By

São Roberto Belarmino: Como aproveitar o tempo?

Não raras vezes, passam por nossas vidas pessoas que, nos fazendo determinado bem, marcam de alguma forma a nossa existência. E delas não nos esquecemos. Assim é que, lembro-me de um Professor muito católico que, numa palestra, a propósito da vida dos Santos, levantou a seguinte questão: como administrar bem o tempo? Sem saber, este mestre deu-me uma grande ajuda para a vida, em relação à qual lhe sou imensamente grato. Espero que também seja útil ao caro leitor.

Essa questão sem dúvida é pertinente, pois quem de nós, com tantos anseios bons, projetos almejados e objetivos que temos desejo de alcançar, precisamos indagar inevitavelmente: terei eu tempo para tal?

Muitos são os que buscam a solução para administrar bem o tempo através de cursos. Sem dúvida, é uma estratégia boa. Mas talvez não seja suficiente. Terá então outra medida a tomar?

Sim! E este professor, com maestria e descortino, senso da realidade e espírito de fé, abordou a temática de forma inédita, como talvez ninguém o tenha feito. Como explicitou o problema e apresentou a resposta?

Mencionou ele São Roberto Belarmino (+1621), de quem o leitor possivelmente já tenha ouvido falar, e cuja festa se celebra no mês de setembro (dia 17). Este varão de Deus entrou na Companhia de Jesus, foi ordenado sacerdote e tornou-se professor de Teologia no Colégio Romano. Eleito Cardeal e nomeado bispo de Cápua (Itália), exerceu todo o seu ministério com zelo extraordinário e dedicação heroica. O leitor pode imaginar tudo quanto isto significa de responsabilidades, ocupações e atividades?

Assim – continua nosso estimado e sábio palestrante – este Santo, mesmo em meio às mais diversas e importantes obrigações, ainda sabia encontrar espaço para meditação, orações e muitos escritos célebres por sua sabedoria. Resultado: foi proclamado Doutor da Igreja!

A esta altura, o leitor certamente já percebe por onde vai a resposta da questão colocada: como aproveitar bem o tempo? E esta nos salta aos olhos, a partir da consideração acima: sermos Santos!

Quanto mais nos unirmos a Deus e seguirmos as vias da santidade, a exemplo de São Roberto Belarmino e de outros tantos santos – mais teremos sabedoria para administrar nosso tempo, realizando assim nossos melhores projetos.

Por Adilson Costa da Costa

_________________________

Para conhecer mais sobre a história deste Santo acesse:

http://www.arautos.org/especial/19686/Sao-Roberto-Belarmino–Um-jesuita-vestido-de-purpura.html

Veja também:

Como um astro luminoso – São Gregório Magno

Peregrinando pela casa de um Santo – São Pio X

By

Livros Imperdíveis – Filotéia: Santificar-se vivendo no mundo!

Título:     Filotéia ou Introdução à vida devota

Autor:     São Francisco de Sales

                Tradução Frei João José P. de Castro, OFM

Editora:  Vozes, Petrópolis, 12ª ed., 1996 (453 p.)

Livros Imperdíveis deste mês apresenta a seus leitores uma das principais obras de espiritualidade da História da Igreja: Filotéia, ou Introdução à vida devota, escrita no início do século XVII (por volta do ano 1609) por São Francisco de Sales, Doutor da Igreja. Os sábios conselhos deste livro vêm, há séculos, animando e fortificando a vida espiritual dos católicos em todo o mundo. Sua atualidade e utilidade merecem ser apreciadas também pelos católicos de hoje.

São Francisco de Sales – Santa Cueva de Manresa, Espanha

São Francisco de Sales

O livro começa por apresentar a atraente biografia de São Francisco de Sales. Oriundo de família nobre, nasceu no Castelo de Sales, na Sabóia (hoje França) no ano de 1567. Desde seus primeiros ano de vida a família o instruiu com esmerada educação cristã. O jovem Francisco era dotado de muitos dons naturais, entre os quais, uma inteligência viva e força de vontade inabalável. Desde muito cedo buscou realizar estudos sérios, que o acompanharam durante toda a vida. São Francisco de Sales exerceu grande atividade literária, apesar de sua intensa ação pastoral. Retornando à sua terra natal, depois de anos de estudo em Paris e em Pádua (centros intelectuais à época) e, devido à sua condição social, Francisco portador de doutorado em Teologia e em Direito poderia ocupar posições de destaque na sociedade e obter muitas dignidades mundanas; mas, tocado pela Graça preferiu colocar seus talentos a serviço da Igreja de Cristo, seguindo a carreira eclesiástica, não sem certa oposição por parte de alguns familiares.

Foi ordenado sacerdote aos 27 anos e aos 35 anos sagrado Bispo de Genebra, diocese da qual se ocupou por toda a vida, travando ali inúmeras batalhas, procurando ser tudo para todos a fim de ganhar a todos para Cristo. Sua vida, incansavelmente dedicada ao Evangelho, foi relativamente curta falecendo aos 55 anos de idade, em 28 de Dezembro de 1622. Foi canonizado em 1665 pelo Papa Alexandre VII. Pio IX o elevou à dignidade de Doutor da Igreja e, em 1923, o Papa Pio XII o declarou Padroeiro da Boa Imprensa e dos jornalistas católicos.

Suas múltiplas ocupações, como Bispo e pastor de almas numa diocese que exigia dedicação extrema, não o impediram de escrever muitas obras para o bem da Igreja, entre as quais mais de 2.000 cartas, além de vários livros de cunho espiritual. Juntamente com Santa Francisca de Chantal é fundador da Congregação das Visitandinas.

Por que este livro é imperdível?

São Francisco de Sales já o declara no Prefácio: Este livro é dedicado prioritariamente àquelas pessoas que desejam santificar-se vivendo no mundo; por suas ocupações e deveres de estado, não podem levar vida como religiosos, afastados das atividades terrenas, fazendo parte de uma Comunidade Religiosa. As ordens religiosas, os Arautos do Evangelho, por exemplo, e outras instituições de vida consagrada possuem um conjunto de regras que facilitam a prática das virtudes.

Mas, nem todos podem ser religiosos. Como se santificar vivendo no mundo?

Comenta o Santo:

“Acontece muitas vezes que estas pessoas, sob o pretexto de uma impossibilidade pretensa, nem sequer pensam em aspirar à devoção. Imaginam que assim como animal algum ousa tocar naquela erva chamada Palma Christi [mamoneira-espinheiro], do mesmo modo pessoa alguma que vive no meio de negócios temporais pode fomentar pretensões à palma da piedade cristã. Mas vou mostrar-lhes que muito se enganam e que a graça é em suas operações ainda muito mais fecunda que a natureza. As madrepérolas são banhadas pelas águas do mar e, contudo, não são penetradas delas; (…) as almas generosas vivem no mundo sem impregnar-se do seu espírito, acham a doce fonte da devoção no meio das águas amargas das corrupções mundanas sem queimar as asas de santos desejos de uma vida virtuosa. (…) apesar de minha impotência, farei o que possível for de minha parte para auxiliar esses corações generosos que aspiram à devoção”. (1)

Filotéia

A partir da compilação de conselhos espirituais que São Francisco de Sales empregava para guiar seus filhos espirituais, Filotéia traz um verdadeiro programa de vida espiritual, para utilidade das pessoas que vivem no mundo secular. Conselhos úteis para quem quer adotar a resolução de se santificar.

O que é devoção? Como elevar a alma a Deus por meio da oração e da recepção dos sacramentos. E, ainda, como praticar as virtudes; como evitar as tentações mais comuns no caminho do crescimento espiritual; como conservar e renovar os bons propósitos; estes e muitos outros utilíssimos conselhos de vida espiritual são explicitados por São Francisco de Sales nesta obra.

Quer ter um Santo como seu diretor espiritual? Conheça Filotéia, ou Introdução à vida devota: nosso livro imperdível. Procure adquiri-lo o quanto antes e não tarde a iniciar o seu programa de vida, rumo ao céu!

Salve Maria!

Por João Celso


(1) Op.cit. p. 18-19.

By

Frase da Semana – Santo Afonso de Ligório

“Quem reza se salva. Quem não reza certamente se condena”.

Santo Afonso de Ligório (1)

A Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum é um convite à oração: Ensina-nos que, quando fazemos a Deus os nossos pedidos, temos que usar de insistência e até de impertinência para alcançar as graças de que necessitamos  (Cf. Lc 11, 1-13).

Essa insistência obtém, porém, uma resposta positiva da parte de Deus: “Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e, para quem bate, se abrirá”. (Lc 11,9)

O grande Doutor da Igreja, Santo Afonso de Ligório, cuja Festa comemoramos nesta semana (1º. de Agosto), lembra a necessidade indispensável da Oração, para obtermos de Deus a nossa salvação eterna.

A Frase da Semana convida seus leitores a essa oração confiante!

____________________________

(1) Santo Afonso Maria de Ligório. A Oração. 4ª. ed. Aparecida: Editora Santuário,  p. 42

By

Livros Imperdíveis

Nova seção no blog dos Arautos do Evangelho de Maringá!

A partir deste próximo mês de Julho, o Blog dos Arautos de Maringá apresenta a seus leitores uma nova seção: Livros Imperdíveis.

Esta seção trará todo mês um livro em destaque: será uma obra de um Santo ou de algum outro escritor católico de destaque. Apresentaremos um resumo do livro, mostrando a sua importância para a vida espiritual, que objetivos teve o autor em escrevê-lo e, também um breve resumo da vida do autor.

O Catecismo da Igreja Católica nos ensina que “nos santos brilha a santidade da Igreja”(1). Com certeza, os santos têm muito a nos dizer, muito a nos ensinar. Suas palavras e – principalmente – sua história de vida são para nós exemplos que devem ser seguidos, imitados. Com muita frequência, esses conselhos – indispensáveis para nosso progresso espiritual – nos vêm através de seus escritos. Podem ser obras muito simples, sem grandes pretensões teológicas, como os conselhos da “pequena via” de Santa Terezinha do Menino Jesus; cartas edificantes, como as do Santo Padre Pio, ou, ainda, podem ser Obras de grande peso teológico que, embora escritas há muito tempo, ainda hoje são luminares e sustento para toda a Igreja. Do despretensioso ao complexo, obras indispensáveis para nossa vida espiritual. Enquanto estamos caminhando neste vale de lágrimas, essas obras podem – e devem ser – companhias constantes dos católicos.

Em suas vidas, os santos transbordam o Amor de Deus. E, exatamente, o que são os seus escritos, senão uma amostra desse amor, em cascatas de palavras, de orações, de puro entusiasmo pela santidade e pela salvação? O que leva um Santo Afonso de Ligório, Doutor da Igreja, a declarar: “Se me fosse possível, faria imprimir tantos exemplares deste livro quanto são os fiéis de todo o mundo. Daria um exemplar a cada um”, (2) etc. Um arroubo de desejo de que todos possam compartilhar do que lhe vai no coração. Como agiria um Santo Afonso hoje, se tivesse à sua disposição os meios atuais de comunicação, como a Internet, as redes sociais, a grande imprensa, a rede de contatos da Igreja, as Paróquias, os Movimentos Eclesiais? O seu entusiasmo e o seu empenho em divulgar a palavra de Deus, certamente não seriam menores do que o foram em sua época!

Dessa certa forma, podemos fazer também nós esse apostolado, divulgando os escritos dos santos. Numa época de superficialidade, os escritos dos santos podem nos guiar e nos orientar, podem nos ajudar a crescer espiritualmente e, sobretudo, fazer apostolado.

Imploramos à Virgem Santíssima que possamos lograr êxito neste propósito, contando também com a ajuda inestimável de nossos leitores!

Para inaugurar nossa Seção Livros Imperdíveis, no próximo mês de Julho, traremos um resumo, justamente, do livro de Santo Afonso sobre a Oração. Todos estão convidados!

Salve Maria!

João Celso


(1) Catecismo da Igreja Católica, n. 867.
(2) Santo Afonso de Ligório. A Oração, o grande meio para alcançarmos de Deus a salvação e todas as graças que desejamos. 4ª. ed. Aparecida: Santuário, 1992. Pág. 11.