By

Qual o intuito do Sr. Andrea Tornielli ao atacar os Arautos do Evangelho? Criar um cisma na Igreja?

By

Os Dez Mandamentos estão ultrapassados?

Em nossos dias, bastará abrirmos as páginas de jornal ou acessarmos as notícias on-line, para encontrarmos narrados incontáveis fatos, muitos deles assustadores, nos quais o amor ao próximo vai sendo vertiginosamente banido da face da terra. Consequência, sem dúvida, do rechaço, ou pelo menos, do esquecimento do amor de Deus.

Ora, sabemos que os dez Mandamentos entregues por Deus a Moisés no Monte Sinai, trazem os preceitos concretos que devem nortear o relacionamento dos homens com Deus e deles entre si.

No entanto, estamos frente a uma crise monumental, de abandono da Lei de Deus. Conforme diz o Papa Bento XVI, “vivemos num contexto cultural marcado pela mentalidade hedonista e relativista, que propende para eliminar Deus do horizonte da vida, não favorece a aquisição de um quadro claro de valores de referência e não ajuda a discernir o bem do mal e a maturar um justo sentido do pecado”. ¹

Diante desta situação, podemos nos perguntar: os Dez Mandamentos – decorridos tantos séculos – não estão ultrapassados?

Ou ainda, não será normal que a Lei de Deus e as leis morais dela decorrentes evoluam e se adaptem aos costumes?

Esta questão nos é suscitada e esclarecida pela consideração da Liturgia do 6° Domingo do Tempo Comum.

Com efeito, nos ensina o Catecismo da Igreja: “Visto que exprimem os deveres fundamentais do homem para com Deus e para com o próximo, os Dez Mandamentos revelam, em seu conteúdo primordial, obrigações graves. São essencialmente imutáveis, e sua obrigação vale sempre e em toda a parte. Ninguém pode dispensar-se deles”. ² [grifo nosso]

Bon Dieu – Catedral de Amiens

Como se tal ensinamento não bastasse, vejam-se as divinas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, narradas por São Mateus (Mt 5, 17-19):

“Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Não penseis que vim abolir a Lei e os profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. Em verdade Eu vos digo: antes que o Céu e a Terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da Lei, sem que tudo se cumpra”.

“Portanto, quem desobedecer a um só destes Mandamentos, por menor que seja, e ensinar aos outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus”.

Neste sentido comenta Mons. João Clá Dias, EP: “Nosso Senhor não é só o Autor da Lei, mas também a Lei viva. Assim como dizemos que o ‘Verbo Se fez carne’ (Jo 1, 14), podemos afirmar que ‘a Lei de Deus Se fez carne e habitou entre nós’. No Divino Mestre se encontram os Dez Mandamentos no estado de divindade, pois, o que fez Ele na sua vida terrena senão praticar a todo o momento o Primeiro Mandamento: ‘Amarás o Senhor teu Deus sobre todas as coisas’?” ³

Roguemos à Maria Santíssima nos conceda um amor íntegro e a prática entusiasmada dos Dez Mandamentos, em todos os dias de nossa vida. E assim evitemos toda e qualquer relativização no cumprimento da Lei de Deus.

Por Adilson Costa da Costa

________________________

¹ BENTO XVI. Discurso aos participantes no curso anual sobre foro intimo, promovido pela Penitenciária Apostólica. Cidade do Vaticano, 11.03.2010.

² Catecismo da Igreja Católica. Tópico n. 2072: A obrigatoriedade do Decálogo. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2001, p. 546

³ Mons. João S. Clá Dias, EP. Cristo é a plenitude da Lei. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. II, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 73.

By

“As ondas da incredulidade, da soberba, da auto suficiência humana ameaçam atravessia do mar da vida”, afirma o arcebispo de Maringá

Maringá – Paraná (Terça-Feira, 26/11/2013, Gaudium Press) Com o fim do Ano da Fé e a solenidade de Cristo Rei, ocorridos no último domingo, Dom Anuar Battisti, Arcebispo de Maringá, no Estado do Paraná, escreveu um artigo intitulado “Será que vai encontrar Fé sobre a terra?”. No texto, ele afirma que o Papa Bento XVI, ao criar o Ano da Fé, quis proporcionar uma oportunidade para que todos os fiéis compreendessem o fundamento principal da Fé Cristã: o encontro pessoal com Jesus.

Assim dizia Bento XVI: “O fundamento da Fé Cristã é o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”. Para Dom Anuar, fundamentada no encontro com Jesus Cristo ressuscitado, a Fé poderá ser redescoberta na sua integridade e em todo o seu esplendor. O Papa ainda ressaltou: “Também nos nossos dias a Fé é um dom que se deve redescobrir, cultivar e testemunhar para que o Senhor conceda a cada um de nós viver a beleza e a alegria de sermos cristãos”.

Segundo Arcebispo, diante deste grande desafio do homem e da mulher de hoje, cuja Fé é abafada por tantas ideologias, pelo mundo do ter e do prazer, pelo materialismo selvagem que leva ao consumismo sem limites, pelo homem e a mulher se colocarem no lugar de Deus determinando o que pode e o que não pode, fez com que perdêssemos a beleza e a alegria de sermos cristãos.

“Perder a alegria e a beleza significa perder o sentido de viver, de lutar, de criar amizade verdadeira, de trabalhar não só para ganhar essa vida, mas a outra, que é a verdadeira vida. Esse ano foi e continuará sendo uma oportunidade de refazer em nós o dom de acreditar”, destaca o prelado.

Dom Anuar salienta que a pergunta de Jesus é preocupante: “O Filho do homem, quando voltar encontrará fé sobre a terra?” (Lc 18,8). Ele acredita que a prepotência do ser humano, o domínio da técnica sobre a liberdade, fazendo-nos escravos do tempo e do momento, manipulados de todos os lados pelos meios modernos de comunicação, tudo isso faz com que esqueçamos os valores mais simples e fundamentais da vida humana.

Ainda de acordo com o prelado, vale recordar o que a Sagrada Escritura diz: “Deus resiste aos soberbos, mas concede a graça aos humildes”. Obedecei pois a Deus, e ele se aproximará de vós. Purificai as mãos, ó pecadores, e santificai os corações, homens dúbios. Ficai tristes, vesti o luto e chorai. Transforme-se em luto o vosso riso, e a vossa alegria em desalento. Humilhai-vos diante do Senhor, e ele vos exaltará (Tg 4,10).

Outra questão abordada pelo Arcebispo diz respeito ao fato de que não foi por acaso que o próprio Jesus repreendeu os discípulos dizendo: “Porque vocês tem medo, homens de pouca fé?” (Mt 8,26). Ele explica que na travessia do mar, cujas ondas ameaçavam um naufrágio, tomados pelo medo, esqueceram que o Senhor estava ali, julgando que estivesse dormindo. “Só podiam sentir medo. Estamos no meio do mar. As ondas da incredulidade, da soberba, da auto suficiência humana, do sentir-se deuses, ameaçam atravessia do mar da vida”, enfatiza.

Por fim, Dom Anuar nos convida a levantarmos a cabeça, olharmos para o grande horizonte da vida humana e divina que vivemos. Conforme ele, não estamos perdidos, pelo contrário, celebramos no domingo a festa de Cristo Rei, um Rei sem reino e sem trono, sem coroa e exército, mas de poder e majestade que nos oferece a verdadeira vida.

“No encontro pessoal com Jesus, refazemos a nossa Fé a cada dia. Dobrando os joelhos e inclinando a cabeça diante do Rei encontraremos a razão de crer e continuar o caminho de salvação com pés no chão e os olhos no céu. Só assim, ao voltar, o Filho do Homem encontrá um povo que vive e caminha na Fé e da Fé”, conclui. (FB)

By

São Pio de Pietrelcina – Frase da Semana

 

“O Padre Pio é um dos homens extraordinários que Deus envia à terra de vez em quando, para a conversão dos homens”

Papa Bento XVI (1)

A Santa Igreja dedica o dia 23 de Setembro para a Festa litúrgica de São Pio de Pietrelcina (1887-1968), popularmente conhecido como Padre Pio. A Frase da Semana homenageia este grande santo da Ordem dos Capuchinhos, canonizado pelo Papa Beato João Paulo II, em 16 de Junho de 2002.

São Padre Pio

São Pio de Pietrelcina

De fato, a vida de São Padre Pio foi extraordinária, em todo o sentido da palavra. Chamado pela Providência a grandes sacrifícios, soube ele plenamente à sua vocação. Praticou, em grau heroico, as maiores virtudes a que um religioso e sacerdote pode corresponder: oração incessante, espírito de sacrifício e total correspondência ao bem das almas, atuando, sobretudo como confessor. Padeceu grandes sofrimentos físicos, recebeu os estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo e foi duramente perseguido. A tudo suportou com verdadeira sabedoria e humildade. Sempre soube pedir a intercessão de Nossa Senhora, que nunca o desamparou.

Que o exemplo do grande São Padre Pio de Pietrelcina suscite outros “homens extraordinários” para a Igreja de nosso tempo. A ele peçamos insistentemente esta grande graça.

Saiba mais sobre a vida extraordinária de Padre Pio, através da seção especial do site dos Arautos do Evangelho.

São Padre Pio, rogai por nós!


(1) Revista Arautos do Evangelho, n. 33, p. 20-23, Set./2004.

 

By

Peregrinando pela casa de um Santo

Foto do Papa São Pio X afixada na sala principal da casa

Os santos nos são dados pela Igreja como modelos, tanto para nos estimular na prática da virtude, como para nos guiar na busca da Perfeição: “Sede perfeitos, como vosso Pai celestial é perfeito” (Mt 5,48), diz o conselho de Nosso Senhor Jesus Cristo no Evangelho. Os santos levaram esse conselho às últimas consequências, praticando as virtudes em grau heroico.

Uma das formas de estimular nossa devoção aos santos é visitar, em espírito de peregrinação, os lugares em que viveram esses gigantes da Fé e que serviram de palco para a prática do amor e da caridade cristã. Assim, é com alegria que muitos fiéis, durante todo o ano, procuram ir em peregrinação aos lugares santificados pela presença física dos santos: Assis, na Itália, onde viveu o grande S. Francisco de Assis; Pádua, de Santo Antonio (também de Lisboa, onde nasceu). A própria Jerusalém, testemunha do derramamento do Sangue Precioso do Cordeiro, que verteu até a última gota para nossa Salvação recebe pessoas originárias das mais diversas partes do mundo. E assim por diante, são basílicas, igrejas, casas, conventos, etc. que recebem milhões de peregrinos todos os anos – e o povo cristão é incansável em buscar essas Graças, em todos os lugares, em todos os meses do ano.

Existe, porém, um lugar não muito conhecido, mas muito especial. A pequenina cidade de Riese, localizada na Província de Treviso, região do Vêneto, Itália, a poucos quilômetros de Pádua ou de Veneza, abriga na Via Callalta a modesta casa em que nasceu a 02 de Junho de 1835 Giuseppe Melchiorre Sarto, futuro Papa São Pio X, cuja festa é comemorada neste dia 21 de Agosto.

Riese, hoje merecidamente rebatizada de Riese Pio X tem menos de 10 mil habitantes e, incrustada no norte da Itália, não era em nada diferente das centenas de outras pequenas vilas que abrigavam a gente pobre e modesta no século XIX, quando veio ao mundo aquele que seria uma das glórias da Igreja, honra do Papado e alegria para todos os cristãos.

São Pio X, o Papa da Eucaristia, foi o primeiro papa a ser eleito no século XX, no ano de 1903. Seu pontificado estendeu-se até 1914, portanto no próximo ano serão realizadas as festividades de 100 anos de sua morte. Governou a Igreja por pouco mais de uma década, mas fez grandes coisas por Ela.

Bento XVI dedicou-lhe em 2010 uma audiência geral, destacando que São Pio X “foi exemplar em muitas circunstâncias da sua ação pastoral” (1). Do cuidado com os sacerdotes e com o povo de Deus, a tudo atentava seu zelo pastoral e esta atenção aos mais simples levou-o a escrever seu famoso Catecismo:

Como autêntico pastor compreendera que a situação da época, inclusive por causa do fenômeno da emigração, tornava necessário um catecismo ao qual todo fiel pudesse ter como referência independentemente do lugar e das circunstâncias de vida (…) Este Catecismo chamado “de Pio X” foi para muitos um guia seguro por ter acesso às verdades da fé mediante a linguagem simples, clara e precisa e pela eficácia expositiva., relata o papa na Audiência Geral. (2)

O lema de seu brasão pontifício revela seus objetivos pastorais: “Renovar todas as coisas em Cristo”. Para isso, atuou São Pio X na liturgia, na música sacra e na comunicação católica, empenhando em levar ao povo profunda vida de oração e uma participação mais efetiva e constante nos Sacramentos. Com objetivo de preservar a sua inocência, permitiu que as crianças, já aos sete anos pudessem fazer a Primeira Comunhão. (3)

Um homem simples, nascido de família modesta e que, conduzido pelo Espírito Santo ao mais alto posto da Terra, jamais perdeu contato com as suas origens e fez-se tudo para todos.

Hoje, a casa onde nasceu este grande Santo abriga um museu em sua honra. Ali um simpático anfitrião faz questão de mostrar os pormenores de como transcorria a vida da família de São Pio X. Os utensílios utilizados na cozinha; as ferramentas, a simplicidade da vida de camponeses. Muito arranjada com lençóis da época é a cama onde nasceu o Santo; recebe destaque também a cama onde dormia quando, ainda Cardeal de Veneza, Dom José Melquior Sarto vinha visitar sua mãe. E, principalmente, os ex-votos afixados na parede, representando e testemunhando o contentamento de centenas de fiéis que ali foram agradecer às inúmeras graças recebidas através do Santo.

Que São Pio X, do Céu, continue a obter para a Igreja de Cristo as graças de que ela tanto necessita para enfrentar e vencer as batalhas de hoje – que, absolutamente, não são menores do que foram à sua época.

Por João Celso


(1) Rádio Vaticana. 21/08/2012. Disponível em: <http://www.news.va/pt/news/igreja-celebra-sao-pio-x-o-papa-da-eucaristia-com>

(2) Idem, ibidem.

(3) Idem, ibidem.