By

A humildade de São Cura d’Ars

São Cura d’Ars

Há quem diga que o reconhecimento das qualidades e virtudes de alguém nem sempre existe por parte daqueles que convivem com tal pessoa. E este fato não é tão difícil de constatar; eis aqui um exemplo muito expressivo, no relacionamento entre dois “colegas”, sendo um deles canonizado pela Santa Igreja e apresentado como Padroeiro dos Sacerdotes: São Cura d’Ars. Esta narração encontra-se no Tesouro de Exemplos, obra de autoria do Padre Francisco Alves (1).

Conta-nos a história que certa vez o Cura d´Ars, enquanto vigário, recebeu uma carta de outro Sacerdote, na qual lastimava que este santo, com tão poucos conhecimentos teológicos, atendesse confissões.

Tal observação, feita não sem brutalidade, talvez comportasse alguma veracidade, visto que nosso santo Sacerdote não era dos mais favorecidos no campo intelectual. Por isto mesmo é que fora indicado para tomar conta de uma Paróquia sem muito prestígio; na verdade, uma das mais modestas da França: Ars.

Ninguém questionará a adequação e utilidade, para a própria vida espiritual e o apostolado, de se ter conhecimentos teológicos amplos e aprofundados. Tanto assim, que a própria Santa Madre Igreja, além de ordenar que estudemos a Doutrina Cristã, celebra muitos Santos, não somente por sua santidade, como também por sua sabedoria teológica. Exemplo luminar da teologia católica celebrado pela Igreja: São Tomás de Aquino.

São Tomás de Aquino

No entanto, mais do que ter altos conhecimentos teológicos, deve-se ter virtude e humildade. E justamente isto, na história de nosso Santo Cura d’Ars, é o que se pode contemplar. Vejamos a resposta do Santo à carta insolente.

“Quanta razão tenho de amar-vos, meu caríssimo e reverendíssimo colega! Vós sois o único que me conhece. Já que sois tão bom e caridoso, interessando-vos pela minha pobre alma, ajudai-me a obter a graça, que peço sempre, de ser substituído no cargo, de que sou indigno pela minha ignorância, a fim de retirar-me a um canto e chorar a minha pobre vida”.

Virgem da Humildade – Por Lorenzo Monaco – Museu Louvre, Paris

Esta resposta, caro leitor, nos enche a alma: quanta humildade, quando desapego de si, quanta compreensão da grandeza da vocação sacerdotal e, ao mesmo tempo, noção de sua indignidade no exercício da missão!

Estimado leitor, rezemos para que Nossa Senhora da Humildade nos dê a graça de admirarmos e encantarmo-nos com exemplos como este, de humildade e virtude, que a história dos Santos nos dá; e de recusarmos categoricamente as manifestações de orgulho que pululam no mundo hodierno, nos instigando a imitá-las e tentando-nos para as vias do pecado.

Por Adilson Costa da Costa

________________________________

(1) Pe. Francisco Alves, C.SS.R, Tesouro de Exemplos. v. II, 2. Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1960.

By

Nossa Senhora, esposa do Espírito Santo

Apresentamos aos leitores do Blog a segunda postagem da seção TV Arautos em Foco, espaço dedicado a programas que discutem temáticas da Fé Católica, cujas abordagens estão pautadas nas Sagradas Escrituras, no Catecismo da Igreja Católica e na Doutrina Cristã.

 Considerando que no mês de setembro a Santa Igreja dedica três datas em homenagem à Santíssima Virgem: Festa da Natividade de Nossa Senhora (08.09), Santíssimo Nome de Maria (12.09) e a Celebração de Nossa Senhora das Dores (15.09), dedicamos esta postagem para conhecermos ainda mais os ensinamentos da Santa Igreja sobre “Nossa Senhora, esposa do Espírito Santo”.

Assim, trazemos ao conhecimento dos leitores um programa no qual o Revmo. Pe. Alex Brito, EP trata, com didática e clareza, de uma pergunta formulada por um fiel, mas que se faz presente na vida de muitos católicos:

Nossa Senhora é esposa fidelíssima do Espírito e São José seu castíssimo esposo. Qual a diferença entre os dois termos de esposo?

 Acompanhemos as explicações do Sacerdote clicando no link abaixo.

http://www.arautos.org/tv/interna.html?id=4561&title=Maria%2C+esposa+do+Esp%C3%ADrito+Santo

By

Tesouros da Fé Católica: qual a melhor maneira de comungar?

A existência humana é perpassada pela busca da compreensão sobre a vida espiritual e material. Os “por quês” povoam os pensamentos não apenas de crianças, mas dos adultos que, ao contrário dos pequeninos, ficam reticentes em perguntar algo que não compreendam. O que é Epifania? Por que Deus é Onipotente? Como os Santos ouvem nossas orações? O que é o Purgatório? O que é martírio? Por que Nosso Senhor disse que veio trazer não a paz, mas a espada? E assim por diante…

Com a intenção de explicar estas e outras questões passamos a veicular no blog uma sessão quinzenal, a partir de conteúdos produzidos pela TV Arautos nos quais são abordadas temáticas da Fé Católica, explicações sempre pautadas nas Sagradas Escrituras, na Doutrina Cristã e no Catecismo da Igreja Católica, com o intuito de que o leitor conheça uma riqueza inesgotável: os ensinamentos da Santa Igreja.

Iniciamos a sessão apresentando os “Tesouros da Fé”, uma série de programas nos quais o Revmo. Pe. Alex Brito, EP aborda de maneira didática questões formuladas por fieis. Neste primeiro programa que veiculamos o Sacerdote responde à pergunta: Qual a melhor maneira de comungar e quais nossos méritos?

Certamente o leitor já se perguntou: qual a diferença entre comungar o pão, como normalmente acontece na Santa Missa, e comungar sob as duas espécies, ou seja pão e vinho?

Acompanhemos as explicações do Sacerdote clicando no link abaixo.

 http://www.arautos.org/tv/interna.html?id=2884&title=Qual+%C3%A9+a+melhor+maneira+de+comungar+e+quais+nossos+m%C3%A9ritos%3F