By

“Oh, como é bom, como é agradável para irmãos unidos viverem juntos” (Sl 132, 1)

São João Bosco com os adolescentes

Esta frase do Salmista bem expressa a imagem aqui reproduzida.

Sim, contemplai as fisionomias destes jovens que estão apinhados em torno de São João Bosco. Vede o júbilo, o afeto, o respeito mútuo existente entre o Santo da alegria – outro não era senão seu ensinamento: “santidade é alegria” – e estes jovens. Realmente, como é bom e alegre que os irmãos unidos vivam juntos!

Mas esta realidade – poderia indagar o leitor – somente é possível entre os que moram juntos, numa congregação religiosa?

Para compreendermos bem o quanto isto é possível e realizável na sociedade, seja no relacionamento familiar, social e até profissional, bastará lançar os olhos naquele que é a fonte do verdadeiro amor, da benquerença e do bom trato: Nosso Senhor Jesus Cristo.

É pela presença do Divino Salvador entre os homens que se estabelece a verdadeira amizade. Quando esta presença divina não se faz, entra o orgulho, o desprezo, a inveja, em uma palavra, o egoísmo.

Conta-nos o historiador que os pagãos, nos primórdios do Cristianismo, comentavam admirados a propósito dos primeiros cristãos: “Como eles se amam!”. Sim, estes “imitadores da verdadeira caridade” – na expressão de São Policarpo ¹ – fundavam seu amor ao próximo no amor a Cristo Jesus.

Que os nossos contemporâneos também possam dizer o mesmo de nós, católicos. E dia chegará que a vida, tão marcada de egoísmos e tristezas, será substituída pelas alegrias da verdadeira união fraterna que pressagiam as do Céu, conforme a própria Mãe dos homens assim profetizou em Fátima.

________________________________

¹ São Policarpo. In Daniel Rops. A Igreja dos Apóstolos e dos Mártires. Tradução de Emérico da Gama. São Paulo: Quadrante, 1988, p. 190.

By

“As ondas da incredulidade, da soberba, da auto suficiência humana ameaçam atravessia do mar da vida”, afirma o arcebispo de Maringá

Maringá – Paraná (Terça-Feira, 26/11/2013, Gaudium Press) Com o fim do Ano da Fé e a solenidade de Cristo Rei, ocorridos no último domingo, Dom Anuar Battisti, Arcebispo de Maringá, no Estado do Paraná, escreveu um artigo intitulado “Será que vai encontrar Fé sobre a terra?”. No texto, ele afirma que o Papa Bento XVI, ao criar o Ano da Fé, quis proporcionar uma oportunidade para que todos os fiéis compreendessem o fundamento principal da Fé Cristã: o encontro pessoal com Jesus.

Assim dizia Bento XVI: “O fundamento da Fé Cristã é o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”. Para Dom Anuar, fundamentada no encontro com Jesus Cristo ressuscitado, a Fé poderá ser redescoberta na sua integridade e em todo o seu esplendor. O Papa ainda ressaltou: “Também nos nossos dias a Fé é um dom que se deve redescobrir, cultivar e testemunhar para que o Senhor conceda a cada um de nós viver a beleza e a alegria de sermos cristãos”.

Segundo Arcebispo, diante deste grande desafio do homem e da mulher de hoje, cuja Fé é abafada por tantas ideologias, pelo mundo do ter e do prazer, pelo materialismo selvagem que leva ao consumismo sem limites, pelo homem e a mulher se colocarem no lugar de Deus determinando o que pode e o que não pode, fez com que perdêssemos a beleza e a alegria de sermos cristãos.

“Perder a alegria e a beleza significa perder o sentido de viver, de lutar, de criar amizade verdadeira, de trabalhar não só para ganhar essa vida, mas a outra, que é a verdadeira vida. Esse ano foi e continuará sendo uma oportunidade de refazer em nós o dom de acreditar”, destaca o prelado.

Dom Anuar salienta que a pergunta de Jesus é preocupante: “O Filho do homem, quando voltar encontrará fé sobre a terra?” (Lc 18,8). Ele acredita que a prepotência do ser humano, o domínio da técnica sobre a liberdade, fazendo-nos escravos do tempo e do momento, manipulados de todos os lados pelos meios modernos de comunicação, tudo isso faz com que esqueçamos os valores mais simples e fundamentais da vida humana.

Ainda de acordo com o prelado, vale recordar o que a Sagrada Escritura diz: “Deus resiste aos soberbos, mas concede a graça aos humildes”. Obedecei pois a Deus, e ele se aproximará de vós. Purificai as mãos, ó pecadores, e santificai os corações, homens dúbios. Ficai tristes, vesti o luto e chorai. Transforme-se em luto o vosso riso, e a vossa alegria em desalento. Humilhai-vos diante do Senhor, e ele vos exaltará (Tg 4,10).

Outra questão abordada pelo Arcebispo diz respeito ao fato de que não foi por acaso que o próprio Jesus repreendeu os discípulos dizendo: “Porque vocês tem medo, homens de pouca fé?” (Mt 8,26). Ele explica que na travessia do mar, cujas ondas ameaçavam um naufrágio, tomados pelo medo, esqueceram que o Senhor estava ali, julgando que estivesse dormindo. “Só podiam sentir medo. Estamos no meio do mar. As ondas da incredulidade, da soberba, da auto suficiência humana, do sentir-se deuses, ameaçam atravessia do mar da vida”, enfatiza.

Por fim, Dom Anuar nos convida a levantarmos a cabeça, olharmos para o grande horizonte da vida humana e divina que vivemos. Conforme ele, não estamos perdidos, pelo contrário, celebramos no domingo a festa de Cristo Rei, um Rei sem reino e sem trono, sem coroa e exército, mas de poder e majestade que nos oferece a verdadeira vida.

“No encontro pessoal com Jesus, refazemos a nossa Fé a cada dia. Dobrando os joelhos e inclinando a cabeça diante do Rei encontraremos a razão de crer e continuar o caminho de salvação com pés no chão e os olhos no céu. Só assim, ao voltar, o Filho do Homem encontrá um povo que vive e caminha na Fé e da Fé”, conclui. (FB)

By

“Fui idoso e me visitastes”

No último dia 25 de Outubro, os Arautos do Evangelho realizaram uma apresentação musical no Asilo São Vicente de Paulo de Maringá.

A apresentação foi interativa, na qual um apresentador faz a ponte entre o público, o repertório e os músicos. A data escolhida, em comum acordo com a Diretoria do Asilo, foi a confraternização dos idosos e membros da instituição com os aniversariantes do mês de Outubro.

O coro e banda dos Arautos são constituídos, em sua maioria, de pessoas em idade juvenil, o que geraria um sadio contato social entre diferentes faixas etárias, aproveitando inclusive a natural simpatia dos idosos em relação aos jovens. Um dos idosos acompanhou as melodias com o violão, pois é maestro formado no meio militar.

As composições foram escolhidas de forma a causarem uma gradual e crescente participação do público nas músicas. Na primeira melodia portaram-se, sobretudo, como ouvintes. Na segunda, já foram convidados pelo “speaker” a acompanhar o ritmo com palmas, tendo como referência as batidas de um dos instrumentos que compõem a percussão: os pratos.

Este recurso trouxe mais movimento e alegria para o ambiente, quebrando certa distância inicial e natural entre o público e o grupo musical, possibilitando maior distensão e aproximação.

Na terceira peça, de origem espanhola, foi proposto um desafio: além do acompanhamento dos pratos com as palmas, foram convidados a bradar o tradicional “olé” em momentos específicos da música, ao sinal de um movimento em que o pratista levantasse seu instrumento. Após alguns ensaios do “olé”, os idosos participaram animadamente do número.

Por último, foi tocada uma música de origem brasileira e sertaneja, um pouco mais antiga, geralmente bem conhecida dos idosos: “Luar do Sertão”, de Catulo da Paixão Cearense, porém com a letra adaptada para a ocasião, ressaltando o trabalho feito com carinho, dedicação e profissionalismo por toda a equipe do Lar São Vicente de Paulo e a comemoração do aniversário de vários idosos e funcionários, tendo sido muito aplaudida.

Terminada a apresentação, foi servido um lanche de confraternização em que os idosos, vicentinos e funcionários puderam conversar com os componentes da banda, quando se confirmou o interesse dos idosos pelos jovens e pela música.

Na hora da despedida, o Diretor do Lar São Vicente de Paulo dirigiu palavras de agradecimento aos Arautos, mencionando os vínculos de amizade, já de longa data, que cresceram entre as duas instituições. Convidou o coro e banda a fazerem-se presentes em outros eventos promovidos pelos vicentinos, como, aliás, já tem acontecido.

A dedicação e o profissionalismo dos vicentinos e funcionários nos serviram de estímulo para buscarmos a perfeição no serviço a Deus e ao próximo. Não poderemos esquecer das fisionomias alegres dos idosos, nas quais se distingue, ao mesmo tempo, a marca do sofrimento, dos anos vividos e a alegria por momentos de convívio como este. Elas ficaram gravadas na memória e no coração dos Arautos; mas por quê?

Lembremo-nos das palavras de Nosso Senhor: “Estive enfermo e me visitastes.” (Mt 25,36)

Certamente as graças e a alegria que reinaram no asilo São Vicente de Paulo neste dia têm sua raiz na presença real de Nosso Senhor Jesus Cristo e de Nossa Senhora naquele local, a tal ponto que se poderia dizer: “Fui idoso e me visitastes”.

Até a próxima!