By

Atividades do primeiro final de semana de março

IMG_3471

Dentro do Evento “24 horas para o Senhor”, promovido pela Arquidiocese de Maringá, o Apostolado do Oratório, dos Arautos do Evangelho, realizaram, na tarde de Sábado, 05 de Março, na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, uma hora de Adoração Eucarística. Essa Adoração teve a participação de Coordenadoras e Coordenadores de Oratórios de várias Paróquias da Cidade. O tema da Adoração foi a mediação de Nossa Senhora – e como os católicos devem recorrer à intercessão da Mãe de Deus, para, com maior devoção, honrarem e louvarem a Jesus Cristo presente no Santíssimo Sacramento e, assim, encontrarem a verdadeira Misericórdia.

Read More

By

A festa de todos os Santos

Quantos de nós, especialmente brasileiros, brindados por Deus por um senso religioso tão apurado, temos um carinho e devoção por algum Santo ou Santa “preferido”, ou então, uma particular devoção a Nossa Senhora, sob determinada invocação, como por exemplo, Nossa Senhora Aparecida, ou Nossa Senhora de Fátima, para não mencionar outra tantas centenas de devoções populares!

Todas estas, é claro, porque devoções verdadeiras conduzem-nos ao aumento da adoração Àquele que deve ser o fim de todas as nossas ações: Nosso Senhor Jesus Cristo. Sim, caro leitor, temos sempre alguma devoção que nos toca a alma, nos enche de confiança e incrementa a fé em nosso Salvador.

Esta piedade, sentimos vibrar nos corações de uma forma mais viva, quando celebramos a Solenidade de todos os Santos, incluídos aqui, todos os que estão na posse da visão de Deus, no Céu, sejam eles canonizados ou não. E então, procuramos neste dia, prestar-lhes uma homenagem cheia de fé e amor.

Mas poderíamos perguntar: Tal louvor aos Santos acresce alguma coisa a eles? Que proveito eles tiram desta nossa manifestação piedosa, visto que já estão na felicidade completa e de nada carecem, ao contrário da nossa situação, que buscamos a felicidade possível aqui na terra, com vistas àquela no Céu?

Sim, como responde o Doutor melífluo, São Bernardo, “os santos não precisam de nossas homenagens, nem lhes vale nossa devoção. Se veneramos os Santos, sem dúvida nenhuma, o interesse é nosso, não deles. Eu por mim, confesso, ao recordar-me deles, sinto acender-se em mim um desejo veemente” (1).

Qual é caro leitor este desejo veemente que o Santo vê acender-se nele? É o desejo do Céu. São Bernardo fica animado na consideração e devoção aos Santos, pelo exemplo e o convite que eles nos fazem: exemplo de santidade, de amor de Deus; convite para o Céu, o gozo da glória eterna. É por isto que ele nos incita, com estas palavras: “Os santos desejam-nos e não fazemos caso; os justos esperam-nos e esquivamo-nos” (2).

Como é própria, indispensável e santificante, pela graça de Nosso Senhor, a meditação da Solenidade de todos os Santos e a reflexão a propósito desta admoestação do Santo. Quantos equívocos o mundo de hoje nos sugere: em vez de seguirmos o exemplo daqueles que nos precedem na glória do Céu, nos deixamos arrastar, ou ao menos, nos influenciar pelos “modelos” tão discutíveis apresentados nos mais diversos meios, sejam eles formalmente educacionais ou informais, quantos “santos do mundo” enchem as páginas de jornal ou figuram nas telas da comunicação visual, protagonizando uma existência sem Deus, sem moral, sem religião…

Do alto, eles olham, rogam e nos protegem!

Enfim, não percamos tempo. Elevemos nossos olhos, sobretudo nosso coração, na admiração pelos Santos, canonizados ou não, que tiveram o heroísmo e a alegria de alcançar a glória eterna, no atendimento ao Sermão das Bem-aventuranças ensinadas por Nosso Senhor Jesus Cristo (Mt 5, 1-12a).

Como diz Mons. João Clá Dias, enquanto no Céu não chegamos, pelos méritos de Jesus Cristo, pelas lágrimas de Maria e pela intercessão dos Santos, “podemos nos relacionar com essa plêiade de irmãos celestes, membros do mesmo Corpo, por um canal direto muito mais eficiente do que qualquer meio de comunicação moderno: a oração, o amor a Deus e o amor a eles enquanto unidos a Deus. Tenhamos a certeza de que, do alto, eles nos olham com benevolência, rogam por nós e nos protegem”. (3)

Nossa Senhora, Rainha de todos os Santos, rogai por nós!

__________________________

(1) Dos Sermões de São Bernardo, abade. Apressemo-nos ao encontro dos irmãos que nos esperam. In: Liturgia das Horas. 1999: Editora Vozes, Paulinas, Paulus, Editora Ave Maria, v. IV, p. 1421.
(2) Idem, p. 1421.
(3) Mons. João S. Clá Dias, EP. A festa dos irmãos celestes. In: _____. O inédito sobre os Evangelhos. v. VII, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 239.