By

Foz do Iguaçu

Alunos da Escola Arautos do Evangelho de Curitiba, Ponta Grossa e Maringá, mais alunos do Projeto Futuro e Vida dessas cidades, uniram-se para um passeio histórico!

Repleto de fortes emoções, foi essa viagem marcada, sobretudo, pelo convívio e benquerença, notas dominantes e características entre os Arautos. O percurso teve início no dia da solenidade da Padroeira do Brasil. Cada conjunto partiu de sua cidade, o encontro na hospedagem foi selado com a Santa Missa em honra aos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida.

Read More

By

Os “milagres” dos apóstolos de nossos dias!

As diversas reflexões da Liturgia no Tempo Comum nos remetem aos grandes milagres operados por Nosso Senhor Jesus Cristo durante a Sua existência terrena: curando doentes, expulsando demônios, ressuscitando mortos, enfim, realizando uma quantidade enorme de feitos extraordinários, buscava o Divino Mestre provar os propósitos de Sua vinda e confirmar na Fé os seus débeis seguidores.

Jesus [também] conferiu aos Apóstolos o poder de expulsar os espíritos imundos e o dom de curar os enfermos, para que os homens daquela época dessem crédito à mensagem do Evangelho.

E em nossos dias, qual é a prova da autenticidade da Boa Nova que os evangelizadores devem apresentar ao mundo moderno?

O “milagre” que os autênticos evangelizadores devem fazer é o de anunciar a Jesus Cristo mediante o testemunho de uma vida santa: praticando a virtude, aspirando à santidade e desprezando as solicitações e os ilusórios encantos do mundo. Este, sim, é o milagre capaz de transformar as famílias e a sociedade. (1)

Tendo em vista, principalmente, os feriados de Carnaval, durante os quais o paganismo de nossos dias é exposto com uma rudeza que chega a chocar, eis aí uma boa reflexão que a Frase da Semana propõe a seus leitores. Vamos pedir a Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil que interceda para que tenhamos muitos “milagres” de autêntica fidelidade a Jesus Cristo.

Salve Maria!

_____________________

(1) Arautos do Evangelho. Boletim Informativo Maria Rainha dos Corações. Julho/Agosto de 2010, n. 48 (Editorial).

By

Buscar a salvação que vem de Deus

“A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.”
(Salmo 49)

Este belíssimo trecho do salmo (Sl 49,23) nos é apresentado pela Liturgia  no dia em que a Igreja comemora a Festa de São Sebastião, cuja devoção é  muitíssimo popular no Brasil.

Proceder “retamente” é buscar fazer a vontade de Deus em todos os  momentos da nossa vida. Os santos nos são dados para que, conhecendo a  sua vida, procuremos imitá-los. São Sebastião é um exemplo concreto desse  proceder reto, pois “ele próprio não deixou, no momento oportuno, de declarar- se cristão, dando o testemunho e servindo de exemplo a numerosos outros seguidores de Jesus que enfrentavam as perseguições da Era dos Mártires, como foi chamado o período de busca e morte aos fiéis conforme ordenado  pelo sanguinário imperador Deocleciano” (1).

Proceder retamente significa buscar a santidade de vida, agindo em nosso dia-
a-dia de acordo com aquilo que Deus quer de nós; sejamos pais ou mães de  família, filhos, irmãos, patrões, empregados… em todos os estados de vida,  somos convidados a cumprir esta grande Vocação: ser santos! Exatamente  na mesma linha do conselho evangélico dado por Nosso Senhor Jesus Cristo:  “Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e tudo o mais vos  será dado em acréscimo” (Mt 6,33).

O martírio de São Sebastião

Peçamos, portanto, ao grande São Sebastião que nos ajude nesse propósito:  levarmos nossa vida reta – não tortuosa, bem focada em agir de acordo com  o que Deus espera de nós, para que, ao final, possamos alcançar a Salvação. Que Maria Santíssima nos ajude!

Salve Maria!

(1) Arautos do Evangelho. São Sebastião. Disponível em:
http://www.arautos.org/especial/33252/Sao-Sebastiao–Martir.html

By

Caro leitor, não deixe de ler este artigo!

Muitas são as diversidades que encontramos no povo brasileiro. Desde o gaúcho até o nordestino, quanta variedade, não é mesmo? Pode ser que o leitor já tenha viajado por muitos estados do Brasil, e pôde, assim, comprovar como existem diferenças em cada um deles: no sotaque, no vocabulário, na culinária, na mentalidade e na maneira de agir em meio às dificuldades da vida, etc.

Não vamos nos alongar muito, pois só o “passear” por essas múltiplas variedades daria uma excelente obra literária, que certamente todos gostaríamos de ler. Como seria interessante e atraente vermos um álbum bem diagramado e ilustrado, com papel de primorosa qualidade, que mostrasse toda essa pluralidade de aspectos da cultura brasileira! Não teríamos vontade de folhear e ler essas páginas?

Isso que acontece em nosso tão querido Brasil, ocorre também em maior ou menor grau nos países do mundo. Cada um deles possui uma cultura própria. Mas por quê? Por que, por exemplo, os europeus são tão diferentes dos latinos ou dos africanos?

A resposta a tal questionamento encontra-se na Doutrina Católica: é porque Deus, Ser infinitamente sábio e generoso, quis deixar no conjunto da criação uma grande variedade de criaturas, para que pudessem melhor refletir sua grandeza majestosa, infinita e perfeita. E é por isso que o Altíssimo criou também os homens e as nações com uma grande variedade de psicologias, para que pudessem amá-Lo e adorá-Lo com a sua própria maneira de ser e de viver.

Dediquemos-nos a analisar, ainda que brevemente, a maneira de ser do povo alemão. Tem ele uma grande delicadeza de alma para as canções de Natal. De tal maneira, que eles compuseram a canção de Natal universal: Stille Nacht, (Noite feliz), melodia que passou a ser a canção natalina de todos os países.

Oh sim, o Noite Feliz! Logo ao ouvirmos os primeiro acordes desta sublime música, vem-nos um sentimento de ternura e submissão de espírito diante do Menino Jesus, tão pequeno e frágil na manjedoura.

O Menino está dormindo em celestial tranquilidade – como nos diz a letra original em alemão: “schlaf in himmlischer Rhu”. Que traduzida diz: dorme em celestial tranquilidade. Mas que com que tranquilidade Ele dorme!

Esse Menino não é um Menino da terra, é um Menino do Céu. A tranquilidade dele é a tranquilidade do céu. Vejam só que altas cogitações de reverência, compaixão e ternura estes belos acordes nos trazem. Sentimentos de ternura vigilante para que nada toque no Menino, que nada O moleste. Ele começa a chorar, mas logo a Mãe O consola, e temos então um profundo movimento interior de compaixão.

Acompanhando este movimento de ternura vem também uma alta reflexão, admiração e enlevo pelo Menino na melodia da música. Por quê? Porque ali está o Menino-Deus, que quando abre seus braços já forma uma cruz, fazendo-nos pensar na dor insondável pela qual Ele passará. Tudo para o nosso bem, para nossa salvação, pois Ele veio ao mundo para essa finalidade.

Isso forma um magnífico paradoxo, pois é a ternura e a compaixão para Alguém que é infinitamente mais do que nós; é a ternura para com Deus! Então temos a compaixão admirativa, para com o que há de mais delicado, fazendo-se um pedido Àquele de que se tem pena. Isso é de uma grande beleza, e está muito bem representado na melodia do Noite Feliz, não é verdade?

É muito interessante vermos como todas as canções de Natal alemãs possuem esses sentimentos magnificamente ligados, e que formam o espírito de Natal no povo alemão.

Isso sem falar nas suculentas, deliciosas e substanciosas iguarias da culinária alemã, dos abundantes e coloridos enfeites no pinheirinho de Natal, etc. Imaginemos, em um pequeno povoado alemão, as casinhas da aldeia todas cobertas de neve, com as fumaças subindo das chaminés, e é a festa de Natal que já está preparada; a lareira está acesa, as delícias já estão no forno…Todos vão caminhando com passos largos para a igrejinha, com um relógio iluminado por dentro, indicando dez para a meia-noite.Todos entram logo para tirar seus capotões e se aquecerem. Depois da Santa Missa, começam, então, as festas de Natal. Tudo isto está em um quadro só, que completa os sentimentos de uma canção de Natal alemã.

Maneiras diferentes de conceber o Natal vemos também em outros povos, como o povo espanhol, francês, inglês, etc. Agora, por que digo isso? Para compreendermos melhor a Igreja Católica vivendo na alma de povos diferentes. Porque Ela é riquíssima, inesgotável em frutos de santidade e de perfeição. É equivalente ao sol quando atravessa vidros de cores diferentes. A luz solar quando transpassa num vitral vermelho acende um rubi; quando passa por um pedaço de vitral verde, faz fulgurar uma esmeralda! No fundo é o mesmo sol. De noite aquele vitral não expressa esta variedade de cores e símbolos.

Peçamos, então, a Nossa Senhora que nos faça compreender e amar cada vez mais o espírito da Igreja Católica, vendo e analisando os belos reflexos dessa luz admirável no riquíssimo e encantador vitral da cristandade.

Peçamos ao Menino Jesus que o amemos cada vez mais e que – neste ano de 2014 que se inicia – possamos dar a Ele o melhor de todos os presentes: o nosso coração.

Por Luís Plinio Gabriel Campanholi dos Santos

By

“Eu quero tudo!”

A propósito da comemoração da memória de uma das santas mais populares no Brasil, Santa Teresinha do Menino Jesus, comemorada no dia 1° deste mês de Outubro, os Arautos do Evangelho trazem para o leitor um belíssimo trecho de sua autobiografia, em que transparece sua singular e grandiosa vocação dentro da Igreja.

Santa Teresinha do Menino Jesus

Padroeira das Missões sem nunca ter saído de seu Mosteiro? Esse trecho mostra o modo pelo qual uma alma pode, por sua vocação, suas orações, trabalhos, intenções, mas sobretudo por seu amor a Deus e à Igreja, realizar uma grande obra espiritual dentro de uma vida material comum e simples. É o que propõe a chamada “Pequena Via” aberta por essa doutora da Igreja às almas que não se sentem capazes de grandes ações naturais, mas que desejam grandes vitórias para Nosso Senhor neste mundo.

Não tendo ainda sua vocação totalmente esclarecida, procurava a jovem Teresa consolo nas Sagradas Escrituras, mais especificamente nas cartas de São Paulo, qual seria sua função no Corpo Místico de Cristo, ou seja, a Igreja:

 “Ao considerar o Corpo místico da Igreja, não me encontrara em nenhum dos membros enumerados por São Paulo, mas, ao contrário, desejava ver-me em todos eles. A caridade deu-me o eixo de minha vocação. Compreendi que a Igreja tem um corpo formado de vários membros e neste corpo não pode faltar o membro necessário e o mais nobre: entendi que a Igreja tem um coração e este coração está inflamado de amor. Compreendi que os membros da Igreja são impelidos a agir por um único amor, de forma que, extinto este, os apóstolos não mais enunciariam o Evangelho, os mártires não mais derramariam o sangue. Percebi, reconheci que o amor encerra em si todas as vocações, que o amor é tudo, abraça todos os tempos e lugares, numa palavra, o amor é eterno.

Então, delirante de alegria, exclamei: Ó Jesus, meu amor, encontrei afinal minha vocação: minha vocação é o amor. Sim, encontrei o meu lugar na igreja, Tu me deste este lugar, meu Deus. No coração da Igreja, minha Mãe, eu serei o amor e desse modo serei tudo, e meu desejo se realizará.”1

Sobre essa sua, ao mesmo tempo, especial e universal vocação, trazemos um pequeno “fioretti” em que esta já se entrevia… Sendo ainda bem pequena, foi-lhe apresentada, numa ocasião especial, uma bela bandeja cheia dos mais variados presentes, para que ela pudesse escolher aquele que fosse de seu maior agrado. Interrogada a este respeito, veio de súbito a resposta da pequena Teresa: “Quero tudo!”.

Peçamos a Santa Teresinha que inflame nossas pequenas almas com o grande amor que a levou a desejar e alcançar os maiores píncaros da Santidade.

____________________________

1Manuscrits autobiographiques, Lisieux 1957, 227-229
%d blogueiros gostam disto: