By

A Luz do Sol de Justiça

Em uma das praias do imenso litoral brasileiro, um Arauto teve a felicidade de realizar este magnífico registro, no primeiro dia do Ano de 2015. Trata-se do primeiro nascer do sol neste impressionante panorama em que se apresentam, contrastando,  luz e trevas. Sobre o que nos fala esta imagem litorânea?

Nascer do Sol na Praia de Ubatuba – Arautos do Evangelho

Contemplemos os três elementos da paisagem: sol, mar e nuvens. No céu, as nuvens espessas e sombrias parecem querer envolver na escuridão tudo que lhe está ao alcance. No entanto, eis a aurora prenunciando a chegada do sol. O astro rei surge já deitando seus primeiros raios de luz, afastando as trevas e realçando a beleza contida no mar e no céu.

Vivemos no mar da vida, incontáveis vezes tempestuoso, em outros  momentos sublimes e calmos. Seja como for, quando somos banhados pela luz da divina graça, a vida adquire outra perspectiva. Até mesmo entre as dificuldades que parecem nos querer fazer sucumbir, encontramos alento e conseguimos contemplar e compreender a beleza da luta nesta existência e antegozar as maravilhas do Céu. Por que isto se dá? Porque somos banhados pela luz do Sol de Justiça!

Ano Bom, Ano novo! Por mais que as trevas procurem esconder ou abafar a luz, o Sol de Justiça, Nosso Senhor Jesus Cristo, estará sempre a irradiar Sua luz. Que Maria Santíssima, a aurora que anuncia o sol, proteja você e sua família, caro leitor, ao longo deste ano que se inicia. E assim poderás, na alegria, render graças a Eles, porque vencestes as trevas do pecado, fostes tu mesmo luz para o próximo, e destes glória a Deus. Feliz e santo 2015!

By

Santa Maria Madalena: expressão do verdadeiro amor

Durante o curto espaço de tempo das férias de julho, ou então no final do ano, muitos aproveitam para viajar ao interior onde o céu, despojado da poluição das grandes cidades, nos fornece à noite, um espetáculo grandioso, qual seja, o firmamento das estrelas, repleto de luzes a cintilar maravilhas.

Maria Madalena lava os pés de Jesus – Versailles

Mas outro firmamento, incomparavelmente mais belo que o das estrelas – em relação ao qual este não é senão um símbolo – cintila aos olhos de nossa alma, e isto ao longo de todo ano, com luzes especiais, conforme o calendário litúrgico.

Qual é este firmamento? É o firmamento dos Santos e Santas da Igreja que resplandecem e sua luz nunca deixará de brilhar, seja na História da humanidade, seja por toda a eternidade.

Quão variado de “estrelas” é este firmamento: santos inocentes, santos penitentes (cuja vida, outrora afastada de Deus pelo pecado, convertem-se heroicamente), santos reis, nobres, santos plebeus, santos doutores e sábios, santos despojados de maior inteligência, santos ricos, santos pobres…

Santos, em uma palavra, que nos trazem, com suas vidas, seus dramas, suas virtudes, suas penitências, exemplos para todos os cristãos, a apontar para Aquele que é o Caminho, a Verdade, a Vida.

Contemplemos, caro leitor, uma destas “estrelas”, cuja festa se celebra neste mês de julho (dia 22), Santa Maria Madalena.

Conforme Jacopo de Varazze, “Maria, cognominada Madalena por causa do castelo de Magdala, nasceu de família muito digna, descendente de reis. […] Junto com o irmão Lázaro e a irmã Marta ela possuía o castelo de Magdala, situado em Betânia, localidade próxima da cidade de Jerusalém e a duas milhas de Genezaré, além de grande parte da cidade de Jerusalém. Quando dividiram entre si essas posses, a Maria coube Magdala, daí ser chamada Madalena; a Lázaro, grande parte da cidade de Jerusalém, e a Marta, Betania” (1). Tendo levado uma vida bem distante dos Mandamentos, mudou-a radicalmente, quando por ela passou o Divino Mestre.

Sua conversão foi tal que, arrependida de seus pecados, lavou os pés de Jesus com suas lágrimas e secou-os com seus cabelos. Estava ela aos pés da cruz, no momento mais doloroso, ápice da Paixão. E, como não poderia deixar de ser, devota da Santíssima Virgem, conforme nos aponta Mons. João Clá Dias, EP: “Santa Maria Madalena sempre aparece fazendo parte do cortejo da Santíssima Virgem, intimamente unida a Ela em todos os momentos, sobretudo na hora régia da vida de Nossa Senhora, quando Nosso Senhor Jesus Cristo, com dores indizíveis, disse Conssummatum est (2). Foi Santa Maria Madalena a primeira testemunha da ressurreição de Jesus, conforme narram os Evangelhos.

Mas qual a cintilação desta santa penitente que luz a nossos olhos e nos encaminha para a Luz de nossas vidas que é Jesus Cristo?

Consideremos sua conversão. De onde veio tal conversão? Do amor entranhado a Nosso Senhor Jesus Cristo. Ela O viu, contemplou e amou, com um amor sem medidas. Nela se realizou o que nos ensina São Francisco de Sales: “a medida de amar a Deus consiste em amá-Lo sem medidas”. Ou então, no dizer cheio de fogo de São Pedro Julião Eymard: “Pois, o que é o amor senão o exagero?” (3)

Nossa Senhora de Fátima – Arautos do Evangelho

Aqui  está, com brilho todo especial, o exemplo daquela que é apresentada pela Igreja como o modelo de penitência. Sim, o amor cobre uma multidão de pecados (I Pedro, 4,8). Poder-se-ia completar: o amor verdadeiro a Nosso Senhor é tal, que tem o poder de nos tirar do pecado e conduzir-nos a mais alta santidade.

Sem pretender alongar estas palavras, considere o quanto o amor de Santa Maria Madalena a Nosso Senhor elevou-a. Ou por outra, o quanto o amor de Nosso Senhor a recompensou: Ela merece ser chamada autêntica “discípula de Jesus”. (4)

Rezemos em união com Santa Maria Madalena, para que Nossa Senhora nos obtenha a graça deste amor radical ao seu Divino Filho, e veremos as maravilhas que a graça operará em nós.

Santa Maria Madalena, rogai por nós.

Nossa Senhora do divino amor e refúgio dos pecadores, rogai por nós.

Por Adilson Costa da Costa

_________________________________

(1) Jacobo de Varezze. Legenda Áurea – Vida de Santos. Tradução do latim, apresentação, notas e seleção iconográfica de Hilário Franco Júnior. Companhia das Letras, 2016, p.544.

(2) Santa Maria Madalena: contemplação: fruto da penitência e do desapego. Disponível em : <http://santossegundojoaocladias.blogspot.com.br/2013/03/santa-maria-madalena.html>. Acesso em 24 Julho 2014.

(3) Pe. Robert Rousseau, SSS. Uma breve biografia de São Pedro Julião Eymard. Disponível em: <http://ww.blessedsacrament.com>. Acesso em 02 Agosto 2013.

(4) Liturgia Diária – Texto litúrgico publicado com autorização da CNBB – Ano XXIII – n. 271 – Julho de 2014. Paulus, 2014, p. 67.

By

“Fica conosco”

“Fica conosco”

(Lc 24,29)

Tristonhos, resignados e sem esperança. Talvez fosse esse o estado de espírito dos dois discípulos no caminho para Emaús. Afinal, Jesus estava morto e sepultado. A sua fé ainda não era suficiente para que se animassem a acreditar no testemunho das mulheres, de João e Pedro, que “afirmaram que Jesus está vivo” (Lc 24,23). Assim, preparavam-se esses dois discípulos para voltar à sua vida cotidiana, deixando para trás tudo o que haviam ouvido e visto durante o período em que acompanharam a pregação de Jesus. Retornar à vidinha sem graça, de todos os dias.

No entanto, Jesus, ressuscitado dentre os mortos, tinha outros planos para eles: queria o seu testemunho, diante dos Apóstolos e diante dos cristãos, por toda a eternidade.  No momento em que partem o pão, o Mestre a eles se revela e lhes abre os olhos. Faz com que o seu coração arda e se abrase de amor. A tal ponto que pedem docemente: “Fica conosco!”.

O mesmo pode nos acontecer: Depois de termos vivido a Quaresma e as ricas cerimônias que a Liturgia nos propõe no Tríduo da Páscoa, podemos ser tentados a mergulhar, aos poucos, na vida cotidiana, nos esquecendo de tudo o que vivemos nestes dias, negligenciando em nossos corações a glória que deve representar a Ressurreição de Cristo.  Ele é a Luz que venceu as trevas, triunfou sobre o pecado. Sua vitória acarretou a fundação de uma nova ordem baseada na Fé, e será a causa do advento do Reino de Cristo sobre a Terra. Essa Luz continuará fulgurante por todos os séculos”.(1)

Que a certeza da Ressurreição de Cristo jamais de afaste de nossa vida e, como diz Monsenhor João Clá Dias, “ao contemplarmos com júbilo o triunfo de Jesus Cristo ressuscitado, juntemo-nos à Nossa Senhora, aos Apóstolos, aos Anjos e Santos, com toda a Igreja transbordando de alegria Pascal” (2), implorando a Cristo Ressuscitado: “Fica conosco, Senhor!”.

Salve Maria!

______________________________

(1) Arautos do Evangelho. A luz venceu as trevas. Disponível em: http://www.arautos.org/especial/58009/A-Luz-venceu-as-trevas-.html

(2) Idem.

By

Como alcançar a perfeição do Pai Celeste?

A vida comporta, para ser vivida, muitas metas. Quem não tem sonhos, anseios, quer na vida familiar, social ou profissional? Quem não objetiva alcançar algo, para assim realizar-se?

Sim, uma vez que aqui estamos, sempre teremos em vista realizar algo. Claro que entre os tantos objetivos, a dificuldade aparece especialmente nos mais ousados.

Caro leitor, você já pensou qual entre as metas da vida, é a mais difícil para qualquer homem realizar?

Pois bem, vou lhe dizer qual é. Esta foi explicitada pelo Divino Salvador, assim como o caminho para alcançá-la, na leitura que Dele fazemos no VII Domingo do Tempo Comum, narrada por São Mateus (Mt 5, 38-48).

Jesus nos diz: “Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai é perfeito” (Mt. 5, 48).

Ora, sabemos que Deus Pai é a própria perfeição, a própria Santidade.  Como poderemos chegar a esta meta de nossa vida, a santidade?

Sagrado Coração de Jesus – Catedral de León – Espanha

A esta questão, Mons. João Clá Dias, EP, faz a seguinte abordagem: “Jesus formula a meta de nossa vida: imitar o Pai celeste, modelo absoluto de santidade, adequando a Ele nossa mentalidade, inclinações e desejos. Mas como seremos perfeitos como Deus é perfeito? Por que meio chegaremos até essa suprema perfeição, impossível para nossa débil natureza?”¹

E continua: “Por que reportar a tão elevado modelo? Ocorre que o Filho, a Segunda Pessoa da Trindade, o Verbo incriado, igual ao Pai, assumiu nossa natureza, e, sendo Homem, como Arquétipo da humanidade, reproduziu em Si a perfeição do Pai, instando-nos a fazer o mesmo”. ²

Sim, Jesus Cristo é o nosso arquétipo. Ou seja, Ele é nosso Mestre e nossa Luz, nosso modelo e Senhor.

Por isto, “devemos querer assemelhar-nos a Nosso Senhor, procurando ser perfeitos como Ele, para atender ao altíssimo convite feito no Sermão da Montanha. Este é o sentido da jaculatória que encontramos na Ladainha do Sagrado Coração: “Jesus, manso e humilde de Coração, fazei nosso coração semelhante ao vosso!” ³

Esta busca da semelhança com o Salvador deve transformar-nos realmente, santificando nossos pensamentos, anseios, atos e vida interior. Somos cristãos, mas não devemos ter esta dignidade somente como um título, mas nos tornarmos autenticamente outros cristos, fazendo valer a máxima: “Christianus alter Christus” (o cristão é um outro Cristo).

Do contrário, poderíamos receber do Redentor a admoestação presente nos dizeres expressos em um vitral da Catedral da histórica cidade de Lübeck, localizada na Alemanha:

Tu me chamas Mestre e não obedeces, Luz e não Me vês, Caminho e não Me segues, Vida e não Me desejas, Sábio e não Me escutas, Amável e não Me amas, Rico e não Me invocas, Eterno e não Me buscas, Justo e em Mim não confias, Nobre e não Me serves, Senhor e não Me adoras, Se Eu te condenar, não Me culpes!”

Imaculado Coração de Maria de Nossa Senhora de Fátima – Arautos do Evangelho

Diante desta suave censura, o leitor poderia sentir-se perplexo, numa espécie de encruzilhada, pois se de um lado Deus nos chama à perfeição, sabemos que faltam-nos as forças necessárias. Poderia inclusive questionar-se: qual o caminho verdadeiro e seguro para atingirmos tal perfeição, chegando assim ao que Nosso Senhor deseja de nós?

Conhecendo nossa fraqueza, o próprio Deus nos deixou um auxílio e uma escada para elevar-nos até Ele.

São Luis Maria G. de Montfort afirma de forma categórica que a devoção a Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa Mãe, é o caminho fácil, curto, perfeito e seguro para chegarmos à união com Nosso Senhor, e nisto consiste a perfeição do cristão 4.

Roguemos, pois, ao Sagrado Coração de Jesus, pela intercessão de Maria Santíssima, as graças por meio das quais atingiremos a perfeição, a meta que o Divino Mestre espera de nós.

Por Adilson Costa da Costa

_______________________

¹ Mons. João S. Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos. v. II, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 95.

² idem, p. 95.

³ idem, p. 95-96.

4 São Luís Maria G. de Montfort. Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem. 42ª ed. Petrópolis: Vozes, 2012, p. 147.

By

“Assim brilhe a vossa luz”

Todos nós somos cercados de realidades, as mais diversas possíveis, algumas das quais, inteiramente banais, corriqueiras e, se diria, inteiramente sem expressão ou maior alcance. No entanto, posto que tais realidades se dão na presença de Deus, elas tomam uma perspectiva revestida de seriedade, de significado.

Quantas vezes, ao escurecer, levamos, sem maiores reflexões, a mão ao interruptor para acender uma lâmpada e iluminar uma sala. Executamos tal ação de forma inteiramente mecânica. No entanto, consideremos o seguinte: ao apertar o interruptor, “aciona-se” a passagem da eletricidade pelo filamento de tungstênio da lâmpada e esta ilumina o ambiente.

Ora, isto que é tão simplório, tem um expressivo significado para nossa vida espiritual. É o que comenta Mons. João Clá Dias, EP, ao refletir sobre as palavras divinas de Jesus, “Vos sóis a luz do mundo” (V Domingo do Tempo Comum).

Com efeito, diz o Fundador dos Arautos: “Confiando-nos a missão de sermos a ‘luz do mundo`, Jesus nos convida exatamente a participar de sua própria missão, a mesma que fora proclamada pelo velho Simeão no Templo, quando tomando o Menino Deus nos braços, profetizou que Ele seria a ´luz para iluminar as nações` (Lc 2, 32). Nosso Senhor veio trazer a luz da Boa-Nova e do modelo de vida santa. A doutrina ilumina e indica o caminho, enquanto o exemplo edificante move a vontade a percorrê-lo”. ¹

Ora, Nosso Senhor é o Caminho, a Verdade e a Vida. Como discípulos dele, somos chamados, enquanto “luz do mundo”, especialmente em nossos dias em que se vai desbotando, apagando a noção do bem e do mal, da verdade e do erro, do belo e do feio, a amarmos e vivermos os ensinamentos de Jesus. Eis aqui o melhor que podemos oferecer ao próximo: cultivarmos a amizade de Deus e fazermos o apostolado do bom exemplo.

Mas, o que é necessário para isso tal?

“Para que isto se concretize – continua Mons. João C. Dias – a condição é sermos desprendidos e admirativos de tudo o que no universo é reflexo das perfeições divinas, de modo a sempre procurarmos ver o Criador nas criaturas. Assim, nossas cogitações e nossas vias terão um brilho proveniente da graça.”

E retomando a abordagem no início do artigo, sobre a lâmpada e o tungstênio: “Expressiva figura dessa realidade espiritual nos é proporcionada pela lâmpada elétrica incandescente. O tungstênio é, em si, um elemento vil e de escassa utilidade. No entanto, perpassado pela corrente elétrica e em uma atmosfera na qual o ar foi substituído, ele ilumina como nenhum outro metal. A eletricidade representa a graça divina, enquanto a debilidade do tungstênio bem simboliza o nosso nada”.

Assim, apesar de nosso “nada”, se nos deixarmos penetrar pela graça de Deus, “como filamentos de tungstênio ligados à corrente da graça, poderemos ser transmissores da verdadeira luz para o mundo”. ²

Em outros termos, correspondamos à graça de Deus, nos deixemos embeber por ela e nos movamos em função dela, na prática dos Mandamentos, e assim irradiaremos “a luz do bom exemplo” sobre os ambientes, as mentalidades e as vidas das pessoas que nos cercam, cumprindo o conselho de Nosso Senhor: “Assim brilhe a vossa luz diante dos homens” (Mt 5, 16)

Por Adilson Costa da Costa

_______________________

1  Mons. João S. Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos. v. II, Coedição internacional de Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2013, p. 61.
² Idem, p. 62