By

Lançamento da Pedra Fundamental – Capela dos Arautos do Evangelho

A prestigiosa revista “Maringá Missão”, da Arquidiocese da conhecida Cidade Canção, traz em sua edição de agosto deste ano, a seguinte notícia, a propósito da Bênção e Lançamento da Pedra Fundamental da Capela Nossa Senhora do Bom Sucesso, dos Arautos do Evangelho:

Pedra Fundamental – Capela dos Arautos do Evangelho

Arcebispo Metropolitano de Maringá, dom Anuar Battisti preside Santa Missa e abençoa a pedra fundamental da construção da Capela dos Arautos do Evangelho – Estrada Venda 200 – saída para Iguaraçu. 27 de junho de 2015. Contou com autoridades civis e religiosas, membros missionários da Obra e parte do povo de Deus. Entre as autoridades religiosas padre Luiz Carlos de Azevedo – Pároco da Região e do Vigário Padre Neri Dione Squisati.¹

¹ Maringá Missão – Ano XVIII, n° 194. Agosto/201501

By

“É fácil professar a fé, o complicado é deixar essa fé transformar o modo de agir e pensar”, afirma o arcebispo de Maringá

Maringá – Paraná (Terça-Feira, 11/02/2014, Gaudium Press) “O ato de fé pode não significar nada” é o título do artigo de dom Anuar Battisti, arcebispo de Maringá, no Paraná, em que ele compartilha que ao participar do curso com os bispos no Rio de Janeiro foi tomado por um pensamento que o deixou preocupado. Lá foi meditado o texto do evangelista Marcos, quando narra o endemoninhado dizendo: “Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele, e gritou bem alto: Que tens a ver comigo, Jesus Filho do Deus altíssimo? Eu te conjuro por Deus, não me atormentes” (Mc 5,6-8).

Dom Anuar Battisti – Arcebispo de Maringá

Dom Anuar explica que este texto chamou sua atenção pelo fato de que o demônio acredita, ele tem fé, ele reconhece o Filho de Deus, e conjura por Deus. Então o prelado questiona: Porque ele faz isso e continua fazendo o mal, atormentando as pessoas? Porque faz um ato de fé e nada muda em sua vida? Porque nunca muda de caminho, ficando sempre na contramão da história?

“Fiquei pensando e me veio um certo temor. O demônio reconhece Jesus, professa a fé Nele, mas não O segue e continua sempre pela própria estrada. Jamais será diferente porque sabe quem é Jesus: o Filho de Deus. Mas a sua convicção não interfere no seu modo de agir. É fácil professar a fé, o complicado é deixar essa fé transformar o modo de agir e pensar”, avalia o arcebispo.

De acordo com dom Anuar, é por isso que o maligno continuará sempre maligno, porque a fé não tem nada a ver com a vida concreta. Para ele, a diferença está na fé, que faz verdadeiramente alguém ser discípulo de Jesus; caso contrário eu fico parecendo o demônio que acredita, faz um ato de fé, mas continua sendo o rei da maldade e do pecado, fazendo de conta que não acredita.

“Confesso que essa reflexão me causou um certo temor e me fez repensar o meu seguimento, enquanto escolhido e chamado a colaborar na vinha do Senhor. Entendi melhor a expressão de Jesus: ‘O único pecado que não tem perdão é o pecado contra o Espírito Santo’. Esse é o pecado, professar com os lábios e negar com as atitudes, ou seja, não deixar Deus agir em nós, porque é Ele que vem ao nosso encontro”, destaca.

Segundo o prelado, não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele quem nos amou por primeiro. E, portanto, negar a iniciativa de Deus, fechar-se em si mesmo, nos colocando no lugar de Deus, é negar toda e qualquer ação do Espírito Santo em nós, salienta o arcebispo. “Esse é o pecado que não tem perdão”, completa.

Dom Anuar ainda enfatiza que não é que Deus não perdoe, mas somos nós que não acreditamos nesse perdão. Ele recorda as palavras que o Papa Francisco repetiu várias vezes: “Deus não se cansa de perdoar, nós nos cansamos de pedir perdão”. Conforme o prelado, o caminho de seguimento de Jesus é um caminho de perdas e ganhos. “Perco o meu jeitão de ser e aceito o jeitão do Mestre e Senhor da minha vida. Serei discípulo se serei capaz de assumir a disciplina do Mestre. Não basta dizer eu creio. A fé sem obras é morta”, diz.

Por fim, o arcebispo de Maringá ressalta que no caminho do seguimento do Senhor a astúcia, como as serpentes, e a simplicidade, como as pombas, devem ser sempre as atitudes primordiais para não cairmos na tentação do demônio. É como nós rezamos sempre no Pai Nosso: “Não nos deixeis cair na tentação”. Para dom Anuar, a tentação é exatamente a incoerência do nosso falar e do nosso ser.

“Somente quem está em Deus é uma criatura nova, ou seja renovada, disposta ao seguimento de Jesus como verdadeiro discípulo e discípula. Não tenho dúvidas de que o demônio existe e não tenho dúvidas de que ele nunca para de trabalhar, principalmente, fazendo-nos professar a fé e vivendo como se Deus não existisse. Orar sempre, professar sempre, viver sempre na luz da Fé, assim nada será inútil. A vida terá outro sentido”, conclui. (FB)

______________________________

Disponível em: <http://www.gaudiumpress.org/content/55731–E-facil-professar-a-fe–o-complicado-e-deixar-essa-fe-transformar-o-modo-de-agir-e-pensar—afirma-o-arcebispo-de-Maringa> Acesso em: 20/02/2014

By

Frase da Semana – Nossa Senhora da Glória

“Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, porque o Todo-Poderoso fez grandes coisas em meu favor”

(Lc 1,48-49)        

Assunção de Nossa Senhora – Catedral de Hamilton, Canadá

Neste 15 de Agosto, com muita alegria, a Arquidiocese de Maringá celebra a Festa da Assunção de Nossa Senhora, que na Arquidiocese é venerada sob o título de Nossa Senhora da Glória.

O Papa João Paulo II, através de Breve Pontifício, editado em  14 de Janeiro de 1995, a pedido do então Arcebispo Metropolitano Dom Jaime Luiz Coelho, instituiu Nossa Senhora da Glória como Padroeira da Arquidiocese e da cidade de Maringá.

As normas para a celebração das festividades da Padroeira da Arquidiocese foram definidas por Decreto do Arcebispo Dom Anuar Battisti, no dia 15 de Agosto de 2009.

Sempre no dia 15 de Agosto, como é feriado municipal, na parte da tarde há a celebração solene da Assunção de Nossa Senhora, na Catedral Metropolitana, para a qual devem acorrer todas as paróquias da cidade. Essa celebração é precedida, todos os anos, de uma Novena, da qual todos os fiéis são estimulados a participar.

A Frase da Semana homenageia a Padroeira de Maringá e deseja que estes dias sejam de crescimento espiritual e afervoramento, pois a verdadeira Glória de Maria é o Reino de Cristo entre nós.

By

“Asas do Arcanjo São Miguel”

Dom Jaime Luiz Coelho, primeiro Arcebispo de Maringá, falecido na madrugada desta segunda feira aos 97 anos, honrou, ao longo dos últimos anos, aos Arautos do Evangelho de Maringá com um carinho paternal, próprio das grandes almas, e este convívio deixará saudades indizíveis. Os jovens dos Arautos tiveram a rica oportunidade de estar na companhia do Pastor em inumeráveis ocasiões: em suas Santas Missas, principalmente nas Missas de Natal na Catedral de Maringá, em várias apresentações musicais, em memoráveis “serenatas” natalinas que puderam fazer, quando Dom Jaime comprazia-se em atender às portas de sua residência episcopal aos jovens que sentiam uma verdadeira acolhida de sua parte. Impressionante como um já venerável ancião desdobrava-se em cuidados e atenção para com aqueles pequeninhos que, apenas com dificuldade poderiam entender o significado de tão nobre pessoa.

São inesquecíveis, também, as inúmeras ocasiões em que os Arautos foram convidados para tocar seus instrumentos nas comemorações de aniversário de Dom Jaime; a última delas, inclusive, na sexta feira, dia 26 de Julho, quando foi celebrado o seu 97º. Aniversário natalício. É encantador ver, pelas lentes do fotógrafo do O Diário de Maringá, os pequenos Arautos oferecendo ao venerando Arcebispo uma singela apresentação musical, tocando suas pequenas flautas. Fica nítida a satisfação demonstrada por Dom Jaime, ao receber essa despretensiosa homenagem.

Há alguns anos, em uma dessas comemorações natalícias, Dom Jaime estava cercado por uma quantidade de jovens de 10, 11 anos – ou menos – que davam seus primeiros passos nas fileiras dos Arautos. Já idoso, ele fez questão que os meninos o acompanhassem – apoiando-o pelos braços – a um pequeno passeio pelo jardim de sua casa, mostrando, animadamente  as diversas árvores e plantas que ali existiam. Depois, o venerando Arcebispo fez-se acompanhar dos jovens ao interior de sua casa, para mostrar-lhes algumas relíquias. De repente, Dom Jaime disse ao meninos: “Tenho aqui uma relíquia muito especial: um pequeno pedação da asa do Arcanjo São Miguel!”. A inocente reação dos pequenos foi automática: “Nossa!! Puxa vida!! Que fantástico!! Uma relíquia de São Miguel!”, responderam entusiasticamente. O pranteado Arcebispo quase não se conteve, demonstrando um verdadeiro encantamento sobre o efeito de sua singela brincadeira sobre aquelas alminhas. Este fato – entre tantos outros – deu, certamente uma alegria verdadeira àquele senhor, protagonista de inúmeras batalhas em sua longa vida à serviço da Igreja e da Comunidade maringaense.

Neste momento de dor, mas também de alento e de esperança, fica a nossa homenagem a este grande Arcebispo. Que Nossa Senhora da Glória o receba e o cubra com o seu Manto Sagrado. Que São Miguel lhe empreste as asas para que possa voar até o encontro da felicidade eterna, até a digna morada que para ele está preparada, desde toda a eternidade.

Por João Celso