belos aspectos que podemos contemplar em São Pedro Julião Eymard, brilha este: as palavras de radicalidade nas quais o Santo expressa seu amor apaixonado à Eucaristia:

“Para a glória de Deus é preciso ter uma paixão que nos domine a vida e produza os frutos necessários e desejados por Nosso Senhor. O amor só triunfa quando é em nós uma paixão vital, e esta deve ser ardentíssima em relação à Eucaristia. Pois, o que é o amor, senão o exagero?

A Eucaristia é a mais nobre inspiração do nosso coração. Amemo-la, pois, apaixonadamente. Dizem: mas é exagero tudo isso. Mas o que é o amor senão o exagero? Exagerar é ultrapassar além. Pois bem, o amor deve exagerar. Quem se limita ao que é absolutamente de seu dever, não ama.

Nosso amor para ser uma paixão, deve sofrer a lei das paixões humanas. Falo das paixões honestas, naturalmente boas, pois as paixões são indiferentes em si mesmas. Nós as tornamos más, quando as dirigimos para o mal, mas só de nós depende utilizá-las para o bem.

Sem uma paixão nada se alcança. A vida carece de objetivo, arrasta-se numa vida inútil.

Pois bem, na ordem da salvação é preciso também ter uma paixão que nos domina a vida, e a faça produzir para a glória de Deus todos os frutos que o Senhor espera.” (1)

Sobre estas palavras, comenta Mons. João Clá Dias:

Nesta passagem, São Pedro Julião Eymard vai de encontro a uma concepção talvez generalizada no seu tempo, segundo a qual a verdade é uma posição responsável e adulta diante dos fatos, e exige a ausência de paixão. Ou seja, somente depois de se libertar de qualquer paixão é que o homem se torna capaz de ver, julgar e agir de modo acertado.

Ora, ele sustenta que há paixões más e boas. Estas últimas, impulsionadas pelo bem, devem conduzir a alma ao extremo do amor a Deus. Então diz: ‘O que é o amor senão exagerar?’. O santo não afirma que a paixão é necessariamente um exagero, e sim que o amor, continuamente, vai além do que o ambiente no tempo dele qualificava de exagero. Portanto, este exagero deve ser entendido como que entre aspas: ‘O que é amar, senão fazer o que vocês entendem como exagero?’

Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento – Minas Gerais, Brasil

Faço notar o categórico dessa afirmação. Para que nos salvemos, é uma condição que tenhamos esse amor apaixonado. E ele corrobora, ademais, a sua tese de que para a glória de Deus é preciso ter uma paixão que nos domine a vida e produza os frutos necessários e desejados por Nosso Senhor. Portanto, essa produtividade total resulta da colaboração da paixão com as outras faculdades da alma. Isto é eminentemente humano.” (2)

Peçamos à Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, juntamente com São Pedro Julião Eymard, que nos dê este amor apaixonado à Eucaristia; e que ela seja o eixo em torno do qual gravitam todos os nossos ideais, preferências e atividades.

 Por Adilson Costa da Costa

________________________________________

(1) Pe. Robert Rousseau, SSS. Uma breve biografia de São Pedro Julião Eymard. Disponível em: <http://ww.blessedsacrament.com>. Acesso em 02 Agosto 2013.

(2) Mons. João S. Clá Dias. Os Santos comentados: São Pedro Julião Eymard. Disponível em: <http://santossegundojoaocladias.blogspot.com.br/2011/11/sao-pedro-juliao-eymard.html>. Acesso em 02 Agosto 2013.

By

Procissão e Santa Missa em Arapongas

Os Arautos tiveram a alegria de participar, a convite do Revmo. Pe. José Roberto de Rezende, da Comemoração da Festa de Santa Rita de Cássia, na Paróquia de mesmo nome, em Arapongas.

Assim, no dia 22 de maio, última quarta-feira, deu-se início a solene Cerimônia em homenagem à Santa Rita de Cássia, com uma Procissão ao longo das ruas circunvizinhas à Paróquia, acompanhada da imagem da padroeira. O povo acompanhava a banda sinfônica dos Arautos cantando hinos em louvor ao Santíssimo Sacramento, a Nossa Senhora e à defensora dos fiéis paroquianos.

No fim da procissão, deu-se início à renovação do Santo Sacrifício do Calvário. A igreja, devidamente ornada para o culto divino, estava repleta com cerca de 800 fiéis, os quais encontravam-se na expectativa da grande cerimônia.

Foi uma Celebração cumulada de bênçãos e graças pela Santíssima Virgem, a qual foi esplendidamente coroada como Rainha da Paróquia Santa Rita de Cássia. O Celebrante, representando todos os fiéis coroou a fronte da imagem peregrina do Imaculado Coração de Maria. Todos estavam muito emocionados, aplaudindo com calor e entusiasmo a Rainha dos Corações.

Após a coroação, os Arautos ofereceram uma homenagem aos fiéis de Arapongas: foi apresentada uma música tipicamente brasileira, com a letra adaptada para a ocasião. Já nos primeiros acordes, puderam eles reconhecer a música típica do sertão brasileiro: Luar do Sertão. A letra também nos ensina um pouco da vida de Santa Rita. Segue abaixo a letra adaptada desta música tão singela, apresentada na ocasião:

Luar de Santa Rita de Cássia – Arapongas

Ai que saudades do luar da minha terra,

Lá na serra branquejando folhas secas pelo chão.

Este luar cá da cidade tão escuro,

Não tem aquelas saudades do luar lá do sertão.

Não há ó gente ó não, luar como este do sertão.

Este luar me faz lembrar coisa tão bela,

Alma santa como a dela é bem difícil encontrar.

Ó Santa Rita as nossas almas purifica,

Prá sua história tão bonita hoje esta Igreja relembrar.

Não há ó gente ó não, luar como este do sertão.

A verdadeira função do casamento

E a vocação para o convento, as duas pôde realizar.

Santificou e salvou o seu marido

Depois uniu-se a Jesus Cristo e fez da Igreja o seu lar.

Não há ó gente ó não, luar como este do sertão.

Desde o momento em que esta mãe maravilhosa

Se tornou religiosa, novos filhos adotou.

Cada cristão que existe aqui e no mundo inteiro

Foi premiado, por primeiro, filho de Rita se tornou.

Não há ó gente ó não, luar como este do sertão.

Hoje pedimos a intercessão de Santa Rita

Nesta data tão bonita, abençoai a todos nós.

Abençoai também ao bom Padre Rezende,

Pois junto dele a gente sente a voz de Cristo em sua voz.

Não há ó gente ó não, luar como este do sertão.

 Este texto é insuficiente para descrever o entusiasmo e encanto dos presentes durante a apresentação dessa música, saudada, ao final, com calorosa salva de palmas.

No fim da Santa Missa, os fiéis puderam se aproximar da imagem de Nossa Senhora de Fátima, para apresentarem seus pedidos à Rainha do Céu e da Terra. Em seguida, todos se dirigiram para as comemorações da festa da Padroeira: ambiente de alegria, como convém aos filhos da Santa Igreja Católica.

Agradecemos ao querido Padre Rezende e a comunidade de Santa Rita pela fraternal acolhida e esperamos ter a oportunidade de rever os amigos de Arapongas em breve!

 

By

Frase da Semana – Corpus Christi

“Ao levar a Eucaristia pelas ruas e praças, queremos 
submergir o Pão descido do céu no cotidiano de 
nossa vida; queremos que, Jesus caminhe onde nós 
caminhamos, que viva onde vivemos.”

(Bento XVI)

 Instituição da Festa de Corpus Christi

Na bula Transiturus de hoc mundo, de 11 de Agosto do ano de 1264 (séc. XIII), o Papa Urbano IV determinou a solene celebração da festa de Corpus Christi em toda a Igreja.

Justificou o Papa a necessidade de uma solenidade especial para celebrar o Corpo de Cristo, pois, na Quinta Feira Santa (Instituição da Sagrada Eucaristia) “a Igreja ocupa-se com a reconciliação dos penitentes, a consagração do santo crisma, o lava-pés e muitas outras funções que lhe impedem de voltar-se plenamente à veneração desse mistério”.

A partir desse momento, a devoção eucarística desabrochou com maior vigor entre os fiéis: os hinos e antífonas compostos por São Tomás de Aquino para a ocasião – entre os quais o Lauda Sion, verdadeiro compêndio da teologia do Santíssimo Sacramento, chamado por alguns o credo da Eucaristia – passaram a ocupar lugar de destaque dentro do tesouro litúrgico da Igreja.

No transcurso dos séculos, sob o sopro do Espírito Santo, a piedade popular e a sabedoria do Magistério infalível aliaram-se na constituição dos costumes, usos, privilégios e honras que hoje acompanham o Serviço do Altar, formando uma rica tradição eucarística.

Ainda no século XIII, surgiram as grandes procissões conduzindo o Santíssimo Sacramento pelas ruas, primeiro dentro de uma âmbula coberta, e mais tarde exposto no ostensório. Também neste ponto o fervor e o senso artístico das várias nações esmeraram-se na elaboração de custódias que rivalizavam em beleza e esplendor, na confecção de ornamentos apropriados e na colocação de imensos tapetes florais ao longo do caminho a ser percorrido pelo cortejo.” (1)

A partir deste pequeno relato histórico, queremos incentivar a todos os católicos a tomarem parte desta grande Festa, participando das procissões que serão realizadas nas várias Paróquias, com fervor e verdadeiro entusiasmo pelo Santíssimo Sacramento do Altar.

(1) FONTE DESTE TEXTO, DISPONÍVEL EM: http://www.arautos.org/especial/15688/Corpus-Christi